PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

SPFC rejeitou 20% dos direitos de atacante para atrapalhar Corinthians

Perrone

18/01/2020 12h22

Com José Eduardo Martins, do UOL, em São Paulo

Para desestimular outros jogadores a tentarem sair do clube de graça, o São Paulo recusou oferta do Corinthians para ficar com 20% dos direitos econômicos de Léo Natel. A decisão também teve como objetivo dificultar a montagem do elenco corintiano.

O presidente do alvinegro, Andrés Sanchez, não ofereceu dinheiro para obter a liberação imediata do atacante. Porém, pretendia deixar essa porcentagem com o São Paulo para poder contar com o atleta imediatamente.

De acordo com duas fontes ouvidas pelo blog, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, presidente são-paulino, afirmou que quem cuidaria do caso seria Alexandre Pássaro, seu gerente executivo de futebol. Mas o Corinthians não chegou a receber a resposta.

No São Paulo a versão é diferente. O relato é de que a decisão foi tomada por Leco e comunicada ao Corinthians.

Na avaliação da direção do São Paulo, Natel e seu empresário articulam há tempos a ida para o Corinthians com o menor gasto possível. A estratégia seria esperar o fim do contrato e sair de graça. Nesses casos os atletas costumam conseguir luvas maiores.

Assim, os cartolas tricolores entenderam que a melhor opção seria manter o jogador até o final de seu contrato. O compromisso termina no fim de junho. Dessa forma, concretizando a contratação, o alvinegro não poderia usar o atacante no Campeonato Paulista e nas fases preliminares da Libertadores. Pesou para a decisão o fato de os corintianos estarem em busca de um atacante de beirada característica ostentada por Natel.

Ao mesmo tempo, a diretoria do São Paulo entendeu que aceitar uma porcentagem dos direitos econômicos para antecipar a saída do jogador sem dinheiro na operação seria premiar quem não quer prejudicar o clube saindo de graça.

Seguindo essa linha de raciocínio, os cartolas entendem que a não liberação imediata de Natel serve como exemplo para desencorajar outros atletas que pensem em tomar atitude semelhante.

O São Paulo calcula que gastará entre R$ 30 mil e R$ 40 mil para manter Natel até o fim de seu contrato sem utilizá-lo.

A avaliação é de que vale o gasto para dificultar os planos de um rival e enviar recado a seus demais jogadores.

Outro ponto é de que é uma incógnita quanto valerão os 20% do jogador no futuro.

No entorno do atacante porém, a teoria de uma conspiração de longa data para que ele se transferisse para o Corinthians de graça é refutada.

O discurso é de que, em maio do ano passado, o São Paulo chegou a aceitar vendê-lo para o Apoel, time do Chipre que o atleta defendeu por empréstimo, por 900 mil euros (cerca de R$ 4,1 milhōes em valores atuais) e 20% do valor de uma futura negociação, mas desistiu do negócio. Já a diretoria tricolor alega que topou a venda e que o atleta não aceitou a transferência.

De acordo com o stafe de Natel, o São Paulo também recusou uma oferta do Ludogorets, da Bulgária, de 1,2 milhão de euros (aproximadamente R$ 5,5 milhōes) por 90% dos direitos econômicos. Seriam 800 mil euros à vista e 400 mil euros pagos em um ano.

No Morumbi, no entanto, a explicação é de que esa oferta nunca chegou oficialmente. E que, se chegasse, seria inferior à proposta feita pelo Apoel.

Isso porque o Benfica tem 30%.dos direitos econômicos do jogador, segundo o clube tricolor. Os 70% relativos à parte do São Paulo significariam 840 mil euros, além de uma porcentagem menor numa futura venda em relação à oferta do clube do Chipre.

Já o Videoton, da Hungria, ofereceu 1,2 milhão de euros por Natel, mas a negociação também não vingou. Não houve acerto entre Benfica, São Paulo, jogador e seu empresário.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone