Blog do Perrone

Corinthians tenta acordo após ver dívida com arquiteto aumentar em R$ 4 mi

Perrone

Deve, não nega e paga parceladamente depois que a dívida aumentar em cerca de R$ 4 milhões. Essa afirmação serve para o Corinthians, cobrado judicialmente pelo escritório do arquiteto Anibal Coutinho, responsável pelo projeto da arena do clube.

Em janeiro de 2015, Coutinho emprestou R$ 7 milhões para o alvinegro, que enfrentava dificuldades para quitar os salários dos jogadores. Após seguidas tentativas de receber a quantia, resultante de pagamento feito pela Odebrecht por parte de seu trabalho no estádio, ele acionou a Justiça. Só que o valor subiu para R$ 11,1 milhões, com juros, correções, multa e honorários advocatícios.

O Corinthians discorda apenas da quantia cobrada como honorários advocatícios. “Não contestamos o valor cobrado por ele e vamos tentar um acordo para parcelar a dívida. Só não concordamos com os honorários porque eles já tinham sido calculados pelo advogado dele na inicial (da ação). O juiz fez o cálculo de novo, então teríamos que pagar duas vezes”, disse ao blog Diógenes Mello Pimentel Neto, advogado corintiano.

Ele alegou na ação excesso de execução, por conta da discordância em relação aos honorários. No último dia 21, o juiz André Pinto, da 27ª Vara Cível do Rio de Janeiro, onde fica o escritório, recebeu o pedido e apenas marcou uma audiência para 15 de março. Nela, o Corinthians vai sugerir o acordo, que evitaria penhoras em contas do clube.

O empréstimo foi feito ainda na gestão de Mário Gobbi e deveria ser quitado seis meses após a entrega do dinheiro. O blog apurou que Coutinho fez várias tentativas de receber, acionando principalmente Andrés Sanchez, ex-presidente corintiano e que tocou os assuntos relativos à obra. Ele não foi ouvido porque não fala com o blog. Emerson Piovezan, diretor financeiro corintiano, não respondeu à mensagem com pergunta sobre o motivo para um acordo não ter sido feito antes da ação na Justiça.

Na ocasião em que decidiu conceder o empréstimo, Coutinho alegava dificuldades para receber por seu serviço, o que aconteceu, segundo sua versão após a operação com Corinthians ser alinhada.  Já a construtora nega que tenha havido entraves na liberação do dinheiro para o clube fazer o pagamento ao escritório de arquitetura.