Blog do Perrone

Arquivo : Lula

‘Constrangedora’, foto de Lula é retirada de gabinete de Roberto de Andrade
Comentários Comente

Perrone

Na última segunda, um grupo de conselheiros do Corinthians entrou no gabinete de Roberto de Andrade e deu de cara com uma foto do ex-presidente Lula na parede. Um deles perguntou ao cartola se ele não era constrangedor ter por perto a imagem do personagem central da operação Lava Jato. No dia seguinte, conforme relataram duas pessoas que costumam frequentar o local, o retrato já não estava lá.

Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa do Corinthians respondeu que “todos os quadros foram retirados, pois estamos fazendo uma nova decoração no quinto andar (onde fica a presidência)”. Ou seja, a mudança, segundo o clube, não teve a ver com o questionamento de conselheiros e nem com um suposto constrangimento.

 A retirada da fotografia do ex-presidente  coincide com a queda de prestígio de Lula no clube desde que a Lava Jato começou. O petista foi um dos articuladores do projeto que culminou com a construção da arena corintiana. O retrato, que já estava no gabinete da presidência antes de Andrade assumir o cargo, simbolizava a gratidão do clube ao ex-presidente e ao mesmo o status do alvinegro com ele.

Lula já havia enfrentado uma apuração feita por comissão do Conselho Deliberativo para saber se ele e outros conselheiros tinham extrapolado o número de ausências permitidas sem justificativa em reuniões do órgão, o que pode provocar eliminação. O ex-presidente acabou renunciando ao cargo. Ele nunca compareceu aos encontros.


Sócio move ação para Corinthians provar trabalho de filho de Lula no clube
Comentários Comente

Perrone

Colaborou Pedro Lopes, do UOL, em São Paulo

O sócio do Corinthians Roberto Willian Miguel entrou na Justiça com uma ação para tentar obrigar o clube a mostrar documentos que comprovem as atividades de Luis Claudio Lula da Silva, filho de Lula, no Parque São Jorge.

Ele quer saber se Luis Claudio fez jus a mais de R$ 500 mil entre 2011 e 2013 ou se recebeu sem trabalhar.

Miguel, conhecido no clube como Libanês, já havia pedido documentos referentes ao filho de Lula para a diretoria, mas alega na ação que nem todas as suas solicitações foram atendidas. Assim, recorreu à Justiça para pedir a papelada que não foi apresentada.

Entre os documentos pedidos estão notas fiscais emitidas pela empresa de Luis Claudio, relatório dos negócios realizados e serviços prestados, relação de jogadores que ele representou ou representa no clube e comprovantes de pagamento.

Procurado, Rogério Mollica, diretor jurídico do Corinthians informou ao blog desconhecer a ação. Declarou também que o sócio já tinha pedido os documentos ao presidente Roberto de Andrade e que teve acesso a eles no departamento jurídico do clube.

O associado pede para serem dados cinco dias à diretoria para a exibição dos documentos sob pena de multa de R$ 5 mil diários, além de busca e apreensão. Agora ele aguarda manifestação da Justiça.

Suspeita

Na ação, os advogados de Libanês falam em suspeita “de desvio de dinheiro do clube através de contratos que não tiveram a respectiva contrapartida, fazendo com que o clube pagasse por serviços que não foram prestados”.

A desconfiança começou quando Luis Paulo Rosenberg, ex-dirigente que atuou no marketing corintiano, afirmou à Folha de S.Paulo não se lembrar de trabalhos realizados pelo filho de Lula no departamento.

Tanto clube como Luis Claudio negam que tenham existido pagamentos sem prestação de serviços.

Quais os documentos que o Corinthians já mostrou?

Miguel anexou na ação relatório sobre a papelada que foi exibida pelo clube a ele. De acordo com esses documentos, Luis Claudio foi admitido pelo Corinthians em agosto de 2009 com carteira assinada para ganhar R$ 15.000 por mês como auxiliar de preparação física. Sua demissão aconteceu em agosto de 2010, quando ele recebeu R$ 20.471,19 a título de rescisão contratual.

Em julho de 2011, o filho de Lula voltou ao clube por meio de contrato com sua empresa LFT Marketing Esportivo. O compromisso teria duração até setembro de 2012, mas foi prorrogado por Mário Gobbi, ex-presidente do clube, até o final de 2013.

A direção corintiana também informou ao associado que os objetos desse novo contrato eram “divulgação de projetos – formação de atletas”. A empresa recebia R$ 20 mil reais por mês.

Abaixo, veja documentos referentes à ação.

Reprodção

Reprodução

Acima, a relação de documentos que o associado quer que o clube seja obrigado a mostrar

 

Reprodução

Acima, trecho da ação em que o sócio relata informações que recebeu do Corinthians sobre o filho de Lula

Acima, trechos da ação em que o sócio relata informações que recebeu do Corinthians sobre o filho de Lula

 

Trecho da ação que fala das suspeitas sobre a contratação de Luis Claudio

Trecho da ação que fala da suspeita sobre a contratação de Luis Claudio


Lula corre risco de perder cargo de conselheiro do Corinthians por faltas
Comentários Comente

Perrone

O ex-presdiente da República Luiz Inácio Lula da Silva pode perder o cargo de conselheiro vitalício do Corinthians. Isso porque a Comissão de Ética e Disciplina do Conselho Deliberativo do clube vai analisar a situação de todos os membros do órgão que faltaram mais do que o permitido e checar quem não apresentou as devidas justificativas. Desde que foi indicado por Alberto Dualib para o cargo em 2003, quando presidia o país, Lula nunca compareceu às reuniões.

O estatuto alvinegro diz que o conselheiro vitalício pode perder seu cargo por abandono caso falte a cinco reuniões consecutivas ou a dez alternadas sem justificativas.

Guilherme Gonçalves Strenger, presidente do Conselho Deliberativo, confirmou ao blog que Lula não compareceu a nenhum encontro, mas disse que não tinha em mãos os dados para saber quantas ausências não foram justificadas. Na última sexta, Strenger enviou relatório sobre a frequência de todos os conselheiros para a Comissão de Ética decidir quem deve ser afastado por excesso de faltas. O grupo deve se reunir na próxima semana para começar a discutir o assunto. A pena de perda do cargo de conselheiro vitalício só poderá ser imposta pela comissão após instauração de processo com direito de defesa, cabendo recurso no plenário do Conselho Deliberativo.

Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa do Instituto Lula primeiro disse ter a informação de que o ex-presidente não faz parte do conselho corintiano e de que talvez tenha havido algum cargo de honra concedido a ele. Diante da informação do blog de que o nome de Lula aparece no site oficial do clube como conselheiro vitalício a resposta foi a seguinte:

“Na nossa concepção o cargo foi concedido como uma distinção honorífica. O ex-presidente não participa das deliberações do clube, o Conselho Deliberativo é um órgão específico que inclui a possibilidade de participação dos conselheiros vitalícios do clube, um título que foi concedido ao ex-presidente sem que ele o tenha requerido. Lula é um torcedor do Corinthians, não um dirigente do clube. Entendemos que a postagem com Lula esquenta a sua história, costuma dar capa do UOL e muitos cliques, mas de fato é um mero factoide. É do jornalismo “manchetar” e da internet atrair cliques. Faz parte”.

Este blogueiro, então, respondeu discordar da opinião, já que existe um caso concreto sendo analisado pelo comitê de ética, há um estatuto que dita os deveres dos conselheiros e não é estabelecida diferença entre as obrigações de Lula e as dos demais vitalícios. Apesar de pessoalmente entender ser muito difícil o ex-presidente da República comparecer às reuniões de um clube, mais ainda durante o período em que era presidente, a avaliação é de que isso não anula a notícia.

O afastamento de Lula é um antigo pedido de pequena ala do conselho que defende a exclusão de todos os conselheiros que não comparecem às reuniões. Não se trata de uma queixa direcionada apenas ao ex-presidente.

Lula virou figura emblemática no clube desde que ajudou a convencer a Odebrecht a construir o estádio corintiano.


Veja o que quatro conselheiros do Corinthians têm a ver com a Lava Jato
Comentários Comente

Perrone

Entre os mais de 250 conselheiros do Corinthians, quatro têm alguma relação com a operação Lava Jato. A situação é reflexo da aproximação do clube com o PT, que começou ainda na administração Alberto Dualib. Claro que isso não significa suspeita de atos irregulares por parte do clube. Veja abaixo quem são os quatro conselheiros.

Lula – Alvo mais ilustre da Lava Jato, ele foi indicado para ser conselheiro vitalício quando ainda era presidente da República, em 2003. Na ocasião, o presidente do clube (Alberto Dualib) podia indicar quem ocuparia o cargo. Não havia votação como hoje. O petista foi importante para convencer a Odebrecht a construir o estádio corintiano, como ele mesmo chegou a admitir em discurso no Parque São Jorge. Mas, desde que foi nomeado, nunca compareceu a uma reunião do Conselho Deliberativo. A informação é confirmada por Guilherme Gonçalves Strenger atual presidente do órgão. Conselheiros vitalícios podem perder o cargo se faltarem a cinco sessões seguidas ou a dez alternadas sem apresentar justificativas. Strenger não soube dizer se todas as ausências de Lula foram justificadas.

Luiz Paulo Teixeira Ferreira – Deputado federal pelo PT, Paulo Teixeira acompanhou Lula como testemunha no depoimento do ex-presidente à Polícia Federal após condução coercitiva. Ele também aparece no processo como testemunha do ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto. Segundo o “Blog do Josias”, Teixeira precisou explicar ao juiz Sérgio Moro como um repasse de R$ 190 mil feito pela empreiteira Enegevix parou na contabilidade de sua campanha em 2014. Ele afirmou se tratar de um engano. Teixeira também se tornou um dos principais críticos da Lava Jato. Segundo colegas de conselho, ele costuma comparecer às reuniões do órgão no Corinthians, para o qual foi indicado com vitalício.

Vicente Cândido – Também, deputado federal pelo PT, ele foi eleito para um período de três anos como conselheiro em 2014, quando Mário Gobbi venceu a eleição para presidente. O político entrou na chapa principalmente pelo bom relacionamento com Andrés Sanchez e por seu trânsito em Brasília. Na ocasião, ele era relator da lei geral da Copa. Em 2014, a “Folha de S.Paulo” publicou que o nome dele aparecia em relatório da Lava Jato por causa de uma declaração do doleiro Alberto Youssef, um dos principais personagens do escândalo de corrupção. Ele teria afirmado que, a seu pedido, um executivo esteve com Cândido em São Bernardo em busca de recursos, mas não obteve êxito. Na ocasião, o deputado disse ao jornal ter conhecido o doleiro numa viagem para Cuba, mas afirmou não se lembrar de ter encontrado com um emissário dele. No clube, Vicente costuma participar das reuniões do Conselho. No final de 2015, ele foi destaque do site oficial do Corinthians por entregar uma camisa do time ao presidente do Banco Industrial e Comercial da China, apresentado na nota como o maior banco do mundo.

André Luiz Oliveira, o André Negão – Vice-presidente do Corinthians foi alvo de uma condução coercitiva para explicar à polícia porque seus endereço e telefone apareciam numa suposta planilha de pagamentos de propina da Odebrecht, que construiu o estádio corintiano,  sob a alcunha de Timão. O valor registrado era de R$ 500 mil. Ele acabou detido por algumas horas por ter em casa duas armas irregulares. André não tem ligação umbilical com o PT, mas atuou na linha de frente da campanha de Andrés Sanchez a deputado federal e hoje trabalha no gabinete dele em São Paulo. O dirigente nega ter recebido propina. Seu sonho é ser o primeiro presidente negro do Corinthians.

 


Filho de Lula e arena fazem direção corintiana ser pressionada
Comentários Comente

Perrone

Se o time vai bem, a diretoria não é contestada. Essa máxima do futebol não serve para o Corinthans atualmente. A equipe está invicta no Campeonato Paulista e tem 100% de aproveitamento em duas rodadas da Libertadores, depois de se sagrar campeã brasileira no ano passado. Mesmo assim, os cartolas enfrentarão protestos de sócios e torcedores, além de questionamentos de conselheiros na reunião do Conselho Deliberativo do próximo dia 7.

Eles devem dar de cara na entrada do clube com uma manifestação preparada por sócios e membros de torcidas organizadas que já divulgam manifestos com críticas aos cartolas e devem distribuir panfletos com as cobranças horas antes do encontro. Entre as exigências estão pedidos de explicação sobre a atuação de Luis Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula no Parque São Jorge. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, a empresa dele recebeu R$ 500 mil do clube, entre 2011 e 2013, sem prestar os serviços para os quais foi contratada pelo departamento de marketing.

O grupo também cobra a apresentação das contas da construção da Arena Corinthians, medidas para diminuir o poder de agentes nas categorias de base, esclarecimentos sobre o contrato com a Omni, que gerencia o programa de sócio-torcedor do clube e gera altos custos, e solução para o imbróglio entre a empresa SPR e os franqueados da rede de lojas oficiais do alvinegro, entre outras reivindicações.

Depois de enfrentarem barulho do lado de fora, os dirigentes também devem ser pressionados dentro da sala de reuniões. Conselheiros querem explicações sobre os recentes problemas no estádio alvinegro, que teve em janeiro dois buracos abertos por infiltrações e, no mês passado, cerca de dez lanchonetes afetadas pelo mesmo problema, além de um pedaço do teto da entrada do setor vip ter desabado.

Na oposição, há quem prometa também indagar o ex-presidente Andrés Sanchez sobre declaração dada por ele a respeito de a construção da arena ser investigada pela lava jato.

A pauta da reunião prevê explicações da diretoria sobre a arena, porém, a convocação não dá detalhes sobre o que será abordado.

Abaixo, leia manifesto feito por sócios e torcedores para cobrar a direção alvinegra.

IMG-20160302-WA0008


O que precisa ser esclarecido na relação entre filho de Lula e Corinthians?
Comentários Comente

Perrone

A contratação de Luis Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula para atuar no marketing do Corinthians, inundou o clube de dúvidas desde que a Folha de S. Paulo publicou que ele teria recebido R$ 500 mil entre 2011 e 2013 sem prestar serviços. Abaixo, veja os principais pontos que necessitam esclarecimento.

Quem pagou?

Conselheiros corintianos querem saber se foi o clube que efetuou os pagamentos para o filho do ex-presidente. Como a Polícia Federal investiga se a contratação de Luiz Claudio tem a ver com a construção da Arena Corinthians, membros do conselho alvinegro indagam se o dinheiro saiu do fundo que controla o estádio ou de alguma empresa ligada à obra. À Folha de S. Paulo, Andrés Sanchez disse que a contratação não tem ligação com a construção.

Qual foi o trabalho feito?

Como a reportagem da Folha de S. Paulo afirma que o filho de Lula recebeu sem trabalhar, conselheiros do clube querem provas do trabalho que foi realizado. E se realmente ele prestou serviços, como afirma Sanchez, por qual motivo pessoas que atuavam no departamento de marketing do Corinthians na ocasião disseram o contrário ao jornal?

Quanto o clube ganhou com o time de futebol americano?

A defesa de Luis Claudio lembra que o Corinthians participa desde 2011 do campeonato nacional de futebol americano organizado por uma empresa do filho do ex-presidente. Falta esclarecer, então, se incluir o time nessa competição foi o único trabalho da empresa e, se foi, quanto o Corinthians faturou com essa participação até agora? Rendeu mais do que os R$ 500 mil pagos a Luis Claudio?

Houve cotação de preços?

O estatuto do Corinthians determina que para todas contratações com valor igual ou superior a cinco salários mínimos, seja feita cotação pelo menos três orçamentos. Os documentos referentes à essa pesquisa de preços devem ficar guardados por cinco anos. Isso foi feito em relação ao contrato envolvendo a empresa do filho do ex-presidente? Se foi, ela tinha o melhor preço? Se não foi, o que justifica sua contratação e o desrespeito às regras do clube?

 


‘Só temos notícia de jornal’, diz cartola corintiano sobre filho de Lula
Comentários Comente

Perrone

Ao blog, o presidente do Conselho Deliberativo do Corinthians, Guilherme Gonçalves Strenger, disse não ter o que fazer neste momento em relação à acusação noticiada pela Folha de S.Paulo de que empresa de Luis Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, teria recebido cerca de R$ 500 mil do clube entre 2011 e 2013 sem prestar serviços.

O cartola afirmou que só vai agir se algum sócio ou conselheiro apresentar requerimento pedindo investigação interna, o que não havia acontecido até as 12h14 desta Quarta-Feira de Cinzas.

“Por enquanto, só temos uma notícia de jornal, não temos nenhum documento que justifique uma ação. Não posso me envolver em questões administrativas, já pensou se eu fosse verificar todas as contratações do clube?”, declarou Strenger.

Mesmo se um requerimento for apresentado, não é certeza de que uma investigação interna seja feita para saber se houve tal desperdício com o dinheiro do clube. “Se eu receber, vou examinar e decidir o que fazer, ver se é o caso de dar prosseguimento”, declarou.

Sócios do Corinthians se mobilizam para levar ao Conselho um pedido de explicações por parte de Andrés Sanchez, responsável pela contratação de Luis Claudio para atuar no marketing corintiano, e o início de uma investigação interna. À Folha, Sanchez negou irregularidades. A defesa do filho do ex-presidente também nega.

 


Diretor de futebol tem dever de cobrar apuração sobre filho de Lula
Comentários Comente

Perrone

Atual diretor de futebol do Corinthians, Eduardo Ferreira era conhecido como Edu dos Gaviões, por ser membro da organizada, quando começou a entrar na política corintiana.

Era uma das caras mais conhecidas do Movimento Fora Dualib. Infernizou conselheiros até em peladas no Parque São Jorge para cobrar deles que apurassem denúncias contra a administração Alberto Dualib e que punissem os responsáveis.

O movimento ganhou força no clube e na arquibancada. Dualib acabou deixando a presidência. Foi escorraçado do Corinthians.

De lá para cá, Edu conquistou a confiança de Andrés, foi fiel escudeiro de Roberto de Andrade na última eleição e ganhou o cargo de ajunto na diretoria de futebol (na prática é o diretor, já que oficialmente o posto principal está vago).

Estar na diretoria não impede, porém, que ele exerça seus deveres como conselheiro alvinegro. E, por seu histórico de  luta contra desvios na era Dualib, tem a obrigação de cobrar firmemente a apuração da denúncia publicada pela Folha de que Luis Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, um dos responsáveis por viabilizar o estádio corintiano, teria recebido cerca de R$ 500 mil do Corinthians sem prestar serviços entre 2011 e 2013.

Na opinião deste blogueiro, Edu tem que demonstrar que não tolera malfeitos no clube, seja qual for o sobrenome do suspeito. E, dessa vez, deve ser até mais fácil do que na era Dualib. Isso porque Andrés Sanchez, que levou o filho de Lula para o departamento de marketing do alvinegro, disse à Folha que tem documentos para mostrar a quem quer que seja.

Também não será difícil para Edu, se ele tiver interesse em esclarecer o caso, trabalhar por uma investigação no Conselho Deliberativo do Corinthians. Ele nem era conselheiro quando ajudou, e muito, o clube a investigar as suspeitas na era Dualib. Imagine agora o que pode fazer como membro do conselho e diretor.

 


Corinthians em alerta: executivo preso é amigo de Andrés e ajudou na arena
Comentários Comente

Perrone

 

A construção da Arena Corinthians passa por Alexandrino Alencar, executivo da Odebrecht preso nesta sexta na nova fase da Operação Lava Jato da Polícia Federal. Ele e Emílio Odebrecht ouviram de Lula, quando ainda era presidente, o pedido para erguer a arena corintiana. Quem conta a história é Andrés Sanchez, em seu livro “O mais louco do bando”, no qual ainda afirma ser amigão de Alexandrino.

A prisão do executivo deixou cartolas e conselheiros do clube em estado de alerta. As investigações feitas pela PF, que já eram acompanhadas de longe, agora ganharam atenção especial. Principalmente por parte de conselheiros da oposição, que reclamam que o estádio corintiano é uma caixa-preta.

Curiosamente, após muito tempo pedindo informações sobre a arena, os líderes da oposição alvinegra dizem que agora nada farão. Não podem obter mais dados do que a polícia federal irá conseguir, avaliam.

Então, é cruzar os braços e ver se as investigações atingem ou não o estádio. E, enquanto isso, ler ou reler a obra de Andrés. No livro, ele detalha o encontro que teve com Alexandrino para falar sobre o estádio pela primeira vez.

Andrés escreveu: “Com seu usual tom ameno, amistoso, Alexandrino contou de uma viagem que tinha feito a Brasília com Emílio Odebrecht, presidente do Conselho de Administração da empresa. Na reunião, a construtora tratava com o presidente Lula de assuntos do setor petroquímico. À saída, Lula, despedindo-se de Odebrecht e Alexandrino, mudou de assunto: bem que vocês podiam dar uma mão para esse garoto, presidente do Corinthians, fazendo o estádio, heim?”

O ex-presdiente corintiano, atualmente deputado federal pelo PT-SP e superintendente de futebol do clube, também explica na publicação que Alexandrino era seu “amigão do peito, quase parente”. Conta que se conheceram quando o executivo era diretor da empresa OPP, que depois deu origem a Braskem, “de quem a Sol (da família de Andrés) sempre foi uma das principais clientes” na compra de matréia-prima para embalagens.

Alexandrino foi preso numa operação que nada tem a ver com estádios. A PF investiga a existência de um cartel de construtoras, movido a propinas, que atuava na Petrobras.


Lula e PT agora são criticados no Corinthians
Comentários Comente

Perrone

As obras do Itaquerão

As obras do Itaquerão

[tagalbum id=”52583″]

Outrora, a relação de Andrés Sanchez com Lula e o PT era exaltada no Corinthians. A afinidade era vista como atalho para o alvinegro alcançar seus objetivos.  Principalmente em relação ao futuro estádio do clube, dando um olé no são-paulino Morumbi como palco da Copa do Mundo.

Hoje, porém, o cenário mudou. Cartolas e conselheiros corintianos se sentem abandonados por Lula. Reclamam, principalmente, que o mais célebre petista não ajudou o clube a acelerar o financiamento para as obras do estádio junto ao BNDES. Embora jamais Lula tenha afirmado publicamente existir o compromisso de colaborar com a operação, a queixa parte até do grupo de Andrés e é feita internamente.

Lula, conselheiro vitalício do Corinthians, também é cobrado por não ter aparecido no aniversário do clube no ano passado, nas instalações da arena. A ausência seria uma prova do distanciamento, apesar de ele alegar que não compareceu por ter outros compromissos.

Para os queixosos, Lula agiu pouco depois que o time conquistou o direito de fazer a abertura do Mundial em seu estádio e ainda deixou para o Corinthians a fama de equipe ajudada pelo Governo Federal. Só a fama, pois os dirigentes alegam que se existisse colaboração o financiamento teria saído mais facilmente.

Na questão do BNDES, Lula tem a seu favor a imagem do órgão de agir apenas tecnicamente  no que diz respeito à exigência de garantias, um dos pontos que atrapalharam o alvinegro.

É sabido também, que o ex-presidente petista chegou a se irritar por ver seu nome constantemente ligado a Andrés em reportagens sobre o estádio corintiano.

Os que agora malham a relação entre o ex-presidente do clube e Lula ficaram mais descontentes com a informação publicada nesta quinta pelo Blog do Rodrigo Mattos de que Andrés admite ser do clube a responsabilidade de bancar as estruturas complementares para o Itaquerão receber jogos da Copa. Ele afirmou que busca parceiros para levantar entre R$ 50 e R$ 60 milhões para essas obras.

Os descontentes alegam que quando a prefeitura estava nas mãos de aliados do PSDB, na gestão de Gilberto Kassab (primeiro no DEM, depois pelo PSD), o clube não cogitou pagar essa despesa. Mas que mudou de postura com o petista Fernando Haddad como prefeito. Andrés chegou a fazer campanha com Haddad em Itaquera e hoje é cotado para se candidatar a deputado federal pelo PT.

Lá atrás, quando começou essa brincadeira de estádio, o Corinthians, presidido por Andrés, sustentava que não colocaria a mão no bolso para garantir o Mundial em sua arena. Só interessava o que seria usado diariamente pelo clube.