Blog do Perrone

Arquivo : José Carlos Peres

No Santos, candidato propõe que cartola pague do bolso aumento de dívida
Comentários Comente

Perrone

Abaixo, leia entrevista com José Carlos Peres, um dos candidatos de oposição à presidência do Santos na eleição de dezembro. Os outros opositores na disputa são Nabil Khaznadar e Andrés Rueda. O atual presidente, Modesto Roma Júnior, é candidato à reeleição.

Proposta para conter dívida

“Vamos propor ao Conselho Deliberativo um dispositivo no estatuto para colocar uma trava na dívida. O dirigente que aumentar a dívida terá que pagar esse aumento do próprio bolso. Se eu pego o clube devendo R$ 500 milhões e entrego com um débito de R$ 520 milhões, tenho que tirar R$ 20 milhões do meu bolso. Assim, pelo menos, a dívida não aumenta. Não é uma proposta polêmica. É técnica e responsável”.

Portal da transparência

“Nossa principal proposta é ter ética e transparência porque a gente precisa mostrar credibilidade pro mercado para conseguir bons patrocínios. Vamos criar o portal da transparência. Nele vamos publicar balanços mensais. Vai ter toda a vida do clube lá pro sócio poder acompanhar. Conselheiros e sócios vão ter uma senha. O sócio vai poder saber, por exemplo, quanto o clube pagou por um jogador. Ele não terá detalhes no portal sobre quanto pagou de comissão, por exemplo. Mas se quiser saber, é só pedir ao clube. Os conselheiros terão acesso a todos os detalhes”.

Futebol

“Vamos contratar um diretor técnico que vai cuidar do time principal, das categorias de base e do futebol feminino. Vamos tentar evitar ex-jogador no cargo. Não significa que eles não terão oportunidade. Terão, mas por competência. Assumindo o clube, vamos fazer um levantamento da situação real do Santos a fim de tornar o clube autossustentável. Isso vai ajudar na nossa meta de ter um time forte. Vamos aproveitar mais as categorias de base. Não estamos revelando tantos jogadores como antes. Vamos investir na construção de um alojamento para as categorias de base. Temos terreno para fazer um CT de primeiro mundo para a base. E existem investidores interessados. Chineses, por exemplo. O Santos nunca botou tanto dinheiro na aquisição de direitos econômicos de jogadores como na atual gestão. Queremos mudar isso”.

Novo estádio

“Achamos desfavorável construir um novo estádio a 700 metros da Vila Belmiro. O que vamos fazer é um trabalho junto a Prefeitura, tentar comprar algumas casas (em volta do estádio atual) para alargar o terreno e poder dar uma ajustada na Vila. Vamos deixar tudo preparado para uma nova Vila Belmiro no futuro, não na minha gestão. Pretendemos usar o Pacaembu. Queremos fazer 50% dos jogos na Vila e 50% no Pacaembu. Vamos conversar com todos os consórcios interessados em administrar o Pacaembu para que a nossa bandeira seja usada lá. O torcedor vai saber no início do campeonato quais jogos serão em São Paulo”.

Neymar

“A relação do Santos com Neymar hoje é um exemplo de como não tratar nossos ídolos. Nossa torcida está magoada. Ele não quer mais nada com o Santos e foi pelo tratamento dado por essa gestão. Temos que ficar bem não só com o Neymar, mas com todos os nossos ídolos. A ideia é conversar com ele e todos os outros ídolos para que tenhamos uma boa convivência. Quando parar de jogar, o Neymar tem que pensar no Santos. Hoje, ele está cutucando quem o maltratou”.

Marketing

“Hoje nosso marketing é puro, sem departamento comercial. O marketing vai embalar, e o comercial vai vender. A ideia é trazer o departamento para São Paulo onde o clube vai conseguir recursos. Teremos uma unidade de negócios em São Paulo que é onde estão as principais empresas que podem investir. Um representante de uma empresa, se pegar um comboio na estrada, leva três horas pra chegar a Santos e conversar com a gente. Temos que facilitar isso. Uma parte da população santista é progressista e entende que precisamos ter um escritório em São Paulo, como outros grandes clubes têm”.

Críticas por ter aceitado cargo remunerado na atual gestão, criticada por ele

“Fui trabalhar pro Santos num projeto com a China (entre outros), que prevê 60 escolinhas do clube lá em dois anos e 5 mil em dez anos. Fui convidado pra conversar com o Marcelo Teixeira porque  em 2014 sempre defendia essa questão de que acabou a eleição acabou a política. Você nunca será oposição fora de eleição. Não trabalhei para o atual presidente, trabalhei para o  Santos. Fui gerente sem nenhum acordo político ou com mordaça. Eu já vinha insistindo desde fevereiro pedindo para sair e ele acabou me desligando (em abril de 2017). O fato de ele ter me desligado não muda nada. Não fiquei porque não concordava com a atitude dele de fazer política fora da eleição. Ele anunciou que era candidato, então eu não podia ficar lá. Eu fui remunerado por oito meses (como gerente de marketing internacional), mas nunca exerci cargo na diretoria. Com o meu salário, eu mantinha escritório, secretária, pagava luz, aluguel, não sobrava quase nada”.

União

“Estou trabalhando pra que haja uma chapa só chapa de oposição. Nunca me senti tão preparado como agora. Estou com 69 anos, no auge da minha experiência”.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>