Topo
Blog do Perrone

Blog do Perrone

Categorias

Histórico

Estafe de Neymar repete roteiro de 2017 ao negar desejo de mudança

Perrone

2011-07-20T19:04:00

11/07/2019 04h00

Negar até o fim, mesmo diante de uma avalanche de evidências em outra direção. Assim agiu o estafe de Neymar em 2017 durante a novela que terminou com sua transferência do Barcelona para o PSG. Agora, os responsáveis por cuidar profissionalmente dele usam discurso semelhante nos bastidores para negar que o brasileiro está fazendo o caminho de volta. Isso apesar de todos os indícios de seu desejo em retornar para a Catalunha.

Enquanto a imprensa mundial noticiava que Neymar estava arrumando as malas para Paris, seu estafe ridicularizava as notícias. Afirmava que ele estava satisfeito no Barça e que não tinha interesse em sair. Outro argumento era de que o Paris Saint-Germain não teria como gastar 222 milhões de euros sem ter problemas com as regras de fair-play financeiro.

O discurso é semelhante agora. O estafe do jogador afirma que ele não tem motivos para deixar o PSG e até que o Barcelona não tem condições financeiras para contratá-lo. Como em 2017, critica os meios de comunicação que noticiam o possível retorno.

Nem a ausência do brasileiro na volta do time parisiense aos trabalhos foi aceita como evidência de que ele quer deixar Paris. Com tranquilidade, seu estafe afirmou que foi combinado com o clube que ele voltaria apenas dia 15 por ter evento internacional anual em seu instituto e que seu empregador havia sido informado sobre isso. O comunicado do PSG anunciando que o brasileiro faltou e que medidas apropriadas seriam tomadas foi minimizado.

Nem o fato de o ex-jogador Leonardo, dirigente da agremiação francesa, falar abertamente que o Barcelona manteve contatos superficiais por Neymar fez os responsáveis pela carreira do atleta mudarem seu discurso.

Tudo muito semelhante ao roteiro de quando o jogador rumou da Espanha para Paris. Naquela ocasião, em meio as negativas, de repente, veio a confirmação oficial da transferência. A diferença agora parece ser apenas o fato de não existir uma multa contratual fixada com antecedência para facilitar a saída. A situação é mais complexa e a tendência é que se arraste em meio a desmentidos do pessoal de Neymar.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Mais Blog do Perrone