PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Pole de número 90 chega com maturidade de Hamilton como ativista

Perrone

18/07/2020 11h55

Lewis Hamilton conquistou neste sábado, na Hungria, a pole position de número 90 de sua carreira. É emblemático que a marca histórica venha no momento em que o inglês assume seu papel de líder negro no esporte.

Uma série de fatores parece contribuir para que em 2020 o piloto da Mercedes use com uma intensidade que não havia adotado antes sua voz para combater o racismo e promover a inclusão de negros num dos esportes mais elitizados do mundo.

O movimento global iniciado  nos Estados Unidos para protestar contra a violência policial que sufoca e mata negros foi o empurrão que faltava para Hamilton evoluir como ativista.

Tal impulso talvez não tivesse movido o inglês caso não o encontrasse maduro dentro e fora das pistas.

Os seis títulos mundiais, a chuva de recordes, incluindo o de poles, e a experiência natural de quem envelhece, engrossaram voz do hexacampeão.

Ele percebeu esse poder e passou a falar alto por uma F-1 mais inclusiva. Seu barulho faz eco e dá para perceber algum movimento na estrutura da categoria para dar satisfação a seu maior astro no momento e, para boa parte dos fãs, o maior de todos os tempos.

Os efeitos ainda são tímidos, como gestos de apoio ao movimento Black Lives Matter e a indicação de uma integrante negra do time Mercedes para receber um troféu. Isso, além da pintura alusiva à causa negra nos carros da equipe alemã.

Mas foi dada a largada. Nessa área, é como se Hamilton estivesse brigando por sua primeira pole. A caminhada não será fácil, como não foi moleza chegar à marca de assegurar o primeiro lugar no grid por 90 vezes

Porém, a estrela da Mercedes parece preparada para, depois de impor sua história de sucesso à bolha em que negros não conseguiam entrar, ajudar a criar as bases para que um dia negros triunfando na F-1 não sejam casos isolados, como uma pole position única, obra do acaso.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone