PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

'Volta do futebol no Brasil agora é absurdo completo' diz Nicolelis

Perrone

18/06/2020 04h00

Em entrevista ao blog, o médico e cientista Miguel Nicolelis, renomado internacionalmente, classificou como absurdo o início de retomada do futebol brasileiro. O campeonato carioca tem partida marcada para esta quinta (18). Um dos coordenadores do comitê científico do Nordeste para o combate à covid-19, ele também fala dos riscos de contaminação ao se realizar um jogo ao lado de um hospital de campanha, como deve acontecer no Maracanã.

Como o senhor analisa os fatos de Grêmio e Internacional já estarem treinando em Porto Alegre, o Campeonato Carioca ter volta marcada para esta quinta e os times de São Paulo estarem  querendo voltar a treinar na próxima segunda (após a entrevista o Governo do Estado anunciou que os treinamentos serão retomados em 1º de julho) num momento em que a pandemia ainda é crítica no país?

Basicamente, o diagnóstico geral da pergunta é que é um completo absurdo absurdo trazer de volta o futebol nessas circunstâncias. Independentemente do fato de o tempo das epidemias em São Paulo, Rio e Porto Alegre serem diferentes, não (é hora de voltar), é um completo absurdo. Vai colocar em risco não só os atletas, mas também as famílias dos respectivos jogadores e membros das comissões técnicas. E vai colocar em risco pessoas com quem essas famílias eventualmente vão entrar em contato. Os jogadores também, porque eu imagino que a imprensa vai cobrir os jogos, os jogadores vão dar entrevistas, vão estar cercados e, essas pessoas, jornalistas, comentaristas, gandulas, juízes, enfim… Parece um número pequeno, porque eu imagino que eles não vão abrir os estádios, porque só faltaria abrir os estádios, porque aí, então, poderia decretar a loucura total, a insanidade completa, mas… Veja, São Paulo está batendo recordes ainda. Tanto de casos como de óbitos, apesar de que alguém anunciou que tinha tido uma redução em duas semanas de três casos, isso não existe, não é estatisticamente significativo, não tem redução nenhuma. As pessoas estão tentando dourar a pílula de todas as maneiras possíveis, mas quem trabalha com estatística, como eu e minha equipe, há 40 anos, não consegue entender esses raciocínios. É como se você estivesse fazendo engenharia reversa. Você quer abrir de qualquer jeito, então, você busca justificativa nos parâmetros, na forma de administrar os parâmetros, na forma de olhar as curvas, faz malabarismos matemáticos, entendeu? E futebol é a menor das nossas prioridades nesse momento. E futebol eu equacionaria, por exemplo, com alguns lugares em que estão abrindo igrejas e cultos religiosos. E falando assim "nós só vamos colocar 30% das pessoas que cabem na igreja. E aí eu pergunto, isso aqui é o Brasil, não é a Suíça: "quem vai investigar isso?" Ninguém, né? Nós sabemos. Então, o futebol, Porto Alegre, eu olhei especialmente para falar com você, a curva que era até poucas semanas uma curva bem baixa, realmente, ela começou a subir. A região Sul, tem um "delay" de tempo em relação as regiões Nordeste e Sudeste mais ou menos de um mês. Só que lá está 10 graus. Os casos de síndrome respiratória aguda grave estão subindo. Os caos de covid estão subindo agora, Curitba começou a subir. No Sul inteiro começou a subir. Então, me perdoe a ênfase, mas eu não vejo sentido. Veja quanto tempo levou a Alemanha para voltar com o futebol. A Espanha está voltando agora com "La Liga", talvez no limite da racionabilidade, e a Itália também está voltando.

Isso que assusta. Os outros, quando voltaram, já tinham reduzido bem o número de casos. A gente não conseguiu controlar a situação e quer voltar com o futebol.

Exato. Veja o Rio de Janeiro, eu vi o Antero (Greco, jornalista) falar uma coisa sensacional, o Maracanã vai ter jogo do lado de hospital de campanha, será que os caras não sabem que no entorno de hospitais você tem aerossol de vírus circulando? Foi onde um monte de gente na China pegou. Nos Estados Unidos, em Nova York, também. Em volta das entradas das salas de emergência tem aerossol de vírus no ar, tá? E você vai fazer um jogo de futebol do lado? Vai ter gente comemorando gol do lado de onde tem gente morrendo? Que país é esse? Quando essa notícia sair lá fora, o nome do Brasil que já está na lama vai ficar pior ainda. É incompatível com a condição humana fazer um entretenimento ao lado de onde tem gente morrendo. Dizer que estou pasmo é pouco, não encontro adjetivo para classificar. Nem os romanos fizeram isso. Colocar o Coliseu do lado de um hospital de campanha onde as pessoas estão morrendo.  Imagina uma foto tirada do alto, dos caras jogando bola, e do lado esquerdo tem um rabecão saindo com corpos do hospital de campanha do Rio de Janeiro. Quem quer que seja que decidiu isso, não poderia estar na posição para decidir isso.

Então, podemos dizer que o caso de maior risco talvez seja o do Maracanã?

Não pode ter jogo no Maracanã, imagine. Aliás, não pode ter jogo em lugar nenhum do Rio de Janeiro. Veja o que está acontecendo na cidade. A cidade do Rio de Janeiro nunca fez isolamento de verdade.

Quem voltar a jogar agora estará desprotegido, então.

Veja, não são só as pessoas que vão entrar no jogo, é quem essas pessoas vão ter contato no trajeto para o jogo, de volta para casa. Será que os jogadores de futebol vão realmente saber fazer o manejo das roupas? Vão fazer todo o processo que precisam fazer nas suas casas? Esses jogadores de futebol não vão colocar em risco só suas famílias, vão colocar em risco todo mundo que trabalha com eles, preparador físico… Se tiverem pessoas trabalhando na casa deles. Você sabe como é um vestiário de time de futebol. Não são só jogadores que ficam lá, tem segurança, tem médico, preparador físico, roupeiro, massagista. E essas pessoas, vão circular pela cidade de São Paulo depois de eventualmente entrarem em contato com alguém que pode ser assintomático? Não tem o menor sentido.

O protocolo da Federação Paulista é assim: o jogador vai trocado para o treino para não usar o vestiário, não almoça no clube  e volta para casa. Aí vai ter esse risco que o senhor falou, de conviver com as pessoas em casa. Quando voltarem os jogos, os jogadores vão do estádio para a concentração. Na sua opinião, esse protocolo não ameniza o problema?

Não ameniza nada, porque você acredita que no Brasil alguém segue protocolo 100%? Se fosse na Suíça, na Alemanha, na Coreia do Sul, no Japão, você poderia até pensar. Ninguém vai respeitar isso, ninguém respeita nada aqui. Nós temos quase 50 mil vítimas fatais (de covid-19). É o maior desastre da história do Brasil. Nós não tivemos genocídios, guerras, nada que se compare com o que está acontecendo neste momento. E as pessoas estão preocupadas com futebol, com o circo? Não faz o menor sentido. E quem disse que o jogador vai direto pra casa? E se ele for para outro lugar, e se ele for comer um bauru na padaria? Ou se ele resolve pôr gasolina no carro dele? Ele vai estar com máscara o tempo inteiro? E o contato físico entre os jogadores, como fica? O escanteio, vai, cobra o escanteio na área, vai ficar aquele negócio, todo mundo no cangote de todo mundo, você acha que se tiver alguém assintomático transmitindo o vírus ali não vai pegar?

Questionei Moisés Cohen, responsável pela comissão médica da Federação Paulista de Futebol, sobre isso, e ele disse que a chance de transmissão do vírus será pequena porque todos estarão testados. 

Já pegaram o resultados dos testes de todo mundo?

A maioria ainda não foi testada.

Com que frequência vão testar? Qual teste eles vão usar? Porque se for o teste rápido, vão ter que ser vários testes pra ter certeza que o cara não está contaminado por causa do falso negativo que dá. Você vai ter que testar o cara depois de todo jogo. Então, eu chamo isso de engenharia reversa. Tem um produto que você já quer. Você quer abrir pra jogar bola. Aí você começa a usar uma série de combinação de desculpas e meias-verdades e ideias chucras, Pra quê correr riscos extras quando o manejo da coisa no Brasil é conhecido no mundo inteiro como um dos piores manejos do mundo? Você sabe, eu sou um fissurado por futebol. Sigo o Palmeiras debaixo d'água. E eu não estou aqui, de maneira nenhuma, aflito pra ver um jogo de futebol do Campeonato Paulista, se isso vai significar colocar em risco um monte de gente, inclusive os jogadores. Fico admirado de o sindicato dos jogadores não abrir a boca.

Muito jogador quer voltar porque teve corte de salário.

Eu sei que jogador de time pequeno sofre muito mais. Mas os times grandes, o cara tem um corte de salário, não sou a favor do corte de salário de ninguém. Mas, pô, é uma emergência histórica. São 100 anos em que a gente não tinha algo tão desesperador.

É uma guerra, e na guerra todos perdem.

Todo mundo perde se a gente não estiver com o exército unido. E outra coisa, nós não estamos nem falando da potencial sobrecarga que esses jogos podem levar para os profissionais de saúde que já estão no limite. Tenho colegas de turma, médicos, que foram entubados, gente que quase morreu. Tem um colega que faleceu, a gente não sabe se é covid ou não. Esses caras, médicos, enfermeiros, atendentes de enfermagem, eles não precisam de mais pacientes. Eles estão no limite do limite do que eles podem fazer. Então, por que correr o risco? Em vez de a gente fazer o oposto, que é aumentar o isolamento e ir de casa em casa, diagnosticando, auxiliando as pessoas a fazer o que precisa ser feito, oferecer auxilio financeiro, auxílio pra se isolar em escola pública em prédios públicos, se não puder se isolar em casa, ir nas periferias ajudar as pessoas a sobreviverem, nós vamos ter futebol? A gente começa a questionar a sanidade da sociedade brasileira, entendeu?

O maior risco que o senhor vê é essa escapadinha que o jogador pode dar depois do treino?

São vários, esse é só um deles. Se alguma pessoa do grupo for assintomática ou estiver no começo da doença, e contaminar um monte de gente, e aí, o que você faz?

Nesse momento, o número de novos casos não está diminuindo, o inverno está chegando e várias cidades reabriram pelo menos parcialmente o comércio. Nesse cenário, a volta de treinos e jogos é mais um ingrediente para aquilo que o senhor chama de tempestade perfeita?

Sem dúvida, porque os casos de dengue e chikungunya estão aumentando no Brasil todo. Vamos falar, o cara sai do jogo (ou do treino) e vai na loja do shopping, comprar alguma coisa. Ele anda no meio dos vendedores, pega a bolsa, vai pagar, vai na praça de alimentação, anda no shopping sem ventilação, você está entendendo? O futebol está querendo voltar por problemas financeiros próprios, eu entendo, mas o futebol está abrindo outro flanco desnecessário num momento crítico da pandemia no Brasil. A gente não precisa de mais incêndio. A gente precisa de bombeiros.

Qual o cenário ideal para o futebol voltar?

Futebol, teatro, igreja, eles têm que voltar quando a curva tiver caído, como aconteceu na Alemanha. Quando o fator de replicação da doença, chamado "fator R" estiver muito abaixo de 1. Ele não está muito abaixo de 1, nem em São Paulo e nem no Rio. Isso significa que a coisa está replicando ainda.

Qual o efeito psicológico que a volta do futebol pode ter na população, no cara que deve se cuidar mais, ficar em casa, e vê pela televisão o Flamengo jogar, por exemplo?

Primeiro, um efeito de achar que a coisa não é séria, que todo mundo está exagerando nessa pandemia, porque, se pode jogar futebol, a coisa não é tão séria. Isso é o primeiro efeito, de relaxar ainda mais. A pessoa vai falar: "vou chamar minha família para assistir ao jogo, afinal, é só a minha família, está todo mundo bem". É isso, você começa a relaxar.

 

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone