Topo
Blog do Perrone

Blog do Perrone

Categorias

Histórico

Opinião: Rogério paga preço por aposta arriscada no Cruzeiro

Perrone

26/09/2019 18h58

Rogério Ceni foi ousado quando decidiu trocar o Fortaleza, clube no qual já era ídolo, pelo Cruzeiro, em crise dentro e fora de campo. Nada contra a ousadia do treinador. Cada um decide se deve ou não ser ousado ao planejar sua carreira. Não existe fórmula de sucesso. Só que nesse caso estava claro o alto risco. Não deu outra: demissão em menos de dois meses.

Os sinais de vida dura para o ex-goleiro eram evidentes. A começar pela missão de afastar um time grande da zona de rebaixamento. Pegar um time montado por outro treinador com características diferentes das suas não costuma ajudar quem precisa de resultados rápidos. A situação fica mais crítica enquanto a diretoria enfrenta uma grave crise política e não pode se concentrar apenas no salvamento da equipe.

Para piorar, Rogério nunca foi considerado um cara de relacionamento fácil. Desde os tempos de jogador, seu alto nível de exigência e suas posições firmes tornaram a convivência com colegas complicadas algumas vezes. Todo mundo sabia que ele treinaria medalhões no Cruzeiro. O risco de choque com pelo menos um de seus comandados era evidente. E aconteceu com Thiago Neves, inicialmente.

Fragilizada politicamente, era de se esperar que a diretoria não tivesse peito para bancar o treinador diante da aparente insatisfação de alguns atletas. O desfecho mais óbvio aconteceu com o anúncio da demissão do técnico.

Ceni poderia ter ficado tocando sua vida no Fortaleza, mas apostou alto no Cruzeiro. Fez um investimento de risco e perdeu. É do jogo. Ele não deve ser crucificado pela escolha. Críticas devem ser direcionadas à diretoria cruzeirense, que toma a decisão amadora de demitir um profissional com tão pouco tempo de casa. Mas não dá para negar que, ao tentar avançar algumas casas, Rogério deu passos para trás.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Mais Blog do Perrone