Topo
Blog do Perrone

Blog do Perrone

Categorias

Histórico

'Concorrente' detido: Globo diz ser contra liberdade de trabalho ferida

Perrone

20/11/2019 20h16

Com Napoleão de Almeida, colaboração para o UOL, em São Paulo

Procurado pelo blog, o departamento de comunicação da Globo negou ligação com o episódio em que um repórter da Rádio de Transamérica de Curitiba acabou detido pela Polícia Militar após acusação de gravar vídeo ferindo regras estipuladas pela CBF para Série B  do Campeonato Brasileiro durante jogo em Santa Catarina, na última terça (19).  A nota enviada por e-mail também afirma que a rede de televisão é contrária a medidas que ferem a liberdade profissional de jornalistas. Os direitos de transmissão para Criciúma 1 x 1 Paraná Clube pertenciam ao Grupo Globo através de SporTV e Premiere. Ou seja, o envolvido no imbróglio não trabalha para uma empresa que podia registrar imagens das partidas.

"Não tivemos envolvimento com o ocorrido, só soubemos do que aconteceu pela cobertura da imprensa sobre o caso. Somos contra qualquer ação que tire a liberdade de jornalistas fazerem seu trabalho", diz a nota assinada pela comunicação da Globo.

O repórter Jairo Silva Júnior foi conduzido pela PM para uma sala do estádio Heriberto Hülse, teve seus celulares apreendidos e assinou um termo circunstanciado depois, de segundo ele, filmar atitude truculenta da Polícia Militar contra diretor do Paraná  no final do empate em Criciúma.

Em seu comunicado o departamento de comunicação da Globo não respondeu se o contrato de transmissão obriga a CBF a retirar de campo quem esteja gravando imagens, ainda que não sejam da partida, quais medidas toma em casos como esse e se vai se apresentar às autoridades como parte interessada.

Relatório do delegado da CBF no jogo, Emerson Lodetti, confirma a versão de que a confusão com Junior teve origem na proibição de imagens serem gravadas por integrantes de veículos que não compraram os direitos da competição.

O documento aponta que a encrenca começou quando o policiamento foi acionado para tirar da entrada do acesso aos vestiários o jogador Rodolfo, do Paraná, que havia sido expulso e teria se recusado a deixar o local. O delegado da CBF afirma ter sido informado pelo supervisor de imprensa da Federação Catarinense, Robson Cechinel, que o diretor do Paraná Alex Brasil estava junto ao atleta e também se recusou a sair de lá. Novamente, os policiais foram acionados.

Ainda pela versão escrita no relatório sobre a partida, neste momento, Júnior e Irapitan Costa, assessor de imprensa do Paraná, passaram a filmar a ação policial. "O repórter, ao ser informado pelo supervisor de que não poderia fazer as filmagens, (o) que é proibido devido as diretrizes técnicas da competição, agiu de forma agressiva com o supervisor com a polícia fazendo a intervenção do ato. Devido aos fatos os celulares do assessor de imprensa do Paraná Clube e do repórter da Transamérica foram apreendidos, com ambos prestando depoimentos. Vale ressaltar que em nenhum momento a polícia usou de violência com os envolvidos. Informo que todas as informações do ocorrido como diretor, assessor e repórter foram passadas a mim pelo supervisor de protocolo, sr. Robson Cechinel", relatou o delegado da CBF.

A diretriz técnica da confederação para a Série B, no entanto, não cita a apreensão de celulares, algo que, evidentemente, a entidade não poderia determinar. Em seu artigo 36, o documento diz que é "vedado aos radialistas toda e qualquer produção de imagens sejam com câmeras ou celulares." O artigo que trata das sanções aponta que o descumprimento das diretrizes "implicará na suspensão do credenciamento do profissional para o entorno do gramado, podendo o veículo solicitar a sua substituição". Determina ainda que, em caso de reincidência, haverá suspensão do credenciamento do veículo para o entorno do gramado.

O departamento de comunicação da CBF declarou que a entidade não prende ninguém, nem pode e nem quer prender. Afirmou ainda que o supervisor de imprensa foi escolhido pela Federação Catarinense e que ele pode pedir, eventualmente, ajuda da polícia para retirar do gramado alguém que é reincidente em fazer algo que é vetado, ressaltando que isso não é o mesmo do que levar uma pessoa presa.

Por sua vez, a Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina argumentou que os celulares foram apreendidos, segundo o comandante do policiamento, porque o policial entendeu que os aparelhos possuem provas que poderiam auxiliar o juiz na audiência sobre o caso e que serão liberados depois de utilizados.

Em áudio enviado à reportagem, Júnior negou que tenha reagido de forma agressiva. "O supervisor tentou usar da autoridade dele pra fazer algo que era completamente fácil de ser resolvido", declarou o jornalista. Também segundo sua versão, os policiais agiram de maneira truculência com o diretor do Paraná.

"Eu instintivamente tentei fazer o registro jornalístico, em nenhum momento virei a câmera para o campo, em nenhum momento filmei ou fotografei o jogo, os jogadores, tentei fazer o registro jornalístico da ação policial". O repórter ainda argumenta que o supervisor de imprensa da federação catarinense tentou tirar o celular da sua mão de uma maneira "um pouco mais brusca". "Ele falou: 'o senhor não pode filmar e fotografar aqui no entorno do campo'. Eu falei pra ele: 'tudo bem, mas o você não tem nenhum direito de tentar tomar o celular da minha mão. Coloca no seu relatório e a CBF vai me punir"', relatou o repórter.

Depois disso, de acordo com a versão de Júnior, o supervisor chamou a polícia para retirá-lo. Ele foi levado para uma sala na qual ficou até assinar o termo circunstanciado e no dia 19 de fevereiro de 2020 terá que participar de uma audiência sobre o caso. Repórter e a Rádio Transamérica estudam como vão agir juridicamente.

 

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone