Blog do Perrone

Arquivo : Polícia Militar

MP e PM aprovam torcedor infiltrado em clássico de torcida única em SP
Comentários Comente

Perrone

Os clássicos de torcida única em São Paulo criaram uma legião de torcedores que vai ao estádio do adversário sem camisas de seu time e que torce em silêncio. Esses infiltrados estarão presentes nos dois clássicos entre são-paulinos e corintianos pelas semifinais do paulista, mas não preocupam as autoridades de segurança pública. Assim, não serão “caçados” pela Polícia Militar.

“Se percebemos que um torcedor está com a camisa do visitante escondida, ele não entra. Mas não podemos tirar do estádio quem comprou ingresso e não está criando problema. Se identificarmos visitantes que estão torcendo em silêncio, vamos dar atenção à proteção deles. Só vai ser convidado a se retirar quem criar tumulto ou tiver a sua segurança ameaçada pela torcida da casa”, afirmou o tenente-coronel Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior, do segundo batalhão de choque da Polícia Militar.

Por sua vez, o promotor Paulo Castilho, ferrenho defensor do modelo de torcida única, espera um grande número de corintianos neste domingo no Morumbi. “Chutando, acredito que de 15% a 20% do público vai ser formado por torcedores do Corinthians”, declarou ele.

Castilho também não se preocupa com os infiltrados. “Esse torcedor não é violento, não é desordeiro. Vai, assiste ao jogo em silêncio e volta para casa tranquilo. Não temos nada contra a presença dele nos estádios”, disse Castilho.

Tanto o tenente-coronel como o promotor descartam a ideia de as instituições nas quais trabalham concordarem em breve com a volta dos clássicos com duas torcidas. Eles apontam uma redução drástica na violência em jogos entre os principais rivais estaduais desde a implantação do modelo atual para justificar a decisão.


Opinião: caso de chilenos confirma reação tardia do Estado contra brigões
Comentários Comente

Perrone

O episódio envolvendo torcedores da Universidad de Chile presos em São Paulo confirma a reação das autoridades de segurança pública e justiça brasileiras na guerra contra a violência nos estádios. Porém, reafirma que por muito tempo o Estado foi inerte, pois tudo feito agora poderia ter sido realizado antes.

As prisões, o estabelecimento de fianças compatíveis com o ocorrido na Arena Corinthians e a exigência de que os torcedores não deixem o país até o fim do processo em que são acusados de crimes como lesão corporal, dano qualificado, causar tumulto e associação criminosa são recados duros para torcedores de outros países que vierem ao Brasil.

Mensagem semelhante já vinha sendo dada a membros de organizadas de torcidas do Brasil, que nos últimos tempos têm sido identificados e punidos como nunca.

Exemplos não faltam, como os dos corintianos presos após briga com a PM no Maracanã ou o dos são-paulinos que não podem chegar perto do CT do clube, invadido por eles, apesar de já estarem liberados para frequentar estádios.

Acusações de excesso de policiais militares, que não podem se comportar como torcedores violentos fardados e nem prender inocentes, sobram, de novo, como aconteceu no episódio dos alvinegros paulistas no Rio. Elas precisam ser investigadas com rigor, mas não mudam a sensação de que, enfim, desordeiros vão pensar duas vezes antes de promover arruaça e colocar em risco a segurança de quem só quer torcer por seu time.

Aos poucos, esses caras começam a entender que o que eles estranhamente chamam de romantismo (sair na porrada com rivais e policiais) é terror para quase todo mundo e cada vez mais vão passar vontade ou encarar a Justiça.

A clara sensação de melhora, porém, não cala a incômoda pergunta: por que não jogaram duro com os brigões antes?

 


Confusão na Arena Corinthians foi precedida por falha da PM em revista
Comentários Comente

Perrone

 A confusão entre torcedores da Universidad de Chile e policiais militares nesta quarta, na Arena Corinthians, foi precedida por falha da PM na revista dos torcedores das duas equipes, que entraram com muitos sinalizadores e, do lado chileno, pelo menos um rojão.

O blog presenciou caso de aparente negligência policial durante a revista de torcedor corintiano que entrava pelo setor sul. Ao verificar a mochila do alvinegro o policial identificou uma série de itens proibidos no estádio. “Isso não pode, isso não pode, isso é inflamável…”, afirmou o PM antes de citar o estatuto do torcedor, com número da lei e tudo, recomendando que o corintiano estudasse a legislação. Em seguida, ele perguntou se o rapaz tinha onde deixar o material vetado. Diante da resposta negativa, disse: “Então entra, agora vai lá e protesta contra a PM”. Ou seja, deu lição de moral no torcedor, mas foi negligente permitindo a entrada de objetos proibidos.

Porém, segundo o tenente-coronel Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior, do 2º Batalhão de Choque, responsável pelo policiamento nos estádios de São Paulo, o procedimento adotado pelo policial não pode ser considerado falho. “Somos mais rigorosos no setor das organizadas, nos outros (como na área Sul) temos que usar o bom senso. Por exemplo, não pode entrar no estádio com vidro de perfume, mas também não vamos obrigar uma mulher a jogar o perfume fora. Se o responsável pela revista avalia que não há risco, ele deixa entrar. Provavelmente, foi isso que aconteceu nessa revista”,  disse Gonzaga ao blog. Porém, ele considerou desnecessária a ironia do policial ao pedir para o torcedor fazer protesto contra a PM.

O episódio não tem relação com a barbárie provocada pelos fãs da La U, mas ajuda a entender como tantos sinalizadores, que não são permitidos, entraram na arena. Como mostrou o UOL Esporte, o confronto começou porque os chilenos se revoltaram com a apreensão de parte dos artefatos, acenderam outros e passaram a depredar cadeiras.

O tamanho da dificuldade da PM em revistar as torcidas pode ser mensurado nas imagens de instantes antes de o jogo começar, quando era possível ver uma nuvem de fumaça formada pelos sinalizadores, a maioria levada pelos corintianos. Pior, os chilenos acenderam um rojão na arquibancada.

Indagado sobre o assunto, Gonzaga enumerou uma série de fatores para explicar a grande quantidade de sinalizadores dentro da arena, negando existir falha da PM. “É difícil localizar os sinalizadores na revista porque eles são pequenos e podem ser escondidos nas vestes. Também há espaços na estrutura do estádio por onde eles passam (os artefatos). Os torcedores esperam os últimos 15 minutos antes do jogo, quando as filas são maiores, para tentar entrar com eles (artigos proibidos) escondidos. Se formos revistar as roupas de todos, as filas serão enormes, então precisamos ser seletivos. Nessas situações nos preocupamos com objetos maiores”, explicou o tenente-coronel.

Ele também diz que torcedores tem menos medo de punição ao clube na Copa Sul-Americana em relação ao Campeonato Paulista. “Vejo vontade dessas pessoas de afrontar o poder público e prejudicar o seu clube. Na Copa Sul-Americana, a quantidade de sinalizadores foi maior porque eles sabem que o cube só pode ser multado. No Paulista, ele têm medo da perda de mando de jogo”, declarou o policial militar.

No jogo desta quarta, visitantes foram hostis não só com os policiais, mas com a torcida da casa, arremessando na direção dos corintianos parte das cadeiras quebradas. Houve também provocação entre os seguidores dos dois clubes perto da divisão de espaço das torcidas.

A PM mostrou eficiência perto do fim do jogo, quando policiais entraram na arquibancada chilena e rapidamente, sem tumulto, retiraram de lá um torcedor que estavam procurando para deter.

O trabalho dos policiais na vitória corintiana por 2 a 0 pela Copa Sul-Americana foi enormemente dificultado pelos torcedores da La U, que brigam com a mesma disposição com que cantam. Sem dúvida, foi a maior pancadaria que este blogueiro presenciou na casa alvinegra.

 


Falhas na segurança e na acusação são apontadas por defesa de corintianos
Comentários Comente

Perrone

Falha na segurança durante o jogo e erro na acusação são apontados pela defesa da maioria dos corintianos presos no Rio após a briga com a Polícia Militar na partida com o Flamengo no Maracanã.

O entendimento é de que a Justiça errou ao acusar os torcedores de associação criminosa, pois não teria provas de que eles combinaram de ir para o Rio de Janeiro para praticar crimes, como agredir policiais.

A tese é de que a viagem foi com o intuito apenas de assistir ao jogo e que por alguns fatores houve a briga. O caso seria diferente do processo enfrentado por membros da Gaviões da Fiel pela morte de dois palmeirenses num confronto na Avenida Inajar de Souza, em 2012. Em relação ao conflito de quatro anos atrás a Justiça juntou provas de que os torcedores planejaram a briga com a intenção de matar rivais, pois chegaram até a passar a noite anterior à batalha reunidos e armados. Foram ao local exclusivamente para brigar.

Já no Maracanã os torcedores esperavam o início da partida quando começou uma troca de xingamentos com flamenguistas. Torcedores dos dois lados tentaram invadir a área da outra torcida se aproveitando do pequeno policiamento naquele setor. Quando os policiais militares, em número muito menor do que os corintianos, tentaram controlar a situação, foram agredidos. Assim, uma suposta falha na segurança teria criado a oportunidade para os brigões entrarem em ação de maneira espontânea e que não justifica a associação para o crime na opinião de sua defesa.

Há também uma tese inusitada defendida pelo menos por parte da defesa de que o pequeno número de policiais na divisa entre as duas torcidas foi proposital para que houvesse a briga. A ação faria parte de um grande complô para criar a oportunidade de incriminar as torcidas organizadas e conseguir acabar com elas, abrindo espaço para a presença de mais torcedores com maior poder aquisitivo nos estádios. Essa teoria, no entanto, não deve ser levada à Justiça.

A defesa dos corintianos também entende que a maioria dos presos não participou do conflito. Só quatro dos 31 detidos teriam brigado.

 


Para defesa, só quatro dos 31 corintianos presos brigaram com policiais
Comentários Comente

Perrone

Para a defesa da maioria dos 31 corintianos presos no Rio desde a briga com policiais militares no Maracanã, no último domingo, apenas quatro dos detidos estavam de fato envolvidos na confusão. Os outros teriam sido encarcerados sem provas concretas de suas participações.

Ao blog, integrante de umas das organizadas alvinegras afirmou saber de torcedores que saíram do estádio no intervalo após o confronto. Segundo ele, é praxe brigões levarem mais de uma roupa para os jogos a fim de dificultar a identificação em caso de briga.

A Polícia Civil de São Paulo já identificou pelos menos um corintiano que aparece em imagens de TV agredindo um policial militar, mas conseguiu sair do estádio.

Os advogados dos presos estão preparando documentos que comprovem residência fixa e emprego para pedir a liberdade provisória deles. Muitos não conseguiram fazer isso ainda, o que ajudou na decisão da Justiça de decretar a prisão preventiva.

Em seguida, durante o processo, a defesa vai trabalhar para provar individualmente a versão dos que alegam que não se envolveram no conflito.


Maracanã parecia presídio depois de rebelião ao final de Fla x Corinthians
Comentários Comente

Perrone

Policiais procuram membros de organizadas do Corinthians que agrediram PM

Policiais procuram membros de organizadas do Corinthians que agrediram PM

O Maracanã viveu uma tarde de tensão neste domingo, desde que flamenguistas e corintianos tentaram romper a divisão que separava as duas torcidas nas arquibancadas em episódio que culminou com a briga entre policiais e alvinegros.

Depois da briga, quando o jogo estava empatado em um gol, nova ação da PM aumentou o nervosismo entre os visitantes. Veio a ordem de um líder da Camisa 12: “tirem as bandeiras do bambu”. Imediatamente, os mastros foram apontados na direçāo dos policiais, como se fossem lanças, mas nāo chegaram a ser usados como armas. Houve correria e logo a situação se acalmou.

Então, começou a caçada dos policiais aos agressores de seus colegas. Todas as organizadas tiveram que sair da arquibancada e levar seus objetos para serem revistados no corredor do estádio.

Com fotos de vários torcedores nas telas dos celulares, os PMs checavam os rostos dos corintianos em rodas formadas no corredor para buscar os acusados, identificados antes em imagens de TV. “Machucaram um dos nossos companheiros mais gente boa. Não vamos bater em ninguém, vamos achar quem fez isso e prender. Já achamos um”, contava um dos policiais.

Ao final da partida, a caçada se intensificou. Mais de 45 minutos depois do fim do jogo, policiais atravessaram o corredor com um torcedor preso. Entraram com ele por uma porta na qual se lia a inscrição: “área restrita”. Então, deu para ouvir o que parecia o som de pancadas. Não foram ouvidos gemidos e nem gritos. Pouco depois, apenas um policial saiu de lá e foi cumprimentado por colegas.

Por volta das 20 horas, um PM gritou: “todas as mulheres podem sair, só as mulheres”. Torcedoras integrantes de organizadas passaram pelo portão e aguardaram os homens na rampa que leva à saída do estádio.

Do lado de dentro, todos os torcedores identificados como membros de organizadas foram amontoados perto de uma parede. Os policiais separaram dois deles, que ficaram sentados no chão. Daí veio a ordem para que o grupo tirasse a camisa e voltasse para a arquibancada.

Quem ficou no corredor teve dificuldade para sair, mesmo sem pertencer as uniformizadas. “Mostrem a chave do carro”, dizia um dos policiais que controlava a saída para torcedores que suspeitava serem membros de caravanas das

 organizadas tentando escapar da operação.

Quem voltou para arquibancada mandava mensagem para amigos pedindo ajuda e para a imprensa ser informada do que estava acontecendo.

Às 21h30, já fora do estádio, o blog recebeu a mensagem de um membro da Gaviões da Fiel que estava em São Paulo, mas tinha amigos e parentes no Maracanã informando que os torcedores estavam no ônibus, iniciando a viagem de volta. Contou, porém que havia gente machucada. Assim, parecia terminar mais um domingo de horrores no futebol brasileiro.


Arena Corinthians tem tumulto com PM e torcedor acusado de tráfico
Comentários Comente

Perrone

No primeiro jogo do Corinthians com o setor de sua arena destinado para as torcidas organizadas do clube interditado pelo STJD houve tumulto entre torcedores e policiais militares na área sul, para onde membros de uniformizadas foram remanejados.

A confusão aconteceu no intervalo da partida com o Fluminense, neste domingo, perto do banheiro masculino. Segundo o tentente-coronel Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior, do 2º Batalhão de Choque, houve no local um flagrante de tráfico de drogas. “Um torcedor foi preso vendendo cocaína no banheiro. Ele estava com 30 papelotes, uma quantidade considerável”, afirmou o policial ao blog. O tenente-coronel disse não ter o nome do acusado no momento da entrevista.

Durante a ação, houve correria e torcedores que estavam perto do banheiro reclamaram de terem sido agredidos sem motivo pela PM com golpes de cassetete. “Teve uma tentativa de fuga e isso pode ter provocado um pequeno entrevero”, declarou Gonzaga.

Pouco depois da confusão, o blog presenciou um torcedor sendo preso sob a acusação de desacato à autoridade. “Quem é você pra me mandar tomar no c… Você não é trabalhador, trabalhador sai de casa para trabalhar, não pra me mandar tomar no c…”, dizia o policial para o homem detido. O PM chegou a desferir uma cabeçada que não atingiu seu desafeto.

