PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Ataque, experiência e apoio da velha guarda ajudaram Luxa a ganhar vaga

Perrone

16/12/2019 04h00

Assim que Maurício Galiotte chegou à conclusão de que deveria demitir Mano Menezes, o presidente do Palmeiras e seus diretores mais próximos avaliaram que o time precisava de um treinador experiente e com traquejo para lidar com medalhões, características ostentadas por Jorge Sampaoli. Outra análise era sobre a necessidade de resgatar o que os cartolas chamam de "DNA" ofensivo da agremiação. O gosto pelo ataque se perdeu, na opinião desses dirigentes, com técnicos como Felipão, Cuca e Mano Menezes.

Na lista para o perfil ideal também estava ter a simpatia da torcida. Mano enfrentou resistência desde que chegou. Parte dos torcedores vinculava a imagem dele ao rival Corinthians, clube no qual teve passagem vitoriosa.

Olhando cada item, os cartolas alviverdes logo viram que Jorge Sampaoli preenchia esses requisitos. A ofensividade costuma ser a essência de suas equipes. Especialmente por ter treinado as seleções  de Chile e Argentina, o trabalho com medalhões faz parte do currículo do ex-santista. Ele já teve até Messi sob seu comando.

Apesar de não ter vínculo com o Palmeiras, é fácil perceber a simpatia da maioria dos torcedores brasileiros pelo trabalho de Sampaoli, principalmente graças ao estilo ofensivo. Logo a conclusão foi de que o argentino deveria ser o primeiro alvo. Mas já existia uma quedinha por Vanderlei Luxemburgo. Não deu certo com Sampaoli. Então, uma nova olhada na lista de características desejadas para o posto de técnico fortaleceu o ex-vascaíno.

Porém, havia uma ala no clube que queria Miguel Angél Ramírez. O treinador do Independiente del Valle passou no teste da ofensividade e chegou a ganhar ares de favorito. No entanto, o espanhol de 35 anos está em começo de carreira. Nesse quesito perdeu pontos em relação a Luxemburgo, de 67 anos e dono de um dos currículos mais extensos e vitoriosos do futebol brasileiro. Vanderlei também levou vantagem na comparação por ter trabalhado com inúmeros medalhões, muitos deles no alviverde e até no Real Madrid.

Galiotte, que já via com simpatia a ideia de trazer o ex-técnico do Vasco, foi encorajado por pessoas próximas com outros argumentos que remetem ao perfil traçado inicialmente para o substituto de Mano Menezes. Além da experiência, Luxa é famoso por montar times ofensivos. Fez isso no próprio alviverde. Nesse ponto ganhou força o argumento de que ele é capaz de fazer florescer novamente a ofensividade palmeirense.

Conselheiros que trabalharam com Luxemburgo em passagens antigas pelo clube também ajudaram na decisão. A velha guarda falou maravilhas do técnico, ainda que às vezes fosse feita a ressalva de que "ele precisa estar focado".

Os troféus levantados por Luxa como treinador do Palmeiras sustentam uma relação de carinho com a torcida. Porém, nas redes sociais, parcela significativa dos palmeirenses demonstrou rejeição ao retorno dele.

Nesse aspecto, Galiotte chegou a ouvir o argumento de que a opinião pública foi importante para a decisão de demitir Mano e Alexandre Mattos porque a pressão era enorme para isso. Mas que o presidente deveria se preocupar menos no momento da contratação porque nenhum nome seria unanimidade na torcida e no conselho. Por fim, Luxemburgo foi contratado.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone