Blog do Perrone

‘Fico’ de Cuca mantém impasse na situação de Felipe Melo

Perrone

A declaração de Cuca sobre ficar no Palmeiras ''até o fim'', dada após a derrota para a Chapecoense, no último domingo (20), mantém o impasse na situação do volante Felipe Melo. Membro do estafe do jogador afirma ter recebido sinalização na semana passada de que o treinador poderia deixar o clube e o jogador ser reintegrado imediatamente. Oficialmente, no entanto, a diretoria palmeirense nunca admitiu a possibilidade de saída do técnico.

Havia entre conselheiros do clube a expectativa de que o técnico pedisse demissão em caso de novo resultado negativo, o que Cuca contrariou após a partida no Allianz Parque.

O estafe de Melo, afastado pelo técnico, deixou claro para o Palmeiras não ter interesse em atrelar a situação do jogador ao futuro do treinador, buscando uma solução independente. Mas, como não houve solução para o imbróglio, a eventual saída do comandante provavelmente culminaria com a reintegração do volante.

Com Cuca mostrando interesse em ficar e nenhum sinal público da diretoria alviverde em demitir o técnico, a semana começa para Melo na mesma. Ele segue separado dos demais e sem acordo fechado para sua saída.

O desejo do jogador é receber pelo menos parte do dinheiro a que teria direito até o final de seu contrato, em 2019, para rescindir o compromisso amigavelmente. Caso isso não aconteça, ele pode entrar na Justiça do trabalho para pedir a rescisão e o pagamento de tudo o que tem a receber. Alegaria que o clube descumpriu o contrato e o assediou moralmente ao não deixar o volante treinar com os companheiros. A alegação é a de que ele não tem recebido as mesmas condições para trabalhar que os colegas.

Por sua vez, o Palmeiras nega ter cometido irregularidades.

Quanto mais tempo o jogador treina separadamente dos colegas, em tese, ele tem mais argumentos para alegar o assédio moral. Isso porque a Justiça leva em repetição da conduta por parte do empregador.