PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

Política e medo de torcida paulista ajudam Fortaleza e BH na Copa

Perrone

20/10/2011 15h28

O rascunho da tabela da Copa de 2014 foi impregnado pelas digitais de Ricardo Texieira. A escolha dos locais dos jogos agrada a amigos e aliados do cartola, além de se encaixar no que ele considera ser o melhor para a seleção brasileira.

Teixeira e até alguns integrantes da comissão técnica temem a pressão da torcida paulista, que tem um histórico de impaciência e vaias direcionadas ao time nacional. Por isso, a abertura em São Paulo sempre foi considerada um risco de início com o pé esquerdo.

Já que tornou-se inevitável fazer o jogo inaugural em solo paulistano, tratou-se de diminuir as chances de a equipe jogar um mata-mata diante da torcida considerada a mais exigente do país.

O Comitê Organizador Local, então, uniu o útil ao agradável. Deixou o caminho aberto para a seleção fazer a semifinal em Belo Horizonte. É a terra do parceiro de Teixeira e presidenciável Aécio Neves. O Brasil só joga de novo em São Paulo se ficar no segundo lugar na primeira fase.

O medo da torcida paulista também bombou Fortaleza, que vai ter dois jogos da seleção, um na primeira fase e outro nas quartas ou nas oitavas, se a equipe nacional não cair prematuramente.

 A escolha colocará a seleção no colo da torcida do nordeste, considerada a mais calorosa. A decisão certamente também é comemorada por Ciro Gomes, amigo do peito de Ricardo Teixeira e irmão do governador cearense, Cid Gomes. Fortaleza é território eleitoral de Ciro.

Depois de casar com a atriz Patrícia Pilar, Ciro estreitou suas relações com Teixeira. Passou a frequentar as rodas de artistas globais no Rio. Nelas, uma figura fácil é Rodrigo Paiva, homem de confiança do presidente da CBF e que namorava a atriz Maitê Proença.

O cartola também se dá bem com outro clã cearense: os Jereissati.

Mesmo tendo a presença garantida da seleção apenas uma vez, São Paulo também carrega os vestígios da política de Teixeira. Afinal, a Arena Corinthians nasceu de uma briga do dirigente com o são-paulino Juvenal Juvêncio.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone