Blog do Perrone

Arquivo : Brasileiro

Pior paulista no Brasileirão-16, SPFC foi o que mais investiu em reforços
Comentários Comente

Perrone

Em 2016, o São Paulo foi o último colocado entre os times paulistas na classificação do Campeonato Brasileiro com o décimo lugar. A posição destoa da condição de clube do Estado que mais gastou com contratações no ano passado.

Os balanços das agremiações referentes a 2016 mostram a liderança são-paulina no quesito custos de reforços apesar de o tricolor ter receita superior apenas em relação ao Santos.

O time do Morumbi registrou em R$ 89.373.000 o custo com aquisições de direitos econômicos de oito atletas. Campeão brasileiro, o Palmeiras anotou em R$ 87.397.000 essa despesa. O gasto do vice-campeão Santos foi bem menor: R$ 44.575.000. Já o Corinthians, que terminou o brasileiro em sétimo, colocou em seu balanço que a o custo com contratações e vendas de jogadores foi de R$ 69.937.000.

“Não dá pra fazer essa conta (de quanto o clube gastou) sem olhar as receitas que tivemos. Não fizemos nenhuma loucura. Só contratamos quando tínhamos entrada de dinheiro correspondente para cobrir os gastos”, disse Adilson Alves Martins, diretor financeiro do São Paulo.

De fato, a receita operacional bruta (sem desconto de impostos e encargos) do departamento de futebol foi superior aos custos dos reforços. Ela atingiu R$ 337.213.000. O valor, no entanto, é inferior às arrecadações brutas obtidas na mesma modalidade por Corinthians (R$ 458.295.000) e Palmeiras (R$ 410.618.000). O futebol santista apresentou receita bruta de R$ 254.985.000.

O gasto são-paulino com contratações foi puxado pela compra do zagueiro Maicon junto ao Porto. Ele está registrado no balanço em R$ 43.675.000. Quase a metade do total investido em reforços. “Mas o Porto se comprometeu a comprar dois jogadores da nossa base (Inácio e Luizão) pagando 3 milhões de euros por 50% de cada um. Então, na prática, não temos que pagar R$ 43,6 milhões”, disse o diretor financeiro do clube. Como mostrou o blog do Rodrigo Mattos, o São Paulo ainda precisa desembolsar cerca de R$ 15 milhões para quitar a compra do zagueiro.

Os direitos econômicos de Maicon foram comprados num momento crucial para o clube. O empréstimo dele vencia durante a disputa da Libertadores. Se a compra não fosse feita, o beque não poderia disputar as semifinais. Naquele momento, o jogador era tido como principal líder da equipe por torcida e dirigentes. Ele acabou expulso no primeiro jogo do mata-mata contra o Atlético Nacional (Colômbia). Na partida de volta, o São Paulo foi eliminado.

 


CBF decide fazer Conselho Técnico da Série A sem Lusa e com Flu
Comentários Comente

Perrone

A CBF decidiu convocar o Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro da Série A sem a presença da Portuguesa e com o Fluminense. O encontro será nesta quinta, no Rio, com o objetivo de discutir detalhes do campeonato.

A exclusão da Portuguesa contraria decisão da 42ª Vara Cível de São Paulo que devolve ao clube os quatro pontos retirados pelo STJD como punição pela escalação de Héverton, suspenso, na última rodada do Brasileiro do ano passado. O castigo rebaixou a Lusa.

Procurado pelo blog, Carlos Miguel Aidar, advogado da CBF, confirmou que a entidade decidiu chamar o Fluminense e deixar a Portuguesa de fora da reunião.

“Existe decisão no Rio que mantém o Fluminense na primeira divisão. E derrubamos três liminares que davam razão para a Portuguesa em São Paulo. Estamos trabalhando para derrubar as outras. Agora, temos que seguir uma decisão ou outra. A CBF não poderia chamar os dois porque a reunião teria 21 clubes para um campeonato de 20. Depois ela poderia ser considerada nula. A decisão da 42ª Vara de São Paulo é tão absurda que pune a CBF em R$ 500 mil por dia se ela cumprir o que manda a Justiça do Rio”, declarou Aidar.

Ele não vê risco de a confederação ser punida pela Justiça por não incluir a Portuguesa no conselho.

Em tese, o conselho pode discutir uma nova fórmula para o campeonato, a fim de acabar com o impasse.  O estatuto da CBF diz que ele tem, entre outras, a incumbência de fazer sugestões sobre a forma de disputa da competição. A entidade, no entanto, nega a possibilidade de virar a mesa para acomodar Lusa e Fluminense.

Segundo Aidar, a tabela do Nacional precisa ser divulgada até o dia 17 de fevereiro para não ferir o Estatuto do Torcedor.


Preocupado com clássicos diante de Corinthians e Palmeiras, Santos pede adiamento de jogo da Recopa
Comentários Comente

Perrone

O Santos pediu à Conmebol adiamento do primeiro jogo contra a Universidad de Chile pelo título da Recopa Sul-Americana, disputado em duas partidas. Ainda não obteve resposta.

 A diretoria do clube brasileiro está preocupada porque o jogo acontece no dia 22 de agosto, logo após o clássico contra o Corinthians pelo Brasileiro, no dia 19. E porque quando voltar do Chile o Santos terá pela frente outro clássico no retorno ao Nacional, dessa vez diante do Palmeiras.

 A intenção é deixar o time de Muricy Ramalho, que flerta com a zona de degola do Nacional, concentrado apenas nos duelos com seus rivais domésticos.

O adiamento também ajudaria a dar novo fôlego para Neymar após a Olimpíada.


Palmeiras se sente refém de bicho turbinado
Comentários Comente

Perrone

Há em parte dos cartolas do Palmeiras o sentimento de que o clube virou refém do bicho vitaminado dado aos jogadores na partida contra o Atlético-PR, que valeu uma vaga nas semifinais da Copa do Brasil.

A queixa é de que a equipe andou em campo contra o Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro, sem a premiação top. A avaliação é de que ficou mais caro motivar o time.

Diante do Atlético-PR, o bicho ficou entre R$ 15 mil e R$ 20 mil para cada jogador. A premiação no Brasileiro é mantida em sigilo, mas é certamente bem inferior em relação à quantia paga pela classificação às semifinais da Copa do Brasil.

Até agora, um bicho gordo no Palestra Itália ficava na casa dos R$ 5 mil por atleta. No Nacional, o time adota o sistema de pagamento por metas. Uma parte da premiação só é dada se objetivos estipulados pela diretoria forem alcançados.

O problema é que uma corrente no clube acredita que esse método deveria ter sido adotado também na Copa do Brasil, para não criar critérios diferentes. O abismo entre as duas premiações tornaria mais difícil a missão de estimular o elenco.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>