Blog do Perrone

Arquivo : Andrés Sanchez

Sem Corinthians, Fla avalia oferta alternativa para transmissão no exterior
Comentários Comente

Perrone

Depois de esperar por uma proposta que não veio, o Corinthians se juntou aos 17 clubes que já tinham assinado contrato para a venda dos direitos de transmissão internacional do Brasileirão por quatro anos com a empresa BR Foot.

Agora, Flamengo e Atlético-PR são os únicos times que não aderiram ao acordo. Apesar do isolamento, o presidente do clube da Gávea afirmou ao blog que segue estudando outra oferta.

“Estamos avaliando uma proposta alternativa que parece ser melhor. Vamos aguardar”, declarou Eduardo Bandeira de Mello. O dirigente declarou não poder dar detalhes sobre essa oferta.

Apesar de estudar um acordo alternativo, Mello avalia ser impossível a transmissão de jogos da equipe com adversários que tenham assinado com outra empresa. Ele não explicou como driblar esse problema e nem se pensa em transmitir as partidas na internet. Porém, já há discussões no país sobre a exibição na rede mundial de computadores também precisar de autorização dos dois clubes.

O presidente do Flamengo disse ainda que não foi avisado pelo Corinthians sobre a decisão do rival de aderir ao contrato com os outros 17 times.

Nos últimos dias, ele trocou farpas com o corintiano Andrés Sanchez por conta de temas ligados às semifinais da Copa do Brasil. Mello reclamou do juiz sorteado para o primeiro jogo, do fato de a CBF não ter adiado a partida para dar mais tempo a Lucas Paquetá, então na seleção, e de Fagner ser cortado por lesão do time de Tite e ter atuado no Maracanã.

“Assinamos esta semana, sim. Não veio a proposta que estávamos esperando”, disse Sanchez ao UOL Esporte explicando a decisão de aderir ao bloco de clubes.

Porém, o Corinthians manteve a postura de não assinar o contrato para a exploração de publicidade estática em bloco. Fará sua negociação individualmente.

Já o Flamengo tem um acordo individual para a negociação das placas ajustado com a Sport Promotion. Ele precisa de aprovação do Conselho Deliberativo para ser assinado.

Com Dassler Marques, do UOL em São Paulo, Napoleão de Almeida, colaboração para o UOL, e Vinicius Castro, do UOL no Rio de Janeiro


Presidente do Fla aumenta polêmica e ataca relação entre Corinthians e CBF
Comentários Comente

Perrone

Indagado pelo blog sobre críticas feitas a ele pelo corintiano Andrés Sanchez, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, deu uma resposta que indica a temperatura do duelo entre os dois clubes nesta quarta pelas semifinais da Copa do Brasil.

“As (críticas) de ontem ou teve mais? Eu não sei se ele falou em nome da CBF ou do Corinthians. Aliás, não dá para saber onde termina um e começa o outro. Simples assim”, disse Mello.

Em entrevista ao GloboEsporte.com o presidente alvinegro havia  classificado como absurda a reclamação do adversário sobre o árbitro sorteado para o confronto no Maracanã. Também insinuou que Bandeira não ganhou nada e tenta transferir responsabilidade para os outros. E ainda que o dirigente da equipe rival está preocupado em se eleger deputado federal, posto que o corintiano ocupa atualmente.

A resposta atravessada do comandante do Flamengo resume seu incômodo com recentes episódios envolvendo a confederação brasileira e o clube paulista.

Primeiro, o dirigente se rebelou contra o fato de Bráulio da Silva Machado ser o juiz  para o primeiro confronto da semifinal.

Ele reclama que o árbitro foi mal na partida do Flamengo com o Palmeiras, em junho, na qual não expulsou Felipe Melo após entrada dura em Vinícius Júnior.

O cartola já estava irritado por não ter conseguido adiar o duelo desta quarta para facilitar a escalação de Lucas Paquetá, convocado para os amistosos da seleção brasileira nos Estados Unidos. O Flamengo montou um esquema especial para trazer o jogador e tentar colocá-lo em campo.

A crise se agravou depois que o corintiano Fagner, dispensado da seleção por conta de uma contusão, voltou a treinar antes do previsto. Ele deve ser titular no Maracanã.

Apesar do pacote de insatisfações, Bandeira diz que não irá protestar na CBF. “E adianta fazer queixa formal? Os fatos estão escancarados e falam por si. Qualquer um pode tirar suas conclusões”, afirmou ele.

 


Palmeiras identifica sócios envolvidos em atrito com Andrés
Comentários Comente

Perrone

O Palmeiras identificou pelo menos dois sócios do clube envolvidos no entrevero com Andrés Sanchez na festa de aniversário do alviverde.

A informação foi confirmada ao blog por Seraphim Del Grande, presidente do Conselho Deliberativo palmeirense. No entanto, ele não soube dizer o nome dos associados.

O caso deve ser analisado pela comissão de sindicância do clube. Eles podem ser punidos com advertência verbal, escrita, suspensão, expulsão ou serem absolvidos.

O estatuto palmeirense diz que os sócios devem respeitar visitantes “evitando discussões ou debates que possam perturbar o convívio social produzindo incompatibilidades”. Ao menos parte dos conselheiros entende que a regra se estende para eventos organizados pelo clube fora de sua sede.

O presidente corintiano, convidado para o evento, foi hostilizado no banheiro da casa em que aconteceu o jantar de aniversário.

Pelo menos um conselheiro presenciou o atrito. Ele nega ter se envolvido na confusão.

Na gravação, um dos palmeirenses chama Andrés de freguês e é chamado pelo corintiano de babaca. Outro homem toma as dores e chega a dar um levo toque no braço do dirigente iniciando uma discussão.

Os presidentes de Palmeiras e Corinthians consideram o caso encerrado depois que Maurício Galiotte telefonou para Sanchez logo após seu convidado deixar repentinamente a comemoração.

Porém, há conselheiros nos dois clubes que querem investigação e punição aos envolvidos, no caso de associados ou conselheiros palmeirenses.

 

 


Galiotte liga para Andrés, desfaz incômodo, mas atrito tem até apelo ao MP
Comentários Comente

Perrone


Pouco depois de Andrés Sanchez deixar a festa de aniversário do Palmeiras na última terça-feira, após ser hostilizado por dois palmeirenses, Maurício Galiotte telefonou para o colega corintiano.

O objetivo do presidente alviverde foi tentar desfazer o incômodo causado. A interlocutores, ele disse que Sanchez compreendeu ser um ato isolado e que não ficou magoado com o clube rival por conta do episódio.

O corintiano disse a Galiotte que foi bem recebido no evento e que sabe do respeito que o Palmeiras, como instituição, tem pelo Corinthians.

Ao UOL Esporte, Andrés afirmou que todos no clube adversário pediram desculpas pela confusão.

Apesar de os dois cartolas considerarem o caso encerrado, o incidente ainda faz barulho nos clubes.

Do lado palmeirense, parte dos conselheiros entende que Galiotte deveria ter se desculpado publicamente com o corintiano.

Além disso, esse grupo quer que o Palmeiras tente identificar os dois homens que aparecem no vídeo do entrevero para saber se eles são sócios, o que os deixaria sujeitos a punições internas.

Interlocutor de Galiotte afirma, no entanto, que ele não recebeu pedidos de conselheiros para se retratar em público, pois  já avisou no clube que conversou com Sanchez.

No Corinthians, há conselheiros indignados com o que chamam de falta de respeito com seu presidente.

Existe até membro do Conselho Deliberativo que pede em rede social a entrada no caso do Ministério Público, por meio do promotor Paulo Castilho. A justificativa para tal medida é que a atitude hostil incitaria a violência entre as duas torcidas.

Procurado pelo blog, no entanto, Castilho afirmou não se tratar de caso para o MP. “Foi deselegante, falta de educação, mas não há nada que o Ministério Público possa fazer. É um caso privado. Se o Andrés entender que houve injúria, deve entrar com uma ação contra essas pessoas”, declarou Castilho.

No banheiro da casa escolhida pelo Palmeiras para sua festa, um dos convidados provocou Andrés o chamando de freguês. O cartola reagiu se dirigindo ao desafeto como babaca. Outro homem toma as dores do primeiro e dá um leve empurrão em Andrés.


Resultado de pleito corintiano ainda pode ser contestado. Depende de sócios
Comentários Comente

Perrone

O Ministério Público de São Paulo não tem dúvida de que o sistema de urnas eletrônicas usado na última eleição vencida por Andrés Sanchez no Corinthians não era seguro.  Para o MP, o método usado apresentava possibilidade de violação.

A promotoria propôs uma transação penal para três representantes da Telemeeting Brasil, responsável pelo sistema utilizado. O caso foi encerrado na esfera criminal mediante o pagamento de “prestação pecunária” e sem cogitar a anulação da votação.

Isso não significa que a eleição não possa ser anulada. Para isso acontecer algum sócio, conselheiro ou candidato que tenha se sentido prejudicado precisa entrar com uma ação na Justiça com esse objetivo e ganhar.

Mas por que o Ministério Público não pediu anulação se tem certeza de que o sistema era vulnerável? Quem respondeu ao blog foi o promotor Paulo Castilho, que recebeu a denúncia inicial e propôs a transação penal.

“Recebi uma representação criminal relacionada a crime contra o consumidor (artigo 66 do Código do Consumidor). A empresa contratada não prestou o serviço exatamente como contratado. A ação não tratou do resultado da eleição, que é uma questão privada”, disse Castilho.

O artigo citado por ele fala sobre “fazer afirmação falsa ou enganosa ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços”. A previsão é de pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

“Cabe a algum candidato que tenha se sentido prejudicado ou algum sócio do clube levar o caso agora para a esfera cível. Não vejo segurança jurídica na eleição. Fico triste por ver um dos maiores clubes do Brasil envolvido nessa situação”, completou o promotor.

A Telemeeting mantém a posição de que não houve irregularidade no pleito e afirma que estuda acionar a Justiça para pedir indenizações por injustos ataques que teria sofrido (leia nota completa ao final do post).

Paulo Garcia, segundo colocado na eleição e responsável por levar ao caso ao MP, divulgou mensagem em rede social afirmando que tomou cautela para não prejudicar o Corinthians e pediu a investigação na qualidade de candidto prejudicado. Afirmou ainda que com o desfecho do caso na esfera criminal, irá analisar com seus advogados as medidas que adotará.

Indagado pelo blog se isso significa que ele estuda ir à Justiça para anular a votação, Garcia respondeu: “não sei, vou ver com o advogado o que pode ser feito sem prejuízo ao clube”.

Parte dos conselheiros quer que o presidente do conselho chame a Comissão Eleitoral responsável pela contratação da empresa para dar explicações, coloque em discussão a tentativa de anular o pleito e ainda debata a possibilidade de o clube pedir uma indenização por supostos serviços prestados inadequadamente.

“Não tenho como convocar uma reunião específica para discutir esse assunto. Só posso agir se houver provocação dos conselheiros. Mas não entendo que seja tema para o conselho. O processo está finalizado. Cabe ao pessoal que se sentiu prejudicado tomar as medidas que entender cabíveis. Se a Justiça fizer alguma determinação, nós cumprimos”, afirmou Antônio Goulart, presidente do Conselho Deliberativo do alvinegro.

Deputado federal, colega de Andrés e candidato à reeleição, ele também é aliado do atual presidente corintiano na política do clube.

Miguel Marques e Silva, que presidiu a comissão eleitoral, entende que não é o caso para se anular a eleição. “Não houve fraude. Pode ter havido erro, mas não dolo. Acho que a empresa não deveria ter concordado com a transição penal. Deveria deixar tocar o processo. Quem acusa que prove”, afirmou Silva.

Em nota, a Teleemting sustentou que aceitou a transição por não se tratar “de admissão de culpa” e alegou também “razões econômicas e estigmatização da marca” para tomar tal atitude.

Os pagamentos que os três representantes da empresa se comprometeram a fazer são de R$ 2.862,00, R$ 1.908,00 e R$ 954,00. O dinheiro vai para o FUMCAD (Fundo Municipal da Criança e do Adolescente).

Abaixo, leia na íntegra nota emitida pela Telemeeting sobre o caso.

“A Telemeeting Brasil LTDA vem a público declarar que optou por aceitar um acordo de transação penal proposto pelo Promotor Paulo Castilho para encerrar a discussão na esfera criminal sobre a eleição realizada no Sport Club Corinthians Paulista em fevereiro deste ano. Tomou este caminho por não implicar em qualquer admissão de culpa, nos termos da lei, visto que tem a certeza que não houve fraude alguma nos procedimentos realizados, como bem apontou o Laudo Oficial do Instituto de Criminalística/SSP-SP, sendo certo que a acusação atual não tratava mais de fraude mas de crime contra o consumidor nos termos do Código de Defesa do Consumidor. De outro lado, por razões econômicas e estigmatização da marca da empresa no mercado, somado a morosidade que um processo penal levaria, onde poderia discutir sua culpa e produzir provas, com o dispêndio de longos anos para ser encerrado, consolidaram a decisão. Assim põe fim a questão penal estudando ainda as eventuais medidas que poderá desencadear na esfera civil de indenizações pelos ataques injustamente sofridos”.


