Blog do Perrone

Arquivo : Barcelona

Barça resiste à proposta do Palmeiras para impedir saída de Mina em julho
Comentários Comente

Perrone

Maurício Galiotte e Alexandre Mattos foram para a Espanha em busca de um acordo com o Barcelona para alterar a data da preferência que o time espanhol tem para contratar Mina de julho de 2017 para o mesmo mês do ano que vem, conforme apurou o blog. O objetivo da mudança é assegurar que o colombiano dispute a atual Libertadores até o fim.

Porém, a negociação não vai ser fácil. Segundo fonte ligada ao clube espanhol, o Barça não está disposto a aceitar a prorrogação proposta por presidente e diretor remunerado do Palmeiras. Prefere manter o direito de decidir a questão em julho deste ano. A tendência neste momento é de fazer valer a cláusula, mas o Palmeiras ainda não jogou a toalha.

A opção de compra do time catalão vale desde que sejam pagos 9 milhões de euros (cerca de R$29,2 milhões) pelo atleta.

A assessoria de imprensa do Palmeiras afirmou ao blog que o clube não se manifestaria sobre o assunto.

Além da negociação por Mina, os dirigentes palmeirenses querem estreitar a relação com o Barcelona.


Neymar explica sua melhora como “garçom”: seleção e Barça equilibrados
Comentários Comente

Perrone

Em entrevista ao blog por e-mail, via assessoria de imprensa, Neymar falou sobre sua fase como “garçom”. Ele é o líder de assistências da Champions League, com 7 passes para gols.

De acordo com a assessoria do jogador, em 23 de novembro, contra o Celtic, pela Copa dos Campeões, o atleta quebrou seu recorde pessoal de assistências numa temporada atingindo 32 em 50 jogos. Porém, nessa conta, não estão apenas passes que resultaram em gol, pois foram anotadas quatro na vitória por 2 a 0 sobre o time escocês. Também segundo o estafe do atacante, o recorde anterior era de 31 assistências em 70 jogos em 2013.

De acordo com o site “Whoscored.com”, em 2016, Neymar fez 13 assistências em jogos do Espanhol e da Champions League. O estafe do brasileiro registra ainda outras seis (uma por partida) das eliminatórias da Copa de 2018 em 2016.

Abaixo, leia o que Neymar diz a respeito de sua melhora como “garçom”.

Blog – A que atribui esse aumento no número de assistências?

NeymarAtribuo a muito trabalho tanto coletivo como individual. Sem treinamento os resultados não aparecem.

 Blog – Fez algum treinamento específico para isso?

NeymarNão, não fiz nada específico, isso é fruto da sequência do trabalho.

 Blog – Seus treinadores atuais na seleção (Tite) e no Barcelona (Luis Enrique) cobram esse tipo de participação?

Neymar – Não há cobrança por assistências ou artilharia. Mas há muito treinamento para que a equipe seja capaz de criar oportunidades de gol.

 Blog – Ser mais efetivo nas assistências o deixa mais perto de ser eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa?

 Neymar – Eu nunca tive a preocupação de ser o melhor do mundo. Se esse reconhecimento vier a acontecer será fruto do meu trabalho como um todo, não apenas por causa das assistências e gols.

 Blog – Qual a importância para a seleção brasileira sua participação como ‘garçom’ permitindo o crescimento de outros jogadores como goleadores?

 NeymarNa verdade as assistências aparecem muito mais em uma equipe equilibrada e entrosada. Os bons jogadores crescem em uma equipe organizada, o contrário exige dele o individualismo e as assistências tendem a diminuir.


Prisão? ‘Neymar já tem idade para responder pelo que faz’, diz executivo
Comentários Comente

Perrone

Entrevista com José Barral, presidente do Grupo Sonda, detentor da DIS, empresa que pede na Justiça cinco anos de prisão para Neymar, seus pais e demais envolvidos na venda do jogador do Santos para o Barcelona.

Blog – A empresa não teme ficar com uma imagem antipática junto ao público ao pedir a prisão de um ídolo de tantos torcedores?

José Barral – Eu até tinha essa dúvida. Mas é básico, se eu ou você fizermos algo errado, temos que responder por isso. Por que o ídolo não tem que responder? Tem que responder também. E é importante dizer que não somos nós que queremos a prisão do Neymar. A lei pede isso. Espero que as pessoas entendam que não é a nossa vontade. Os advogados me explicaram que não poderíamos denunciar os crimes que denunciamos sem pedir a prisão porque a legislação espanhola prevê a prisão. Não é uma questão simples de a DIS se sentir prejudicada. Quando Neymar fez esse contrato (acordo para se transferir) impediu negociações futuras de outros clubes. Isso é chamado na Espanha de estafa de mercado, ele atrapalhou o mercado.

Blog – Como imagina que será a reação dos torcedores à decisão da empresa de pedir a prisão do Neymar e que, independentemente disso, ele seja impedido de jogar?

Barral – Não sei te dizer como as pessoas vão reagir. Estamos num momento diferente no Brasil, em que as pessoas estão vendo tudo de errado que acontece no país. E a inabilitação dele para jogar vale só para a comunidade europeia. Fizemos isso para não afetar totalmente o Neymar. Mas também tivemos que fazer porque a legislação exige. É uma lei nova essa de corrupção privada na Espanha. Está sendo usada pela primeira vez. Não sabemos como será a reação (dos espanhóis).

Blog – Então mesmo se for condenado a não jogar e se não for preso ele pode defender a seleção brasileira numa Copa do Mundo?

Barral – Não sei te explicar os detalhes, os advogados é que sabem. Mas só pedimos a inabilitação para o mercado europeu.

Blog – A transferência foi tocada pelo pai do Neymar. O processo não poderia ser contra ele sem envolver o jogador?

Barral – Ninguém aqui está questionando o Neymar como jogador, que é fantástico. Discutimos o que foi feito fora de campo. Tenho uma filha que tem a mesma idade do Neymar. Ela é psicóloga. Não consigo controlar minha filha, você acha que o pai conseguia controlar o Neymar? Ele tem que assumir a responsabilidade do que fez como homem. Ele é pai de família, não está na idade de dizer que a culpa é dos outros. Vivemos num mudo em que as pessoas assumem responsabilidades muito cedo. Ele era emancipado com 17 anos. Não acredito que hoje alguém consiga decidir por um jovem de 17, 18 anos, ainda mais um jovem com a independência financeira que ele tem. (Neymar está com 24 anos e sua transferência começou a ser negociada quando ele tinha 19).

Blog – Então vocês se sentem enganados pelos dois, pai e filho.

Barral – Claro, pelos dois. A gente se sentiu enganado, ludibriado por tudo o que aconteceu. Não estamos fazendo nada diferente do que buscar nosso direito. Cabe à Justiça dizer se temos razão. (Neymar, seus pais e os demais envolvidos negam irregularidades na negociação).

Blog – Quanto a DIS pede para receber pela transferência do Neymar?

Barral –  Entre 24,8 milhões e 25 milhões de euros. Os valores superiores a isso comentados pela imprensa são cobrados como multa pelo Ministério Público e não são para nós.

Blog – Não teme que o risco de ser preso ou de ser impedido de jogar atrapalhe o desempenho do Neymar?

Barral – O Sonda não pode se preocupar com isso. Ele como profissional tem que saber o que foi feito de errado ou não e assumir a responsabilidade. Cabe a ele saber lidar com isso. Espero que não prejudique porque como jogador ninguém tem nada a reclamar dele.

Blog – Ainda é possível um acordo para que a ação seja retirada, se a família do Neymar aceitar pagar uma quantia para a DIS, por exemplo?

Barral – Nesse momento não porque não depende só da DIS e do Neymar. O Ministério Público está envolvido e teria que aceitar.


Neymar, Gabigol e agora Giva: por que a briga Barcelona x Santos não para
Comentários Comente

Perrone

Uma transferência complexa, envolvendo vários contratos, incluindo amistoso, prioridade em jogadores das categorias de base, acordo antes da final do Mundial de Clubes de 2011 e 40 milhões de euros repassados a empresa comandada pelo pai de Neymar é a origem da guerra sem fim vivida por Barcelona e Santos.

Já são pelo menos três ações na Fifa, uma movida pelo clube brasileiro contra o espanhol e Neymar e duas dos catalães em face do Santos.

