PUBLICIDADE
Topo

Perrone

Salário de Wesley e eternos problemas de Valdivia minam vestiário palmeirense

Perrone

03/04/2012 06h00

Dirigentes e parte da comissão técnica do Palmeiras sentem que o clima azedou no vestiário do time, invicto no Campeonato Paulista até perder o clássico para o Corinthians.

De acordo com essa análise, Wesley e Valdivia são os protagonistas da mudança de humor no elenco. Cartolas e integrantes da comissão acreditam que há no grupo jogadores olhando torto para os dois.

O problema com Wesley seria o fato de ele chegar ganhando cerca de R$ 220 mil mensais livres de impostos. Mais do que quem já estava roendo o osso no clube, menos do que seu currículo recente sugere e muito para um time com dificuldades financeiras (o último pagamento a Felipão atrasou).

 Há o receio de que os colegas do volante não queiram correr pelo colega por acharem seu salário injusto.

Já em relação a Valdivia, a insatisfação com a sequência de lesões é notada por cartolas no grupo e na própria comissão técnica. Seus críticos dizem que quando está bem de saúde ele não rende o suficiente para justificar os altos salários. E que não se cuida como deveria fora de campo.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.