Por arena, Corinthians ‘flerta’ com empresa especializada em show e evento
Comentários Comente

Perrone

A diretoria de marketing do Corinthians está em negociação com a Opus Promoções, que realiza espetáculos culturais e administra espaços para eventos em diferentes cidades do país.

A assessoria de imprensa da companhia disse ao blog que negocia apenas a realização de um evento de grande porte no final do ano na arena corintiana. O gramado seria preservado. Detalhes da atração não foram revelados

Porém, a direção corintiana pensa em contratar a Opus para gerenciar shows e outros eventos na arena, também sem usar o campo.

Com sede em Porto Alegre, a Opus administra nove espaços culturais no Brasil. Entre eles, está o Teatro Bradesco, em São Paulo, de acordo com o site da empresa.

A atual direção corintiana tem procurado incrementar as receitas da arena com eventos em áreas externas, como um dos estacionamentos, e em espaços na parte de dentro do estádio.

Aumentar a exploração comercial do estádio, gerando maior receita, é uma das principais missões de Luís Paulo Rosenberg, diretor de marketing, desde que ele retornou ao clube neste ano.

A diretoria também negocia a troca da Omni pela IBM na administração do programa de sócio torcedor do alvinegro. Recentemente, o clube negociou a saída da Omni do estacionamento da arena e firmou parceria com a Indigo.

A antiga parceira alvinegra chegou ao clube na primeira gestão de Andrés Sanchez, com Rosenberg. Porém, seus contratos com a agremiação são alvos de constantes críticas de conselheiros.


Palmeiras recebe esvaziada reunião por oposição na FPF
Comentários Comente

Perrone

Rompido com a FPF (Federação Paulista de Futebol) desde a final do último Estadual, o Palmeiras virou peça fundamental no jogo que pode colocar um opositor na próxima eleição da entidade. O pleito ainda será marcado para este ano e tem a sua comissão eleitoral presidida pelo promotor Paulo Castilho.

Tanto é assim que o clube alviverde sediou, nesta quinta, uma esvaziada reunião com o objetivo de ouvir as propostas de Marco Antonio Abi Chedid, presidente do Bragantino. Ele lidera a iniciativa de lançar uma chapa de oposição para concorrer com o atual presidente da federação, Reinaldo Carneiro Bastos.

Maurício Galiotte já decidiu que não irá votar em Reinaldo, porém, ainda não fechou apoio a Chedid ou um candidato lançado por ele.

O dirigente palmeirense foi procurado pelo cartola do Bragantino, que solicitou a reunião. Conforme o blog apurou, Marquinho, como é conhecido o opositor, pediu que o colega alviverde telefonasse para chamar outros dirigentes com quem teria mais contato. O são-paulino Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, o presidente do Oeste de Itápolis, Ernesto Francisco Garcia, e pelo menos mais um cartola foram convidados por Galiotte, a pedido de Chedid, mas não compareceram ao encontro.

Fonte com trânsito no Palmeiras afirmou ao blog que José Carlos Peres, presidente do Santos, também participou da conversa com Maurício e Marquinho. A assessoria de imprensa do santista, no entanto, diz que não o localizou depois das 21h40 desta quinta, quando foi procurada pelo blog, para confirmar sua presença.

O Oeste, ausente na reunião, já se comprometeu a apoiar a candidatura de Bastos, ao lado dos outros três times paulistas que disputam a Série B do Brasileiro. “Nós, Ponte Preta, Oeste e São Bento participamos de um encontro na federação e decidimos apoiar a candidatura do Reinaldo”, disse Palmeron Mendes Filho, presidente do Guarani. Ele não confirmou e nem negou ter recebido o telefonema do dirigente do Palmeiras.

Por sua vez, Chedid disse desconhecer que outros clubes tivessem sido convidados. “Foi um encontro só meu com o Galiotte para apresentar as propostas”, declarou o presidente do Bragantino. O blog mantém a informação sobre os convites.

Apoio de peso

O dirigente afirmou que a candidatura de oposição só vai sair do papel se os grandes do Estado tiverem interesse. “Se eles quiserem mudança, teremos uma chapa, que ainda não tem um candidato definido. Se não quiserem, fica como está. Os clubes pequenos querem mudar, mas em conjunto com os grandes”, disse Marquinho.

Além do Palmeiras, outro apoio estratégico a ser disputado é o do Corinthians. Andrés Sanchez, é amigo de longa data de Bastos e Chedid. Procurada, a assessoria de imprensa da diretoria corintiana informou apenas que o voto do clube será surpreendente.

Para registrar chapa, cada candidato precisa do aval de 12 filiados, sendo cinco integrantes da Série A-1, que terão peso seis na eleição. Os votos serão abertos, o que incomoda Chedid. Ele entende que eleitores podem ficar com medo de votar na oposição, perderem e sofrerem retaliações.

CBF

A votação na entidade paulista reflete uma briga pelo controle do futebol nacional. Bastos tentou se lançar como candidato de oposição à presidência da Confederação Brasileira. Não conseguiu o número mínimo de apoios e viu Rogério Caboclo, escolhido por Marco Polo Del Nero, ser o único postulante. Ele assume a presidência em abril do ano que vem.

Desde então, o presidente da FPF passou a ser visto como inimigo por Del Nero e seus aliados. Logo perdeu seus cargos na CBF e na Conmebol após a frustrada tentativa de participar do pleito.

O grupo de Bastos agora enxerga a tentativa de Chedid de lançar um candidato de oposição em São Paulo como uma vingança de Marco Polo, banido pela Fifa por causa de atos de corrupção negados por ele.

Ao UOL, três representantes de clubes do interior afirmaram, sob a condição de não serem identificados, que Chedid teria pedido votos declarando que sua candidatura foi incentivada por Del Nero. O presidente do Bragantino nega que isso tenha acontecido e que já seja pré-candidato.

O Palmeiras entra nessa história porque trava uma batalha com a FPF desde que se sentiu prejudicado por uma suposta interferência externa na anulação de um pênalti a seu favor na final do último Campeonato Paulista, vencida pelo rival Corinthians em pleno Allianz Parque.

Com Marcello De Vico, do UOL, em São Paulo

 

 

 


Vendas e má fase fazem Andrés amargar rejeição inédita
Comentários Comente

Perrone

A combinação de maus resultados com seguidas vendas de jogadores, geralmente com preços inferiores aos conseguidos pelos rivais, fazem Andrés Sanchez amargar uma rejeição inédita para ele entre os Corintianos.

Quase unanimidade na Fiel em sua primeira passagem pela presidência do Corinthians, o deputado federal viu a insatisfação com sua atual gestão aumentar avassaladoramente após a derrota por 3 a 1 para o São Paulo no último sábado (21).

Nas redes sociais transbordam críticas contra o dirigente. Torcedores reclamam da impotência dele diante das propostas de clubes estrangeiros por atletas alvinegros. Citam que o Palmeiras consegue resistir mais a essas investidas e que, como o São Paulo, alcança melhores preços quando vende jogadores.

Andrés tem se defendido citando em entrevistas a desvalorização do real diante do dólar e que não é bom negócio manter jogador insatisfeito.

As estocadas de Sanchez nos rivais antes eram vistas  como sinais de astúcia. Agora, para os críticos que se manifestam na internet, são apenas tentativas simplórias de desviar o foco. O caso mais citado é a recente declaração de Andrés insinuando que o Palmeiras terá problemas por segurar jogadores que queriam sair, situação vivida por Dudu.

Até as patadas do deputado em jornalistas mudaram de status para ao menos parte dos insatisfeitos. Em sua primeira gestão, a postura rude era tratada como bravura, resistência e defesa dos interesses corintianos. Neste momento, há na rede mundial de computadores quem classifique o comportamento de Andrés diante da imprensa como desnecessariamente debochado e incompatível com a sobriedade e respeito que se esperam do presidente de um grande clube.

A situação desconfortável do alvinegro, oitavo colocado no Brasileirão e sem resolver antigos problemas como falta de patrocinadores principal e para o estádio, também fazem sócios que elegeram Andrés serem cobrados por associados descontentes. É o início de uma inversão do que ocorria durante o reinado anterior de Sanchez no Parque São Jorge. Agora quem enfrenta uma avalanche de argumentos desfavoráveis e têm dificuldade para mostrar a cara são os torcedores que o defendem.


Opinião: antes de pensar em tirar Loss, Andrés precisa mudar seus métodos
Comentários Comente

Perrone

Natural que os maus resultados e a fragilidade demonstrada pelo Corinthians na derrota por 3 a 1 para o São Paulo neste sábado (21) deixem Osmar Loss ameaçado.

Porém, há dirigentes com mais tempo que ele em seus cargos apresentando desempenho insatisfatório. Antes de analisar se demite o treinador, Andrés Sanchez precisa cobrar seus diretores e pensar seriamente em trocas.

Como manter um diretor de futebol que não consegue evitar desmanches na comissão técnica e no elenco, não é capaz de planejar a reposição das perdas e traz reforços discutíveis, como Danilo Avelar, Roger e Jonathas?

Loss erra de maneira juvenil ao insistir em escalar Marquinhos Gabriel e com Pedrinho fora do time. Mas falha também a diretoria por ainda manter Marquinhos.

Como defender um diretor de futebol que renova o contrato de Balbuena aceitando uma multa de cerca de R$ 18 milhões? E que perde seu melhor jogador (Rodriguinho) para o Egito em troca de R$ 15 milhões para o clube?

Por tudo isso, Duílio Monteiro Alves deveria estar mais ameaçado do que Loss. Mas não está porque Andrés comanda diretamente o futebol. Todos esses equívocos têm suas digitais. Não há como substituir o presidente neste caso, mas se agisse com profissionalismo, Sanchez pelo menos cogitaria se afastar do futebol para tentar interromper a desastrosa gestão.

O departamento de marketing também precisa ser avaliado. O fato de a equipe não conseguir patrocinador principal atrapalha financeiramente e prejudica o clube no momento de tentar segurar jogadores. A falta de solução para os naming rights da Arena Corinthians também sufoca o alvinegro financeiramente. Luís Paulo Rosenberg precisa ser cobrado.

Para esse choque de gestão acontecer, o presidente corintiano deve mudar seu comportamento. Tem que abandonar a arrogância que o faz pintar o Corinthians como maior do mundo e acreditar que ele é ele também é o melhor cartola de todos os tempos, um cara que tudo pode. O conformismo a cada oferta que aparece para seus jogadores também precisa mudar. Vale lembrar que Flávio Adauto, ex-comandante do futebol corintiano, resistiu às propostas e cumpriu a promessa de manter Arana até o fim do ano passado. Provou que não é impossível, como faz parecer o deputado federal.

Também é necessário que o presidente comece a se recusar a assinar contratos desequilibrados, mais favoráveis a empresários, jogadores e outros parceiros do que ao clube.

Ou Andrés revê conceitos, muda seus métodos e promove uma radical transformação na maneira de atuar de sua diretoria ou a Fiel está fada a sofrer em 2018 muito mais do que por apanhar do São Paulo.

 


Fagner e Pedrinho estão entre os que o Corinthians corre risco de perder
Comentários Comente

Perrone

Depois de o Corinthians vencer o Botafogo-RJ por 2 a 0, na última quarta (18), Andrés Sanchez afirmou que não poderá impedir mais jogadores que queiram deixar o clube na atual janela de transferência europeia. A afirmação reflete o sentimento da diretoria de que outros atletas podem sair, como aconteceu recentemente com o paraguaio Balbuena, agora zagueiro do West Ham, da Inglaterra.

O alvinegro corre o risco de perder pelo menos mais dois atletas: Fagner e Pedrinho. Ambos têm sido alvo de sondagens de agremiações do exterior.

Um dos que estão de olho no lateral-direito da seleção brasileira é o Napoli. Nos bastidores, a cartolagem alvinegra admite que há mais de uma sondagem sobre o atleta que terminou a Copa da Rússia como titular de Tite.

Por sua vez, Pedrinho fez o Ajax se movimentar. Giuliano Bertolucci, um dos agentes mais influentes na Europa e amigo do presidente corintiano, foi o responsável por fazer a sondagem. A informação foi dada inicialmente pelo Globoesporte.com. Conforme o blog apurou, o agente acenou com 20 milhões de euros (cerca de R$ 90,1 milhões) a serem pagos pelos holandeses. O Corinthians respondeu que só libera o meia-atacante pelo valor da multa rescisória, que é de 50 milhões de euros (aproximadamente R$ 225,3 milhões).

Apesar da negativa, pessoa próxima ao jogador afirma existir a possibilidade de o time europeu reabrir a conversa, mas ainda com valor inferior à multa.

O Ajax não foi o primeiro a manifestar interesse em Pedrinho. No mês passado, a Udinese sondou o estafe do jogador. Até agora, porém, a equipe italiana não reapareceu para fazer uma proposta.

O Corinthians possui 70% dos direitos econômicos do meia-atacante. A fatia restante pertence a empresa do agente do jogador, Will Dantas.