Blog do Perrone

Folga
Comentários 5

Perrone

Este blogueiro está de folga e retoma suas atividades no próximo dia 2.


Porto e Corinthians divergem sobre pagamentos referentes a Felipe
Comentários 7

Perrone

Corinthians e Porto divergem sobre a situação dos pagamentos referentes à compra do zagueiro Felipe pelos portugueses. Como mostrou o Uol Esporte, o alvinegro alega que não recebeu duas parcelas, uma de R$ 1,8 milhão e outra de cerca de R$ 3,6 milhões. Um dia após a publicação da reportagem, o Porto emitiu uma nota à imprensa contestando a informação que fora confirmada por Emerson Piovezan, diretor financeiro corintiano, e alegou que o dirigente se desculpou com os portugueses.

“A verdade é que ontem à tarde recebemos um e-mail assinado pelo próprio diretor financeiro do Corinthians que se desculpava e confirmava que o plano de pagamentos está a ser cumprido”, afirmou o clube português.

Porém, Piovezan contesta essa versão. “Não quero polemizar, como você gosta, mas não reflete a realidade. Só isso”, declarou o dirigente ao blog por mensagem via celular. O cartola respondia se procedia a informação do Porto de que ele pediu desculpas e reconheceu não haver atrasos.

Confira a declaração oficial do Porto divulgada na newsletter oficial do clube para a imprensa portuguesa:

''Ontem circulou no Brasil uma notícia que relatava um alegado atraso do FC Porto no cumprimento do plano de pagamentos da transferência de Felipe do Corinthians para o nosso clube. Isso é falso e essa mesma informação já tinha sido prestada ao jornalista que anteontem nos tinha contactado. O texto apresentava a versão do FC Porto, mas com muito menos destaque do que a versão apresentada por Emerson Piovezan, diretor financeiro do clube brasileiro. A verdade é que ontem à tarde recebemos um mail assinado pelo próprio diretor financeiro do Corinthians, que se desculpava e confirmava que o plano de pagamentos está a ser cumprido''.

 


Conselho do Palmeiras fará sindicância sobre comissão para agente errado
Comentários 6

Perrone

Com José Edgar de Matos, do UOL, em São Paulo

O Conselho Deliberativo do Palmeiras vai abrir sindicância para apurar possíveis responsabilidades de dirigentes no caso envolvendo o pagamento de comissão pelo volante Wesley. A operação feita em 2012, durante a gestão de Arnaldo Tirone, foi parar na Justiça com o clube acusado de não pagar os valores devidos a um agente envolvido no negócio. Em sua defesa, os cartolas alviverdes alegaram ter pago o empresário errado. 

Na ocasião, o alviverde pagou R$ 1,3 milhão de comissão a Maickel Portela, que seria representante daempresa MKT Brasil. Porém, neste mês, a Justiça determinou que o clube pagasse a mesma quantia para Renee Pinheiro, que se apresentou como dono da empresa e alegou que o dinheiro nunca foi pago para ela. Ou seja, o Alviverde teria feito o acerto com o empresário errado.

Ao blog, Tirone afirmou que o Palmeiras tratou do caso com o agente que tinha autorização do Werder Bremen (time vendedor) e que o clube deve mesmo fazer uma apuração para esclarecer os fatos. O ex-presidente disse ainda que também está apurando o episódio e que, se o clube pagou a quem não devia, o recebedor precisa devolver o dinheiro. Leia a entrevista com ele no fim do post.

A derrota na Justiça incomodou conselheiros especialmente porque o juiz Gustavo de Carvalho afirmou não ser minimamente crível que um clube como o Palmeiras pudesse agir de maneira tão ''amadora'' no tocante a uma de suas atividades mais corriqueiras, a contratação de jogadores. Ele afirma ainda que não há elementos nos autos que indiquem que Portela, “se é que recebeu algo”, agiu em nome da empresa.

Indignados, membros da nova oposição palmeirense, formada por conselheiros que tentaram barrar a candidatura de Leila Pereira a uma cadeira no Conselho Deliberativo, alegando irregularidade na candidatura, passaram a cobrar a abertura de sindicância sobre o caso.

“Já pedi ao departamento jurídico que me apresente todos os documentos referentes a essa situação. Assim que eu receber, vou formar a comissão de sindicância. Ela vai apurar o que aconteceu e apresentar sua decisão ao Conselho Deliberativo, que vai decidir o que fazer”, disse ao blog Seraphim Carlos Del Grande, presidente do órgão.

Entre as medidas que podem ser tomadas, estão punições a quem for considerado culpado pelo prejuízo ao Palmeiras e pedido de ressarcimento de dinheiro na Justiça.

Abaixo, leia entrevista feita por troca de mensagens pelo celular com Tirone sobre o assunto.

Blog – Qual a sua opinião sobre a decisão do presidente do Conselho de abrir sindicância para apurar o motivo para o Palmeiras pagar o empresário errado na compra de Wesley?

Arnaldo Tirone – Não tenho nada contra a abertura de sindicância para apurar os fatos. Muito pelo contrário, uma apuração aprofundada e realizada com isenção vai esclarecer todos os pontos. O Palmeiras deve apurar, sim, esses fatos.

Blog – O que o senhor achou da decisão do Juiz obrigando o Palmeiras a pagar de novo a comissão e dizendo não ser crível o pagamento errado?

Tirone – Ainda não tenho visão integral do processo e por isso não consigo dizer em que contexto essa frase foi dita. Já pedi para o meu advogado levantar integralmente o processo e, quando eu tiver essa visão, vou poder me manifestar. Também estou levantando informações com todos os que estiveram diretamente ligados a essa contratação. O fato é que o Palmeiras tratou com o empresário que tinha autorização do Werder Bremen para negociar o Wesley.

Blog – O que aconteceu para o pagamento ser feito ao agente errado?

Tirone – Como já te disse, estou apurando para não cometer injustiças. Mas o fato para mim é muito simples: se o Palmeiras pagou a quem não devia, quem recebeu tem que pagar para o Palmeiras.

 


Multa foi acerto da diretoria do Palmeiras. Era importante inibir valentões
Comentários 12

Perrone

A diretoria do Palmeiras, na opinião deste blogueiro, acertou ao multar os valentões Felipe Melo e Omar Feitosa por baterem boca após um rachão do time.

A punição é até tardia, já que os dois protagonizaram outros casos de valentia incompatível com o ambiente de trabalho.

Conforme apurou o blog, o castigo não foi um pedido de Cuca, mas decisão da direção baseada no regimento interno do alviverde. Se bem que o treinador também acertou no episódio ao demonstrar sua insatisfação com a situação.

No meio do futebol, são conhecidas as maneiras de agir do preparador físico e do volante, que parecem candidatos a macho alfa sempre tentando dominar o território.

Para este blogueiro, tal comportamento passa dos limites e tem grande potencial para prejudicar o clube. Felipe Melo, se não se acalmar, certamente deixará a equipe mais vezes na mão por causa de suspensão. Na briga contra o Peñarol, o volante claramente tentou evitar o confronto físico, mas suas declarações logo na chegada ao Palmeiras sobre dar tapa na cara de uruguaio, certamente contribuíram para o clima hostil.

No caso de Feitosa, é inadmissível que um membro da comissão técnica se enrosque com atletas. Por obrigação, ele deve preservar o bom ambiente no vestiário e ser respeitado, sem ter que apelar para isso.

O atrito entre os dois tem alto potencial para provocar um racha no vestiário, já que um está entre os líderes do time, e o outro faz parte da comissão técnica e dá ordens aos atletas.

Colocar em risco essa relação no trabalho é suficiente para justificar o castigo imposto. O valor da multa não foi revelado, mas é o que menos importa na ação. O importante é que os machões tenham entendido o recado. Não podem continuar ameaçando o trabalho coletivo só porque não são de levar desaforo para casa. Faz parte do trabalho coletivo a arte de engolir sapos.

A justificativa que são normais discussões, xingamentos e até um ou outro sopapo no futebol não cola. Em nenhum ambiente profissional isso é visto como parte do trabalho. Jogadores e membros da comissão técnica não podem ser tratados como profissionais de alto nível na hora de receber o salário e como peladeiros quando cometem seus deslizes.

 


Ex-poderoso da Globo volta a se reunir com clubes na CBF, mas nega projeto
Comentários 10

Perrone

Em reunião de clubes da Série A do Brasileiro na última segunda na CBF chamou atenção a presença de Marcelo Campos Pinto, ex-poderoso executivo da Globo, que era responsável pela negociação de direitos de transmissão de jogos.

A participação dele foi vista por parte dos presentes como uma demonstração de que o ex-diretor da Globo Esportes voltou a ter influência na Confederação Brasileira. Houve até quem entendesse que ele participaria do projeto de comercialização das transmissões para fora do país, mas Marcelo negou ao blog existir essa possiblidade.

Campos Pinto deixou a emissora em novembro de 2015. Na ocasião, a Globo afirmou que ele iria se aposentar, desvinculando a mudança das investigações feitas pelo FBI envolvendo, entre outros temas, a venda de direitos de transmissão de partidas.

 Ao blog, o ex-funcionário da maior emissora do país negou que tenha voltado à ativa no ramo de transmissões no futebol brasileiro. “Conheço um pessoal que está trabalhando com produção (em transmissões) e me pediu para apresentar (à CBF). Só fui lá para acompanhar esse pessoal, não estou participando de projeto nenhum de transmissões de jogos. Até cheguei na reunião depois do começo”, declarou Campos Pinto.

O principal objetivo do encontro foi discutir a comercialização das transmissões do Campeonato Brasileiro para o mercado internacional. Sem revelar o nome de quem apresentou para a CBF, Marcelo disse que são pessoas que falaram sobre como padronizar as transmissões para o exterior em nível europeu.

Indagado sobre a participação de Campos Pinto, o departamento de comunicação da CBF respondeu que ele apenas compartilhou experiências, negando o envolvimento dele na venda de direitos. Afirmou ainda que um consultor internacional também esteve presente falando de sua experiência na Europa.

Segundo a CBF, não há negociação em andamento, existindo apenas um debate sobre o projeto de internacionalização do futebol brasileiro.

De acordo com um dos presentes, o ex-diretor da Globo falou da importância de os clubes valorizarem os direitos de transmissão pela Internet e apresentou dados sobre o aumento de audiência na rede mundial de computadores.


Justiça dá 3 dias para Corinthians quitar dívida por material de construção
Comentários 80

Perrone

Em decisão do último dia 18, a 29º Vara Cível de São Paulo deu três dias para o Corinthians pagar dívida com a Ferronor Comércio de Ferro e Aço, empresa que forneceu telhas e outros materiais de construção ao clube e não recebeu o pagamento.

O débito cobrado é de R$ 17.847,78 e deveria ter sido quitado até fevereiro deste ano.

A contagem do prazo para o Corinthians efetuar o pagamento é a partir da citação do clube pela Justiça.

O blog telefonou para o diretor jurídico alvinegro, Luiz Alberto Bussab, para falar sobre o assunto, mas o celular dele estava desligado. O dirigente não respondeu à mensagem enviada por telefone. No site do Tribunal de Justiça de São Paulo não há registro de que a citação já tenha sido feita.

Se o pagamento não for efetuado, um oficial de Justiça deverá penhorar bens que assegurem a quitação. No entanto, o clube pode apresentar embargos contra a decisão. Ou ainda reconhecer o crédito da empresa, depositar 30% do valor cobrado, mais honorários e custas processuais, e parcelar o restante em seis meses.


Após série de adiamentos, termina auditoria na Arena Corinthians
Comentários 7

Perrone

Após uma sequência de adiamentos, o escritório Cláudio Cunha Engenharia Consultiva considera concluída auditoria relativa às questões arquitetônicas e de engenharia na Arena Corinthians.

O relatório deve ser entregue à direção alvinegra na próxima quarta-feira.

Apesar de os detalhes serem mantidos em sigilo, o blog apurou que o trabalho deve apontar cerca de R$ 200 milhões em obras não feitas ou que precisam ser refeitas pela Odebrecht, como indicou auditoria anterior, mais concentrada em contratos, feita pelo escritório de advocacia Molina & Reis. A Odebrecht não reconhece esse valor.

Só em 2017 a entrega da auditoria foi adiada quatro vezes. O atraso supera oito meses e foi provocado, primeiro, pela dificuldade na obtenção de documentos considerados sigilosos pela Odebrecht, e, depois, pela complexidade da análise de boa parte deles.

O Corinthians aguarda o relatório para analisar se a Odebrecht cumpriu integralmente o contrato entre as partes, o que a construtora afirma ter feito.


Opinião: em Chapecó, melhor elenco do Brasil não justificou seu preço
Comentários 11

Perrone

Na opinião deste blogueiro, Cuca fez bem em poupar parte de seus titulares do jogo em Chapecó. Afinal, o alto investimento feito em contratações não foi para ter um só time forte, mas dois. O objetivo é fazer com que o rendimento seja semelhante independentemente de quem está em campo. Isso permite disputar com tranquilidade uma competição longa como o Brasileirão e ter condições de brigar por mais de um título na temporada.

Só que em seu primeiro teste de força no Brasileiro, o time misto do Palmeiras decepcionou ao perder para a Chapecoense por 1 a 0 fora de casa. Não que o time de Chapecó seja fraco. Pelo contrário, é organizado e já tinha conseguido um empate em São Paulo contra o Corinthians. Mas, com o elenco que tem, o Palmeiras deve ser cobrado por vitórias quando enfrenta equipes mais modestas, seja onde for.

Prass, Michel Bastos, Tchê Tchê, Roger Guedes e Willan formam uma base suficientemente forte para brigar por três pontos fora de casa contra a Chape. Claro que o fato de ser apenas o terceiro jogo com Cuca atrapalha, mas os que entraram em campo estão devendo. A equipe escalada tinha obrigação de fazer muito mais do que se preocupar prioritariamente em se defender, como quem se contenta com o empate.

 Jogar para empatar fora de casa e acabar perdendo por 1 a 0 é para quem tem um time muito mais barato do que o atual campeão brasileiro. O dono do melhor elenco do Brasil, pelo menos na opinião deste blogueiro, precisa fazer muito mais.


Conselheiros suspeitam que atleta vazou informações para fritar Ceni
Comentários 118

Perrone

O vazamento sobre episódios envolvendo Rogério e jogadores despertou a desconfiança de conselheiros graduados do São Paulo e com trânsito na diretoria e de pelo menos um membro do Conselho de Administração do clube de que há alguém no elenco interessado em fritar o treinador.

A suspeita é de que um ou mais jogadores descontentes fizeram com que a informação chegasse à imprensa para queimar Ceni. Porém, ninguém arrisca quem seriam os delatores.

Foram dois casos que saíram do vestiário. Um bronca do treinador em Rodrigo Caio após o zagueiro, ao ser sincero, evitar que o corintiano Jô tomasse cartão amarelo, e o chute dado por Ceni num quadro usado para explicações táticas no vestiário e que atingiu Cícero no intervalo do mesmo jogo com o Corinthians.

A suspeita de que o vazamento foi feito por um ou mais atletas também deixou nos mesmos cartolas a dúvida sobre se Ceni teria perdido o controle do vestiário. Até então, apesar dos maus resultados recentes, sua situação era considerada sólida.

A partir dessas notícias, foi ligado o sinal de alerta. A expectativa desse grupo passou a ser em relação ao comportamento dos jogadores nos próximos jogos para saber se havia algum risco de Rogério ficar sem clima para seguir no cargo. A cúpula tricolor, no entanto, em nenhum momento deixou de blindar o técnico.

Mas, antes de a equipe voltar a campo, líderes do elenco, como Rodrigo Caio, Lugano e Pratto, além de Cícero, defenderam Ceni publicamente numa tentativa de mostrar apoio do grupo ao treinador.

Os discursos acalmaram os bastidores do Morumbi, mas a desconfiança de que algo cheira mal no vestiário são-paulino ainda não foi dissipada.


MP pede que SPFC e FPF paguem R$ 8,2 milhões por acidente no Morumbi
Comentários 21

Perrone

São Paulo e Federação Paulista de Futebol são alvos de uma ação civil pública proposta pelo promotor Marcus Vinicius Monteiro dos Santos (Habitação e Urbanismo) por conta da queda de torcedores no Morumbi provocada pelo rompimento de uma grade em 2016. Ele pede que clube e FPF sejam condenados a pagar solidariamente indenização por danos sociais igual ao dobro da receita bruta gerada pela partida entre o time paulista e o Atlético-MG em 11 de maio do ano passado, quando aconteceu o acidente. A arrecadação com a venda de ingressos foi de R$ 4,1 milhões.

O MP teve negado em primeira instância, no dia 18 de abril, pedido de interdição do Morumbi por meio de liminar até que São Paulo e federação apresentassem laudos comprovando que o estádio oferece segurança aos torcedores.

A segunda Vara Cível da capital paulista entendeu que não havia provas de que as partes não tinham tomado providências em relação à segurança do local e determinou que elas se manifestassem.

Caso a justiça conceda o pagamento de indenização por dano social (quando há lesão ao bem-estar coletivo), o valor irá para o Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos.

O promotor também pede que São Paulo e FPF indenizem todos os torcedores que caíram de um dos setores do Morumbi no dia do acidente por danos materiais e morais sofridos, mas não estipula o valor. Pelo menos três entraram com ações individuais contra o clube. Foram cerca de 30 envolvidos.

Renato Acacio de Azevedo Borsanelli, juiz responsável pelo caso, pediu que o promotor justificasse a inclusão da federação como ré, pois o estádio pertence ao São Paulo. Entre os motivos, ele alegou que a entidade tinha à sua disposição um laudo técnico demonstrando existir problemas de segurança no Cícero Pompeu de Toledo e deixou de tomar providências. Na inicial, o promotor já havia citado laudo de vistoria de engenharia feito no Morumbi em 2015 por um engenheiro civil e disponível no site da FPF que apontava irregularidades em guarda-corpos semelhantes ao que se rompeu no acidente mas em outro setor do estádio.

Procurado pelo blog, o departamento de comunicação da FPF emitiu a seguinte nota:

“A federação Paulista de Futebol Interdita ou libera estádios com base única e exclusivamente nos laudos técnicos elaborados pelas autoridades competentes, como de PM, engenheiros responsáveis e do Corpo de Bombeiros. No caso do estádio do Morumbi, todos os laudos emitidos pelas autoridades à época do acidente autorizavam o estádio para a realização de jogos com a liberação total do espaço”.

Por sua vez, a assessoria de imprensa do São Paulo disse que o clube ainda não havia sido citado pela Justiça e por isso não se manifestaria. Porém, listou uma série de medidas tomadas após o acidente, como a instalação de hastes adicionais nos guarda-corpos e reforçou todas as estruturas, chumbando as hastes no concreto e garantido que elas fossem devidamente enterradas. A queda de torcedores aconteceu após o rompimento de um guarda-corpo que havia sido soldado.