PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

São Paulo segue cinco passos dados pelo Palmeiras na volta à Série B

Perrone

26/07/2013 06h00

A um ponto da zona de rebaixamento do Brasileiro, o São Paulo segue pelo menos cinco passos dados pelo Palmeiras em 2012, ano em que selou sua volta para a Série B:

1 – Jogadores caros que não rendem

O Palmeiras sofreu, com Valdivia, principalmente, e Wesley, como o São Paulo sofre hoje com Luis Fabiano, Ganso e Lúcio.

2 – Técnico x jogadores

Felipão, que deixou o Palmeiras antes da queda, atingia jogadores ao cobrar melhores reforços. Foi assim quando disse em entrevista coletiva "não venham passar para a torcida que eu contratei Juquinha. Tem de assumir essa merda".  No São Paulo, pouco antes de ser demitido, Ney Franco disparou contra os jogadores. "Não posso ir lá dar um passe. Tem que ser dividido isso. É só ver o tanto de erros de passe que o time cometeu", afirmou após derrota para o Corinthians.

3 – Diretor x jogador

No Palmeiras, Valdivia vivia se estranhando com o presidente Arnaldo Tirone e o vice de futebol, Roberto Frizzo. Tanto que chegou a desabafar em entrevista: "É difícil você engolir do presidente uma crítica sobre sua vida pessoal. Você pesquisa na internet e o próprio presidente, o diretor está ofendendo". No São Paulo atual, Adalberto Baptista não gostou de ouvir Rogério dizer que o clube parou no tempo, e criticou o goleiro. A partir daí enfrentou um processo de fritura e acabou deixando o cargo nesta quinta.

4 – Brigas no clube

Pancadarias viraram rotina nos finais de semana na sede do Palmeiras enquanto o time rumava para a Série B. No último domingo, um churrasco no São Paulo teve um barraco protagonizado pelo presidente Juvenal Juvêncio e relatos de agressões a três sócios por homens com camisas da torcida organizada Independente.

5 – Clima eleitoral

Enquanto o Palmeiras tentava se livrar do rebaixamento, a política do clube fervia por conta da eleição que ocorreria no início do ano seguinte. Os ataques respingavam no departamento de futebol. A próxima eleição no São Paulo acontece só em abril de 2014, mas as campanhas já estão na rua. Juvenal se divide entre administrar a crise do time e a guerra eleitoral.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone