Blog do Perrone

Pagamento de comissão em venda de Jô vira alvo de oposição corintiana

Perrone

A venda de Jô para o Nagoya Grampus, do Japão, se transformou em vidraça do grupo situacionista durante a campanha eleitoral corintiana. Candidatos de oposição atiram pedras principalmente por causa dos R$ 9,6 milhões em comissões pagos a dois empresários.

Um dos agentes é Giuliano Bertolucci, influente internacionalmente e amigo de longa data de Andrés Sanchez, candidato da situação à presidência no pleito marcado para 3 de fevereiro.

Jô foi vendido por cerca de R$ 32 milhões. Ou seja, o clube pagou aos agentes comissão de 30% e ainda se responsabilizou pelo pagamento de impostos. Normalmente, os intermediários são remunerados com 10% do valor da negociação.

Bertolucci, parceiro de Kia Joorabchian em muitas negociações e também amigo de Andrés, ficou com R$ 6,4 milhões na operação.

''Se for verdade 30% (de comissão), é uma vergonha. Parece mais pagamento de outra coisa que não comissão'', disse ao blog Felipe Ezabella, candidato à presidência e ex-integrante do grupo político de Andrés.

''O Corinthians não precisa de intermediário para vender o artilheiro do Campeonato Brasileiro. Não é um jogador desconhecido. Ganhando a eleição, vou pegar os contratos e investigar. Temos lei que protege o clube contra gestão temerária, o Profut. Pagar comissão exorbitante e desnecessária é gestão temerária'', declarou Romeu Tuma Júnior, também candidato à presidência.

Ao UOL Esporte por meio da assessoria de imprensa do Corinthians, o presidente Roberto de Andrade disse que não gostaria de comentar sobre os valores da transferência. Andrés Sanchez não pôde ser ouvido porque não fala com o blog. Paulo Garcia, candidato à presidência, não respondeu à mensagem enviada pelo blog sobre o assunto.