Topo
Blog do Perrone

Blog do Perrone

Categorias

Histórico

Opinião: por que o Palmeiras gasta alto e não consegue bater o Corinthians?

Perrone

2025-02-20T18:10:45

25/02/2018 10h45

Desde novembro de 2017, quando amargou a terceira derrota seguida para o Corinthians, o Palmeiras se reforçou com mais nomes de peso, como Lucas Lima, Gustavo Scarpa e Marcos Rocha. Já o rival sofreu duros golpes nas saídas de Pablo, Guilherme Arana e Jô. E teve que se contentar com contratações mais modestas. Juninho Capixaba, Júnior Dutra e Renê Júnior, por exemplo. Mesmo com investimento verde maior para a temporada, o primeiro clássico do ano entre as duas equipes terminou do mesmo jeito que os três anteriores: com o alvinegro vencendo.

E por que, de novo, a gastança palmeirense (desta vez maior com salários e luvas do que em compra de direitos econômicos) não foi suficiente para ganhar o dérbi? Na opinião deste blogueiro, principalmente por causa das constantes mudanças estruturais sofridas pelo alviverde nos últimos tempos. Na quadra de derrotas para os corintianos (três como visitante), os palestrinos foram comandados por quatro técnicos diferentes: Eduardo Baptista, Cuca, Alberto Valentim (interino) e Roger Machado. As vitórias alvinegras acabaram saboreadas pelo mesmo comandante. No banco sempre esteve Fábio Carille.

A vitória do Corinthians por 2 a 0 no último sábado ilustra bem  a desvantagem palmeirense por conta da rotina de troca de treinadores. Apesar da derrota, a campanha do time de Roger no Paulista é excelente, mas ele está apenas em seu segundo mês no comando da equipe, ainda conhecendo o elenco.

Já Carille segura a prancheta alvinegra desde o final de 2016, mas começou a atuar na comissão técnica da equipe em 2011. Assim, enquanto Roger ainda está conhecendo clube e elenco, que também se adapta ao treinador, o corintiano sabe onde pisa. A ambientação do ex-auxiliar alvinegro foi fundamental, por exemplo, para ele superar a ausência de um centroavante no clássico. Seu conhecimento do elenco e o entendimento dos jogadores em relação ao que ele quer facilitaram o sucesso do esquema com dois volantes e quatro jogadores mais à frente. O sistema é o mesmo utilizado por Tite em parte da conquista da Libertadores de 2012. Carille era auxiliar do treinador na ocasião.

O tempo de casa dá facilidade ao técnico para encontrar soluções como esta. E para acertar em improvisações iguais à de Maycon na lateral esquerda.

Os 29 passes trocados antes do gol de Rodriguinho no clássico também resultaram da afinidade entre treinador e jogadores. O fato de o alvinegro ter tido 55,9% de posse de bola contra 44,1% do rival também passa por aí.

Quem chega para vestir a camisa corintiana já encontra uma estrutura de jogo montada e atletas afinados com o técnico. A adaptação tende a ser mais suave, ainda que a campanha neste estadual seja irregular. Já do lado verde, os reforços são praticamente tão frescos no clube quanto o treinador, o sistema de jogo e suas variações.

Obviamente que Roger precisa de tempo para atingir a mesma sintonia com o grupo alviverde. A diretoria palestrina crê que o elenco passou por mudanças necessárias até aqui. E que a partir deste ano elas serão menores. As contratações de 2018 foram chamadas de pontuais ou de oportunidades de mercado. E é preciso que seja assim para que o time consiga tirar essa desvantagem em relação ao seu principal adversário.

Borja também é importante para explicar porque a gastança palmeirense não se reflete neste momento no confronto com seu maior rival. Ele serve para o Palmeiras refletir se, com a ajuda da Crefisa, não pagou mais do que alguns atletas valem. O atacante de aproximadamente R$ 33 milhões só acertou uma finalização no jogo e errou duas, segundo números do Footstats. Ele foi o palmeirense que mais vezes perdeu a bola: 5.

Para completar, falar da arbitragem como fator decisivo na última derrota no clássico parece desculpa esfarrapada. Jailson deveria ficar constrangido ao dizer que não fez pênalti em Renê Júnior. A altura atingida por sua chuteira encerra a discussão, tingida com o sangue do colega de profissão. A demora na marcação não muda o acerto dela.

Os jogadores do Palmeiras também deveriam forçar a memória antes de dizerem que sempre são prejudicados pela arbitragem em Itaquera. Afinal, faz só cerca de um ano que Gabriel foi expulso erradamente no lugar de Maycon num clássico pelo Paulista na Zona Leste, o primeiro da sequência de quatro triunfos corintianos.

A nova vitória mosqueteira se deve muito mais ao que aconteceu nos dois clubes nas últimas temporadas do que a noventa e tantos minutos de arbitragem.

 

 

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Mais Blog do Perrone