Topo
Blog do Perrone

Blog do Perrone

Categorias

Histórico

Até crise do Cruzeiro vira munição contra Mattos no Palmeiras

Perrone

01/12/2019 10h17

"O Alexandre Mattos quebrou o Cruzeiro e vai quebrar o Palmeiras". Esse é o discurso adotado insistentemente por críticos do diretor executivo de futebol do Palmeiras. Na última sexta (29), o slogan da campanha pela demissão do cartola remunerado foi alimentado por entrevista de Zezé Perrella, gestor de futebol cruzeirense, na qual ele creditou a crise do clube a gestões passadas.

"Quebraram o Cruzeiro para ser Campeão Brasileiro! É essa cultura que temos que recuperar. O presidente Wagner (Pires de Sá) quando assumiu, foi pelo mesmo caminho tentando ser campeão a qualquer custo. Dia 8, quando o campeonato acabar, vou soltar um balanço e quero que todos saibam a situação real do Cruzeiro. Não estou aqui disposto a quebrar com o Cruzeiro não, mas eu estou fazendo o que posso", afirmou o ex-presidente cruzeirense em sua entrevista coletiva.

Imediatamente, conselheiros e até gente que integra a diretoria do Palmeiras passaram a usar as declarações como comprovação de tese de que Mattos é tóxico para as finanças alviverdes. Os detratores do cartola associam o histórico dos dois clubes. Com Mattos como dirigente, ambos conquistaram dois títulos brasileiros cada e fizeram uma série de contratações caras.

Atualmente, o Cruzeiro enfrenta sérios problemas financeiros e não consegue pagar salários de jogadores em dia. Já o alviverde viveu nos últimos anos época de vacas gordas, principalmente por conta do forte patrocínio da Crefisa. Porém, este ano, a agremiação registra deficit até aqui, não levantou taças e depende da venda de jogadores para não fechar o ano no vermelho. Os salários continuam sendo pagos em dia.

Nesse cenário, os críticos apertaram ainda mais o botão da pressão sobre o dirigente remunerado assim que souberam das palavras de Perrella. Porém, o cartola cruzeirense não chegou a citar Mattos. O link é feito porque ele era o executivo de futebol do clube de BH nas conquistas do Brasileiro.

Mattos não concedeu entrevista ao blog. Quem o defende, entre outros argumentos, diz que o ataque de Perrella foi político, direcionado a outros dirigentes, como Bruno Vicintin, ex-vice de futebol do Cruzeiro e que teve seu nome pronunciado durante as críticas do cartola cruzeirense. Na defesa do executivo palmeirense também aparece o registro de que ele está no alviverde desde 2015. Ou seja, saiu faz tempo da agremiação mineira, assim, não poderia ser responsabilizado pelo que acontece lá agora.

Por sua vez, Vicintin divulgou uma carta aberta para rebater as declarações dadas por Perrella na entrevista coletiva. Abaixo, leia na íntegra a resposta do ex-dirigente do Cruzeiro.

"Entendo o desespero do ex-presidente Zezé Perrella. Ele aproveitou a oportunidade para tentar desviar o foco me atacando, mas vamos aos fatos:
Zezé Perrella estava fora do clube e as coisas andavam bem dentro do possível. Ao término do seu mandato como senador, sem qualquer força política, voltou ao clube por debaixo dos panos e quando teve que assumir e colocar a cara, imaginou que iria ser o salvador da pátria. Entretanto, as coisas ficaram ainda piores agora. E em uma tentativa insana vem me acusar. De quê?
Quando saiu em 2011, entregou um Cruzeiro a um ponto da zona de rebaixamento. Com muito trabalho e dedicação, de muita gente séria e que tem amor verdadeiro ao Cruzeiro, o clube foi bicampeão brasileiro, fato esse que ele não consegue engolir.
Do time que foi entregue da diretoria da qual fiz parte, para a atual gestão, o único que ganhou o título brasileiro de 2013, como titular, foi o goleiro Fábio.  Do time que conquistou a Copa do Brasil no ano passado, contra o Corinthians, dos 11 titulares, 10 atletas que jogaram a final foram deixados por nossa administração.
Ele faz ilações de que tenho seis procurações de jogadores da base, mas isso é mera desinformação. Atualmente eu represento muito mais de seis atletas no clube, porque eu tenho uma empresa aberta de representação, empresa com CNPJ, registrada na CBF e que paga todos os seus impostos. Eu sou um investidor no futebol. De de cara limpa e todos sabem disso, porque é fato público.
Existe um exemplo muito claro nesse sentido: no Atlético-MG, nosso maior adversário, um ex-presidente montou um fundo de investimentos e opera no futebol. Tudo dentro da lei e com muita responsabilidade.
Para deixar ainda mais claro, são mais de 100 jogadores representados por minha empresa em 19 clubes brasileiros
Mas quero fazer um desafio ao Zezé Perrella e seu fiel seguidor, Itair Machado: que eles me acompanhem na Receita Federal, para que lá possamos abrir nossas contas pessoais e que eles apresentem as verdadeiras contas pelas quais são responsáveis nos dois últimos anos no Cruzeiro.
Eu fui dirigente no Cruzeiro Esporete Clube por seis anos e jamais tive qualquer responsabilidade pela parte financeira. E sei que eles passaram os últimos dois anos, entre desculpas e fracassos, procurando alguma coisa do período em que estive no departamento de futebol. É óbvio que não acharam absolutamente nada, ou alguém tem alguma dúvida de que se tivesse algo, já teriam colocado na imprensa?
Esse é um sinal de evidente do desespero do Zezé Perrella. Lamento muito por envolver o Cruzeiro, clube que amo e que lutei pra torná-lo maior, mesmo com limitações nas minhas funções. Mas o fato é que, em dois anos, esse pessoal conseguiu destruir tudo que estava sendo feito, por conta de muita incompetência e extrema vaidade.
A título de comparação, do time que entrou em campo ontem e foi derrotado pelo CSA, na 35ª rodada do campeonato brasileiro, todos os jogadores ou foram trazidos pela atual administração ou, se da minha época, tiveram seus contratos renovados também pela atual gestão, o que determina que foram escolhas deste pessoal.
É interessante como Zezé Perrella não cita nessa entrevista coletiva seu parceiro e antecessor, Itair Machado, responsável direto pela formação do atual elenco. Nem sequer comenta sobre seu filho, Gustavo Perrella, que esteve trabalhando para essa gestão – em algo que nem se sabe o que, afinal, transparência não é com eles.
A verdade pura e cristalina é que a conta chegou para esse pessoal.
O Zezé Perrella usou o Cruzeiro para atingir seus objetivos, usou o Clube e o tamanho de nossa torcida para alcançar projeção política e isso é inegável. Até por ser um cidadão que, antes do Cruzeiro, não tinha nenhuma expressão.
Quero fazer mais uma lembrança: o Zezé Perrella foi presidente do Conselho na gestão do Wagner Pires, tinha obrigação de fiscalizar e não apresentou nada, agora pela pressão do atual momento vem querer acusar a gestão anterior. Estou faz dois anos completamente afastado do Cruzeiro, não frequento o Clube e até pelas divergências, eu não queria atrapalhar. Mas ele e seus parceiros não me esquecem.
Esse momento do Cruzeiro é bastante delicado e todos deveriam pensar apenas no Clube, porém, infelizmente esse pessoal prefere sangrar ainda mais o Cruzeiro. É preciso registrar da forma correta: foram eles que tiraram o clube das manchetes esportivas e o colocou o Cruziero Esporte Clube nas páginas policiais."

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone