Blog do Perrone

Palmeiras defende afastamento preventivo de chefe dos árbitros na FPF

Perrone

A diretoria do Palmeiras estranha o fato de Dionísio Roberto Domingos, diretor de arbitragem da Federação Paulista de Futebol, não ter sido afastado preventivamente de seu cargo enquanto o TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) analisa acusação contra ele. O alviverde alega que o ex-juiz teve influência direta na anulação do pênalti a favor da equipe no segundo jogo da final do Paulista contra o Corinthians.

A tese palmeirense é de que o dirigente deveria ser afastado para se concentrar em sua defesa. Ao mesmo tempo, a federação daria uma demonstração de isenção, segundo essa linha de raciocínio.

O Palmeiras pede no TJD a impugnação da final alegando que houve interferência externa na decisão da arbitragem, configurando irregularidade. A acusação é sustentada por um vídeo em que o diretor de arbitragem aparece em volta do campo e aparentemente se comunica com um dos membros da equipe de arbitragem. Para a direção alviverde, neste momento, ele sugeriu a anulação da marcação.

A simples presença de Domingos no local já é apontada pelos palmeirenses como irregularidade.

Por sua vez, a FPF emitiu nota afirmando que como responsável pela avaliação da arbitragem o diretor estava legitimado para permanecer no entorno do gramado. A entidade também afirma que o vídeo exibido pelo clube não prova que houve interferência externa.

Domingos nega que tenha dado orientação para o pênalti ser anulado. Ele sustenta que se aproximou por estar preocupado com a confusão gerada pela pressão de jogadores sobre juiz e assistentes.

Além de defender que o diretor de arbitragem já estivesse afastado temporariamente, o Palmeiras cobra a federação uma ''reavaliação criteriosa'' de quem dirige o departamento de árbitros da entidade.