Desde que Modesto Roma Júnior, presidente santista, foi à Fifa para questionar os valores da venda de Neymar, o Barcelona passou a examinar as cláusulas da negociação com lupa e a tomar medidas consideradas pelo Santos como retaliação. Além de Neymar, o imbróglio já envolveu Gabigol e Giva. A disputa ainda tem reflexos na política santista. A seguir, entenda melhor esse embate milionário e envolto em rancor.

Declaração de guerra

Em maio de 2015 o Santos interpôs uma demanda arbitral na Fifa contra Barcelona e Neymar para pedir indenização equivalente a diferença entre os 17 milhões de euros que cobrou para vender o jogador e 80 milhões de euros, que seria a quantia verdadeiramente desembolsada pelo Barcelona. No entender do clube brasileiro, o time espanhol e o pai do jogador montaram uma operação para beneficiar a família do jogador financeiramente em detrimento ao alvinegro. Barcelona e Neymar pai negam esse procedimento.

Contra-ataque

Sete meses após ser questionado na Fifa, o Barça deu o troco respondendo ao Santos que não pagaria bônus de 2 milhões de euros previsto em contrato pelo fato de Neymar ter sido finalista do prêmio de melhor do mundo dado pela federação internacional. Os espanhóis alegaram que se os santistas contestam o contrato de transferência, não podem exigir o cumprimento de cláusulas dele.

Gabigol

Em setembro deste ano, foi a vez de o Barcelona reclamar na Fifa de o Santos não ter dado o prazo de três dias, previsto em contrato, para os catalães responderem se exerceriam o seu direito de preferência e cobririam a oferta da Inter de Milão por Gabigol. A prioridade havia sido dada na venda de Neymar. Em carta endereçada ao Barcelona, o Santos deu um dia para o clube se posicionar, alegando que havia recebido a proposta dos italianos na véspera e que se esperasse três dias a janela de transferências se encerraria. Só que Gabriel já tinha feito exames médicos na Inter e se despedido na Vila Belmiro antes de a correspondência ser enviada.

Giva

O episódio mais recente é a queixa do Barcelona na Fifa pelo fato de o Santos, ao vender Neymar, ter dado preferência ao Barça na compra de Giva sem ser o dono majoritário dos direitos dele. O Santos detinha apenas 20% direitos econômicos do jogador, que acabou saindo do clube de graça. Agora, os espanhóis pedem na federação internacional que os brasileiros devolvam a quantia paga pela prioridade em Giva, Gabigol e Victor Andrade.

Rixa política

Para dirigentes do Barcelona e membros do estafe de Neymar o imbróglio todo começou por rixa política no Santos. Entendem que os últimos presidentes do clube se acostumaram a contestar decisões de seus antecessores. Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, ao assumir a presidência, rompeu com a DIS, parceira do clube na gestão de Marcelo Teixeira, que apadrinha o atual presidente. Modesto brigou com a Doyen, considerando, com o apoio do Conselho Deliberativo, que a gestão anterior negociou jogadores com a empresa de maneira irregular. Em seguida, o cartola atacou Neymar e Barcelona depois de a DIS questionar os valores da transação.

Jogo duro

Após ser denunciado na Fifa, o Barcelona entendeu que não poderia facilitar a vida do Santos. Foi assim na venda de Gabigol. Se a relação entre os clubes fosse boa, como não tinha interesse em contratar o atacante, o clube poderia ter respondido no prazo exigido pelo Santos que não exerceria seu direito, sem fazer questão do período de três dias. Exigir o cumprimento de cada linha dos contratos passou a ser prioridade para os catalães.

Retaliação

A diretoria do Santos não fala abertamente, mas nos bastidores os cartolas dizem que o time espanhol está esperneando por causa da ação na Fifa sobre a venda de Neymar e passou a retaliar o clube brasileiro com ações como o não pagamento de bônus e as queixas referentes a Neymar e Gabigol.

Problema interno

A guerra com o Barcelona pode ter ao menos uma consequência interna para o Santos. Influentes membros do Conselho Deliberativo avaliam que o Barça está certo em sua queixa sobre o prazo para responder a respeito de Gabigol não ter sido respeitado. Só que se o Conselho Deliberativo punir Modesto por poder causar prejuízo financeiro ao Santos, o órgão dará munição ao Barça para receber indenização. Não há consenso sobre o que deve ser feito.