A diretoria do Corinthians informou a seus sócios-torcedores que conseguiu junto ao STJD a liberação parcial do setor norte para o confronto com o Cruzeiro, na próxima quarta pela Copa do Brasil. Porém, o clube segue proibido de vender bilhetes para Gaviões da Fiel e Estopim da Fiel.


Corinthians diz que já reparou área da arena interditada pelo STJD
Comentários Comente

Perrone

Até as 22h35 desta terça o Corinthians não tinha sido notificado sobre a interdição do setor norte de sua arena pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça), de acordo com Rogério Mollica, diretor de negócios jurídicos do clube. No entendimento dele, a punição só deve começar a valer a partir de domingo, no jogo contra o Fluminense, pelo Brasileirão, estando a área liberada para a partida desta quarta diante do mesmo adversário, pela Copa do Brasil.

Por sua vez, Lúcio Blanco, responsável pela operação do estádio, afirmou ao blog que o reparo no local danificado pela briga entre membros de organizadas e a Polícia Militar no clássico com o Palmeiras, sábado passado, já foi feito A decisão do STJD diz que a interdição deverá ser mantida até que o clube comprove que a área está em condições de segurança e com os devidos consertos das partes quebradas na confusão.

“Nada foi quebrado, a única coisa que aconteceu foi uma grade chutada. Ela é revestida de lona plástica, sendo que essa lona foi furada. Isso já foi reparado, e avisei nosso departamento jurídico”, disse Blanco.

Ele calcula em 6.000 ingressos a média de bilhetes vendidos no setor norte com um preço médio de R$ 30. Por essa conta, se o fechamento for mantido, a arena deixará de arrecadar cerca de 180.000 por jogo com interdição.

Além de ter negociado tíquetes dessa área para as partidas desta quarta e do próximo domingo, o clube já vendeu pacotes para o segundo turno inteiro. A venda foi disponibilizada também para membros de organizadas que fazem parte do programa de sócio-torcedor do clube.


PM vê risco de confronto no Allianz Parque igual ao que ocorreu no Morumbi
Comentários Comente

Perrone

A Polícia Militar de São Paulo ligou o sinal de alerta em relação ao entorno do Allianz Parque. Para o comando do 2º Batalhão de Choque, responsável pela segurança nos estádios da capital, há riscos de um confronto entre torcedores e policiais semelhante ao que ocorreu do lado de fora do Morumbi na última quarta-feira após a vitória do Atlético Nacional por 2 a 0 sobre o São Paulo pela Libertadores.

“Já venho alertando para os riscos em volta do Allianz Parque. Qualquer dia, se houver um embate lá, será tão terrível quanto esse do Morumbi porque a munição que a torcida tem à disposição é absurda em virtude da não fiscalização por parte da Prefeitura”, disse ao blog o tenente-coronel Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior, do 2º Batalhão de Choque.

As munições mencionadas por ele são garrafas de cerveja comercializadas por ambulantes sem autorização para vender a bebida.

De acordo com o tentente-coronel, na partida do Palmeiras contra o Figueirense pelo Brasileirão já ocorreram atritos entre torcedores e ambulantes em volta do Allianz, palco de Palmeiras x Santos nesta terça apenas com torcedores do time da casa. “Cinco fiscais foram parar no hospital em virtude de agressões de torcedores. Parece que os ambulantes eram ligados à Mancha [Alviverde]”, declarou o policial militar.

O blog não conseguiu entrar em contato com a direção da principal torcida organizada palmeirense para falar sobre o assunto. A assessoria de imprensa localizada informou que cuida apenas da escola de samba da Mancha.

Além de cobrar da Prefeitura uma melhor fiscalização, Oliveira diz que, se a ação dos ambulantes tivesse sido coibida com eficiência no Morumbi, teria sido menor o número de policiais militares feridos na batalha com são-paulinos. Foram 15 integrantes da Polícia Militar machucados. A maioria foi atingida por garrafadas.

Abaixo, leia nota enviada pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura ao ser questionada sobre as cobranças da PM.

