Blog do Perrone

Nova administração planeja uso diário para Arena Corinthians render mais

Perrone

Um dos idealizadores do projeto de marketing da Arena Corinthians, ao lado de Luis Paulo Rosenberg, Caio Campos volta ao clube tendo entre suas missões ajudar o estádio a se tornar mais rentável. Ele atuará como funcionário do departamento de marketing, tanto na arena como no clube em geral, incluindo o futebol.

Ao blog, Campos afirmou que, junto com Rosenberg, de volta ao posto de diretor de marketing do alvinegro, pretende dar um uso diário à casa corintiana para melhorar sua arrecadação. A dificuldade em gerar receitas para pagar a dívida pela construção do local é um dos principais problemas do estádio.

''O corintiano tem que se sentir em casa na arena. Isso no sentido de que ele precisa ir mais vezes lá, não só no dia do jogo. Mas pra isso, ele precisa ter o que fazer na arena'', afirmou Caio. Entre as possibilidades está a abertura de lojas em espaços atualmente ociosos. Outra meta é colocar em funcionamento o restaurante projetado, mas nunca ocupado.

Campos deixou o Corinthians e, consequentemente a arena, em 2014, após atuar nas gestões de Andrés Sanchez e Mário Gobbi. Por causa do tempo afastado, disse que não pode falar sobre os motivos que fizeram o marketing do estádio não decolar. ''Entreguei o projeto e saí. Primeiro precisamos saber o que foi feito na arena, qual a estrutura, como ele funciona para depois podermos analisar'', contou Campos.

Antes de aceitar o convite de Andrés e Rosenberg para voltar ao clube, ele atuava como diretor da Kappa. A empresa italiana de material esportivo é representada no Brasil pela SPR, que controla a franquia de lojas oficiais do Corinthians. O contrato com a agremiação é criticado por conselheiros que o consideram lesivo ao clube.

O escudeiro de Rosenberg também deve atuar com ele na tentativa de formalizar um acordo com a Caixa Econômica. O novo diretor passou a tarde da última segunda reunido com representantes do banco discutindo uma solução para as dificuldades do clube em pagar o financiamento de R$ 400 milhões feito junto ao BNDES por intermédio da Caixa, que pode executar garantidas de pagamento dadas na operação. O cartola saiu do encontro otimista, vendo avanço nas tratativas.