Amistoso e acordo na base do Santos ajudaram recurso ‘em caso Neymar’
Comentários Comente

Perrone

Trecho inicial da decisão que acatou recurso para a rebertura do processo

Trecho inicial da decisão que acatou recurso para a rebertura do processo

O blog teve acesso à sentença da Audiência Nacional da Espanha que acatou recurso contra decisão da Justiça Espanhola de arquivar o caso em que Neymar, seu pai, o ex-presidente do Barcelona Sandro Rossell, e Odílio Rodrigues, ex-presidente do Santos, são acusados de corrupção privada e fraude. A decisão de reabrir o processo levou em conta, entre outros documentos,  o trato que previa um amistoso entre os dois times, o acordo que deu prioridade a jogadores da base alvinegra ao clube catalão e uma cláusula do contrato de venda que previa que os dois times dividiriam o prejuízo caso fossem obrigados a dar uma fatia maior do que estabelecida para a DIS, que era dona de 40% dos direitos econômicos de Neymar.

Considerando esses três pontos e toda a investigação feita, a Audiência Nacional diz haver indícios suficientes de que os delitos foram praticados. E que assim procede o recurso apresentado por Ministério Fiscal da Espanha, DIS e Federação das Associações de Atletas Profissionais do Brasil (FAAP), reabrindo o processo. A FAAP entrou como parte interessada por representar os atletas brasileiros.

Todas os acusados negam terem cometido crimes.

A parte final da decisão começa esmiuçando um contrato firmado em 31 de maio de 2013 e que previa a realização de amistoso entre Santos e Barcelona, com caráter gratuito, mas que prevê o pagamento de 4,5 milhões de euros no caso de a partida não acontecer enquanto Neymar é jogador do Barça.

A sentença diz que através desse contrato pode-se entender sem dificuldade que os direitos da DIS não foram reconhecidos, pois o acordo estava vinculado à transferência de Neymar que acabara de ser feita. O tribunal lembra que os clubes reconhecem que o amistoso não foi realizado.

Em seguida, a decisão aborda outro acordo, também de 31 de maio de 2013, pelo qual Barcelona e Santos, com a premissa de terem negociado Neymar por 17 milhões de euros, estabelecem que se, por decisão judicial ou de laudo arbitral, for definido um preço maior, os dois clubes pagariam (para a DIS) o excedente. Cada um arcaria com a metade.

A Audiência Nacional concluiu que essa cláusula “parece evidenciar que os contratantes já previam que o valor acordado para a venda poderia ser superado por outro clube”. Outras equipes teriam feito oferta superior a 17 milhões de euros, mas mesmo assim o Barcelona ganhou a disputa por Neymar, o que alimentou na DIS a suspeita de que os valores estavam sendo maquiados.

Outro acordo usado pelo tribunal para aceitar o recurso, foi firmado em 25 de julho de 2013 e deu, mediante o pagamento de 7,9 milhões de euros, prioridade ao Barcelona para contratar três jogadores da base do Santos (Gabigol, Giva e Victor Andrade). A Audiência Nacional afirma que, conforme prova testemunhal, esse trato estava ligado à venda de Neymar, fato que os clubes negam. O Barcelona não exerceu sua preferência sobre nenhum desses atletas, mas alega que o Santos descumpriu regras do acordo em relação a Gabigol.

Assim, um conjunto de ações, que inclui também um contrato que oficialmente é de empréstimo de 10 milhões de euros do Barcelona para Neymar e um documento pelo qual o Barça se comprometeu a pagar 40 milhões de euros para o jogador quando ele estivesse livre do Santos, teriam elevado o valor real da transferência. A DIS briga na Justiça para receber 40% da quantia total envolvida.

Após a decisão da Audiência Nacional, o Barcelona divulgou comunicado afirmando que ”manterá as teses que sempre defendeu ao longo do processo e demonstrará a inocência de todos os investigados”.

Por sua vez, a NN, uma das empresas da família de Neymar, divulgou nota após o recurso ser aceito afirmando que “continuamos tranquilos porque todos os contratos foram firmados com respeito aos preceitos legais, éticos e morais e com a ciência do Santos Futebol Clube e FC Barcelona”.

O comunicado afirma também que “ficamos ainda mais tranquilos porque, segundo os nossos advogados que acompanham o caso na Espanha, com a decisão do tribunal está afastada definitivamente a responsabilidade criminal”. A empresa alega ainda que o prosseguimento das investigações vai apurar a responsabilidade de Barcelona, Santos, Neymar e seu pai em relação ao contrato firmado em 2011, afastando o jogador e o pai dele dos acordos assinados em 2013, que segundo a nota, terão eventual repercussão restrita aos dois clubes.

Abaixo, reprodução de trecho da decisão que trata do contrato que deu preferência aos Barcelona sobre jogadores da base santista e que fala sobre a investigação ter apontado indícios de que delitos foram cometidos.

Reprodução

 


Barcelona deve pedir na Fifa 8,3 mi de euros do Santos no ‘caso Gabigol’
Comentários Comente

Perrone

O Barcelona está finalizando a documentação para acionar o Santos na Fifa sob a alegação de desrespeitar a preferência que o clube catalão tinha para igualar propostas pelo atacante Gabriel.

A intenção dos espanhóis é pedir que a federação internacional obrigue o time brasileiro a devolver os 3,2 milhões de euros pagos pelo Barça pela prioridade em relação a Gabigol, Victor Andrade e Geuvânio e mais 5 milhões de euros como multa e indenização.

A Fifa tem legitimidade para julgar o imbróglio, pois foi apontada como foro em caso de litígios referentes ao contrato da venda de Neymar. A prioridade sobre o trio foi dada na transação que colocou Neymar no Barcelona, que não exerceu a opção em relação aos outros dois jogadores. Quem se sentir prejudicado com a decisão poderá ainda recorrer ao CAS (Corte Arbitral do Esporte).

Conforme revelou o blog, o Santos mandou uma carta para o Barça no último dia 29 avisando sobre a proposta da Internazionale de Milão por Gabigol e pedindo uma resposta até o dia 30 às 5h pelo horário brasileiro. No mesmo documento, a direção santista admitiu que o contrato de preferência dava aos espanhóis três dias uteis para responderem, mas alegou que a oferta italiana chegou no dia 28 e que a janela de transferências para a Europa se encerraria no dia 31. Assim, o Santos pediu a “gentilmente” para o Barça se manifestar dentro do novo prazo estipulado.

O departamento jurídico do clube catalão vai alegar também que, apesar de a agremiação brasileira dizer ter recebido a proposta em 28 de agosto, Gabriel já tinha feito exames médicos para a Inter, na Itália, e posado segurando a camisa do time italiano.

Nesta segunda,  Modesto Roma Júnior, presidente do Santos, não atendeu aos telefonemas para falar sobre o assunto.  Mas no último dia 2, ao ser indagado pelo blog sobre a intenção do time espanhol de abrir um processo na Fifa, ele disse o seguinte: “O Barcelona que faça o que quiser. Não se esqueça que eles entenderam que não deviam pagar para o Santos 2 milhões de euros previstos em contrato (pela indicação de Neymar como finalista do prêmio de melhor do mundo da Fifa)”.

Na ocasião, os catalães declararam que não fariam o pagamento porque os santistas contestam o contrato da venda do atacante na Fifa, assim, afirmaram, que a contestação também valia para o bônus relacionado a Neymar.

Modesto também disse que propostas oficiais só chegam após os jogadores realizarem exames médicos.

Segundo a Folha de S.Paulo, a diretoria do Santos tem guardado um e-mail enviado no dia 25 de agosto para o Barça avisando que estava negociando Gabriel por 29,5 milhões de euros e que, após 24 horas sem resposta, o negócio foi fechado.


Em carta, Santos admitiu dar prazo menor para Barça decidir sobre Gabigol
Comentários Comente

Perrone

 

O blog teve acesso à carta que o Santos enviou no último dia 29 para o Barcelona avisando sobre a proposta da Internazionale de Milão pelo atacante Gabriel. No documento, assinado por três dirigentes, incluindo o presidente Modesto Roma Júnior, o clube brasileiro reconhece que deu menos tempo para o Barça decidir se igualava a oferta do que estabelecido em contrato firmado na venda de Neymar em 2013.

O comunicado gerou novo atrito entre as duas equipes. Ele começa com o Santos explicando que de acordo com o Contrato de Colaboração em Matéria de Futebol de Base e Reconhecimento de Direitos Sobre Jogadores, concede ao Barcelona a opção de preferência pela quantia de 29,5 milhões de euros à vista.

“De acordo com a referida parte 4 (do acordo), o Barcelona teria um período de três dias uteis para exercer sua preferência. Contudo, o Santos FC recebeu a oferta de um terceiro clube ontem, 28 de agosto, e, como o Barcelona está completamente ciente, qualquer transferência para a Europa precisa ser completada não depois de 31 de agosto. Numa situação tão urgente, nós gentilmente pedimos para o Barcelona se manifestar até o dia 30 às 5h (no horário de Santos) ou 10h (no horário de Barcelona). Por favor, apesar de o Santos estar ansioso por receber sua pronta resposta para essa carta, no caso de nenhuma resposta ser recebida até o prazo fixado acima, a falta de resposta será considerada renúncia aos direitos de preferência”, diz trecho do documento que dá um prazo menor do que estabelecido em contrato para o Barça se decidir.

Além disso, na data em que o Santos afirma ter recebido a oferta (a Inter não é citada na carta), Gabigol já tinha ido para Itália, feito exames médicos, tirado foto segurando a camisa da nova equipe e voltado para o Brasil para fazer sua despedida na Vila Belmiro justamente no dia em que o documento foi enviado ao Barça.

Os espanhóis usam esses fatos para alegar que seu direito de preferência não foi respeitado. Estudam uma ação na justiça para pedir de volta 3,2 milhões de euros que pagaram pela prioridade em três jogadores da base santista além de uma indenização. Eles responderam ao Santos no dia seguinte afirmando que precisavam conhecer detalhes da proposta para tomar uma decisão e aconselhando o clube brasileiro a não realizar a transferência para evitar que o acordo de preferência fosse ferido.

Por sua vez, o presidente do Santos disse ao blog que propostas oficiais só chegam após a realização do exame médico e que foi o caso em relação a Gabigol.

Abaixo leia na íntegra reprodução da carta em inglês.

Reprodução


Venda de Gabigol gera novo atrito entre Barcelona e Santos
Comentários Comente

Perrone

A venda do atacante Gabriel para a Internazionale de Milão colocou novamente Santos e Barcelona em rota de colisão. O problema acontece porque o clube espanhol entende que não foi respeitado de maneira adequada o seu direito de igualar propostas por Gabigol.

Na última segunda-feira, um dia depois de o jogador se despedir da torcida na Vila Belmiro após ter retornado da Itália, onde fez exames médicos a pedido da Inter, o Barcelona recebeu um comunicado do Santos sobre a negociação. A mensagem dizia que a equipe italiana havia feito uma oferta que totalizava gastos de 29,9 milhões de euros, mas não detalhava como esses valores seriam empregados. No documento, o clube paulista também pediu uma resposta com urgência pois na quarta-feira seguinte se encerraria a janela de transferências para a Europa.

O Barça enviou sua resposta um dia depois, na terça, afirmando que para decidir se exerceria sua preferência precisaria conhecer detalhes da proposta italiana para saber, por exemplo, exatamente quanto custariam os direitos econômicos do jogador. Os espanhóis também lembraram que por contratato tinham três dias após serem comunicados da oferta para tomar uma decisão. Sendo assim, sugeriram que o Santos não realizasse a venda para não atropelar seu direito. A janela se fecharia um dia antes de acabar o prazo para a resposta catalã.

Ao blog, Modesto Roma Júnior, presidente do Santos, afirmou que a proposta oficial da Inter só chegou no último domingo, por isso o Barcelona foi avisado na segunda-feira.

Questionado sobre qual o motivo para Gabigol ter viajado na quinta, 25 de agosto, para a Itália, se o Santos ainda não tinha em mãos a oferta oficial da Inter, Modesto disse que “as propostas oficiais só chegam depois que o jogador faz o exame médico.”