“O policiamento de grandes eventos esportivos na cidade de São Paulo é atribuição da Polícia Militar. A fiscalização do comércio irregular no entorno dos estádios mencionados é de responsabilidade das respectivas Subprefeituras, sob proteção da Guarda Civil Metropolitana (GCM). Em função da presença de torcidas organizadas e da enorme repercussão que uma ação para inibir o comércio irregular pode promover junto ao público, as ações das subprefeituras com apoio da GCM estão sendo redimensionadas”.


Independente x PM. As duas versões da guerra
Comentários Comente

Perrone

O que aconteceu para que o entorno do Morumbi virasse palco de cenas de horror após a vitória do Atlético Nacional, da Colômbia, por 2 a 0 sobre o São Paulo pela Libertadores na última quarta?

Para Henrique Gomes, presidente da Independente, principal uniformizada são-paulina, a PM se comporta como uma torcida organizada, e esse comportamento agressivo foi o estopim para a confusão. Se foi briga premeditada, então a PM perdeu de 15 a 1 em número de feridos, diz o tenente-coronel Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior, do 2º Batalhão de Choque, responsável pelo policiamento nos estádios paulistas ao negar que os policiais tenham procurado encrenca.

Leia as explicações deles dadas em conversas individuais por telefone.

 Blog – O que motivou os distúrbios do lado de fora do Morumbi?

Baby – Em primeiro lugar, o que motivou é que todo jogo a gente vai receber o time lá embaixo (no portão de entrada) só que dessa vez a gente chegou mais cedo e foi abordado pelo policiamento. Falaram que era pra gente se afastar e que quando o time chegasse as grades voltariam de novo pra perto do ônibus. Afastei o pessoal, faltando 20 minutos para o ônibus chegar, falei com o batalhão. Ele simplesmente falou que não iriam aproximar porra nenhuma, que quem manda lá são eles, que eles gostam de briga, que jogo cheio assim é legal e que demorou. Eu comuniquei o comandante. Daí deu nisso aí.

Tenente-coronel – O procedimento de segurança que a gente usa na chegada das delegações é de não deixar a torcida muito perto mesmo porque é complicado. Isso já foi conversado, estão dando uma desculpa pra tentarem justificar o que fizeram. A diretoria do São Paulo vive pedindo pra gente para que o ônibus pare e desembarque ali na praça e que a delegação passe pela torcida. Isso é um absurdo, uma irresponsabilidade, porque um jogador pode ser atingido por uma garrafa, um rojão.

Baby – Vou deixar bem claro pra vocês aí, mano, a Polícia Militar de São Paulo, hoje, o 2º Batalhão de Choque, ela é uma torcida organizada que se esconde atrás de uma farda. Incita a violência a todo minuto e a todo momento. Eles são pagos pelo São Paulo para garantir a segurança nos jogos, mas já chegam revoltados, no puro ódio, discriminando, falando pra você que hoje é dia de porrada. Então, vai fazer o que? Eles prometeram desde o começo.

Tenente-coronel – Eles (integrantes da Independente) têm que arrumar uma desculpa. O policial veio pra brigar? Então o placar tá 15 a 1 pra eles porque eu tenho 15 policiais machucados, e só um torcedor foi preso machucado. Um tomou uma pancada de cassetete e se machucou, fez uma marca nas costas. Tenho policial que tomou 30 pontos na perna, além das queimaduras de rojão. Tenho policial que tomou 20 pontos no braço, policial que tomou sete pontos na boca e perdeu dente da frente, é lesão corporal grave. Ele tomou uma garrafada. Eles (torcedores organizados) estão ganhando então nessa conta. A gente não estava lá pra brigar, estava pra reestabelecer a ordem e deixar o torcedor comum ir embora. Não usamos gás lacrimogêneo para dispersá-los porque a gente atingiria o torcedor comum. Só usei nas ruas paralelas, onde estava havendo confronto. Sempre procuramos preservar o torcedor comum, agora, o torcedor que quer o embate, a gente tenta reestabelecer a ordem. E não queremos ficar brigando com eles, queremos dispersá-los.

 Baby – Pode colocar também que o maior culpado é o senhor [promotor] Paulo Castilho  porque colocou torcida única no Estado de São Paulo e proibiu entrada de material, de faixas, isso favoreceu a quem? Aos maus torcedores, aqueles que se infiltram sem camiseta, que você não tem controle. Acaba beneficiando o que aconteceu.

Paulo Castilho – Eu já tinha falado que as torcidas organizadas iriam aprontar pra falar que a torcida única não funciona. Torcida única foi uma das medidas tentando coibir violência entres as torcidas organizadas. Mas não é de hoje que existe briga entre torcedores do mesmo time. Estão querendo dar ênfase a isso pra dizer que a torcida única não resolve o problema. Quem não tem argumento fala qualquer coisa. Falar até papagaio fala.

Blog – Lendo as redes sociais, a impressão que temos é de que a confusão começou porque membros de organizadas estavam com raiva dos torcedores que só aparecem nos jogos de Libertadores e que são chamados de modinhas. Não foi isso que aconteceu?

Baby – Discordo. Não posso falar com certeza o que aconteceu do lado de fora porque eu estava dentro do estádio. A Independente ficou até o final do jogo e quando acabou a gente não conseguiu sair porque os portões estavam fechados. Não é um problema nosso quatro, cinco mil torcedores do lado de fora que não conseguem ingresso. Teve uma situação, o pessoal começou a hostilizar quem estava saindo, aí pé frio, trocavam ofensas, mas foi coisa mínima, não foi pra gerar o que gerou do policiamento com a torcida. O pessoal de fora estava revoltado, acho, porque não conseguiu ingresso e o pessoal de dentro saindo com 2 a 0. Isso é emocional da partida. Mas a Independente respeita toda a torcida do São Paulo, não faz divisão de A,B ou C e repudia o que aconteceu do lado de fora. Mas a rivalidade começou antes de começar o jogo entre a PM e a torcida. Eles prometeram o jogo inteiro arrumar confusão.

BlogTeve arrastão?

Baby – Quer que eu te fale? [O ator] Henri Castelli estave com nós na hora de receber o time, e roubaram o celular dele. Estava com camisa da torcida e boné e foi roubado. Pra quem não sabe, em grandes jogos, virada cultural, eventos, existe uma quadrilha especializada em furtos. Não é problema nosso, é do Estado. Ao redor do Morumbi também tem muito assalto. Querer dizer que foi a torcida organizada que roubou, pelo amor de Deus.

Tenente-coronel – Só ver as imagens das câmeras de segurança do São Paulo. Elas são bem claras. Enquanto o torcedor comum tá saindo do estádio, eles (membros de organizadas) cometem um verdadeiro arrastão. Agridem e tomam tudo das pessoas que estão saindo do estádio. Eles atacaram todo mundo. Num primeiro momento, atacaram os vendedores ambulantes. Depois atacaram os torcedores. No ataque aos ambulantes, eles estão com a cara limpa. Quando começam a atacar o torcedor comum, eles colocam camiseta no rosto. A imagem da câmera do Morumbi é de longe, não dá pra fazer identificação.  Mas eu, como oficial do choque, estou aqui há 23 anos, nunca vi um negócio daqueles acontecer. Eles atavam indiscriminadamente atacando qualquer torcedor que estava saindo, tomavam carteira, celulares, e assim por diante. Até chegar nosso policiamento. Daí partiram pra cima da gente.

Blog -Torcedoras relataram terem sido assediadas (clique aqui e leia no Blog do Menon). O que houve?

Baby – Assédio, assédio do que? Quem foi a pessoa, fez o que? Elas fizeram B.O.? Tem reconhecimento? Sabem quem foi? É o que?

Coronel – Isso eu não vi, não posso falar.