 Irritada com a situação, a diretoria do Barcelona estuda entrar na Justiça para pedir de volta os 3,2 milhões de euros que pagou quando comprou Neymar para ter a prioridade em futuras negociações envolvendo Gabigol, Victor Andrade e Giva. Os catalães também analisam se podem pedir uma indenização. Victor e Giva deixaram o Santos sem despertar o interesse do Barça. Para engrossar sua argumentação, o Barcelona pretende usar o fato de Gabigol ter viajado para Itália e posado segurando uma camisa da Inter e ter se despedido da torcida santista antes de os espanhóis serem avisados.

“O Barcelona que faça o que quiser. Não se esqueça que eles entenderam que não deviam pagar para o Santos 2 milhões de euros previstos em contrato”, disse Modesto. O dirigente se referiu ao bônus que seu clube tinha direito pela indicação de Neymar entre os três jogadores que disputariam o prêmio de melhor jogador do mundo da Fifa.

Em dezembro do ano passado, o Barça enviou carta ao Santos dizendo que não pagaria essa quantia porque a atual diretoria santista contesta na Fifa os valores pagos pelos espanhóis na negociação por Neymar. Assim, entendiam que o time brasileiro não poderia reivindicar um valor previsto em acordo que ele não considera legítimo.

Ao responder sobre a situação de Gabigol, a direção do Barcelona aproveitou para cutucar o Santos se dizendo satisfeita com o fato de o clube brasileiro reconhecer o contrato firmado na venda de Neymar, uma vez que admitiu a preferência dada ao Barça em relação a Gabriel.


Mesmo com preferência, Barcelona não se anima com Gabigol
Comentários Comente

Perrone

O Barcelona não está disposto a se valer da vantagem que tem de igualar proposta que o Santos aceite por Gabigol. Antes de chegar à Vila Belmiro oferta oficial de 20 milhões de euros feita pela Juventus, como revelou o blog, a avaliação do clube catalão era de que no momento não seria interessante fazer um investimento com valor semelhante na promessa santista.

Esse benefício foi adquirido quando o Barça comprou Neymar e fez um acordo em relação a jovens santistas, entre eles, Gabriel.

O Santos já se prepara para notificar o time espanhol, mas precisa se acertar com Gabigol para aceitar a proposta da Juventus, pois quer ficar com 18 milhões de euros, obrigando o jogador a aceitar 2 milhões de euros por seus 40%, mesma fatia que o alvinegro do litoral paulista tem nos direitos econômicos do jogador. Isso sem contar os 20% do grupo Doyen que estão em disputa na Justiça.

Se chegar a notificação sobre a proposta italiana, ela será avaliada em Barcelona, mas a tendência é de que não seja igualada.

Além de não se animar agora com o atacante do Santos, o Barça acenou estar fora da disputa pelo palmeirense Gabriel Jesus, que tem oferta de 32 milhões de euros do Manchester City, como mostrou o blog, e também interessa ao Manchester United.


Italianos ignoram renovação encaminhada de Gabigol. São quatro interessados
Comentários Comente

Perrone

Santos e Gabigol ajustam as últimas cláusulas para que o atacante assine seu novo contrato com o clube, porém times italianos ignoram a renovação. Além da Juventus, como mostrou o UOL Esporte, têm interesse no brasileiro Fiorentina, Inter de Milão e Napoli.

Modesto Roma Júnior diz que não recebeu nenhuma oferta oficial pelo jogador. Porém, o presidente santista ouviu do agente do atleta, Wagner Ribeiro, que apresentará uma oferta de 20 milhões de euros pela fatia de 40% dos direitos econômicos pertencentes ao clube. O cartola aceita vender Gabigol por esse valor, mas duvida que essa proposta seja oficializada.

Na Itália, dirigentes da Juventus falam nos bastidores que Gabigol é a segunda opção do clube para o ataque. Seria contratado se não der certo a negociação com Higuaín, do Napoli, que coloca Gabigol como uma de suas opções se perder o argentino.

Dirigentes da Fiorentina têm demonstrado forte interesse no Brasileiro. A Inter de Milão também está na lista, mas a preferência do clube é por Gabriel Jesus, palmeirense que flerta com o Barcelona.