Blog do Perrone

Arquivo : Rogério Ceni

Até aliados criticam Leco por declarações sobre Ceni
Comentários Comente

Perrone

Carlos Augusto de Barrros e Silva, o Leco, sofre críticas até de parte de seus aliados pelo ataque ao trabalho de Rogério Ceni como treinador em entrevista ao site “Chuteira FC”.

Sob a condição de não terem seus nomes publicados, três conselheiros alinhados com o presidente são-paulino criticaram a atitude dele. As queixas são principalmente duas. A primeira, sobre a decisão de dar a entrevista. O entendimento é de que o cartola deveria ter se recusado a falar com o site para não se expor no momento em que o time luta contra o rebaixamento e às vésperas do clássico com o Corinthians. O silêncio seria uma forma de evitar situações que pudessem respingar na equipe.

O segundo argumento é o de que, a partir da decisão de dar a entrevista, Leco deveria ter evitado falar sobre Rogério. Seu posicionamento deveria ter sido de comentar o presente e o futuro. Esquecer o passado seria uma estratégia para não reabrir feridas. Depois da publicação das declarações do presidente, Ceni escreveu em sua conta no Facebook: “não se deixe enganar pelos cabelos brancos, pois os canalhas também envelhecem”.

Os críticos de Leco também afirmam que o presidente não deveria atacar um dos maiores ídolos do São Paulo. Quem defende o dirigente diz que ele separa o goleiro do treinador na hora de fazer suas críticas e que algumas pessoas no Morumbi não entendem essa diferenciação.

Já a oposição soma as afirmações sobre Rogério ao episódio em que o conselheiro Pedro Mauad acusa Leco de agressão depois do empate com o Corinthians.

Procurado por meio da assessoria de imprensa do São Paulo, Leco não comentou as críticas até a publicação deste post.

 


Opinião: Leco dá ‘tiro no pé’ ao detonar Ceni
Comentários Comente

Perrone

Na opinião deste blogueiro, soaram como ataque gratuito e tentativa atrapalhada de se desvincular da péssima campanha do São Paulo no Brasileirão as críticas feitas por Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, a Rogério em entrevista ao site “Chuteira FC”.

O presidente são-paulino diz que incialmente tinha dúvidas se o ex-goleiro estava pronto para ser treinador, mas que foram tantas e tão forte as colocações dele de que estava pronto que o dirigentes se convenceu. Então, no esquema de profissionalismo pregado pelo novo estatuto tricolor basta que um candidato a uma vaga se diga apto para a direção concordar? É assim que funciona numa grande empresa? Não faltou poder de análise à diretoria?

Leco diz também que fez o que ninguém evitaria fazer: trazer Rogério para treinar a equipe. Ou seja, dá a entender que administrou tomando o pulso da torcida, adotando uma medida popular. Foi assim também quando ele trouxe Lugano para ser reserva de luxo e ainda renovou seu contrato. É chover no molhado dizer que um presidente de clube não pode contratar com a cabeça de torcedor.

Ao tentar explicar os motivos que fizeram a passagem de Ceni como treinador são-paulino ser tão curta, o presidente avaliou que “ele não se adaptou à dinâmica da nova situação. Como jogador ele era o Mito, uma figura grande, com muitas conquistas. Mas era uma situação muito diferente da de pegar um grupo e formar um time”. Ué, mas se leco sabia que era seria uma situação muito diferente da que Rogério estava acostumado, porque teve tanta convicção de que o ex-goleiro seria a melhor opção a ponto de dar a vaga para ele? Não parece incoerente?

A agressão gratuita aconteceu quando o presidente disse que “foi com ele que fomos par a zona de rebaixamento. E como é duro de sair”. Ao apontar o dedo para Ceni, Leco sugere que não cometeu erros que ajudaram o time a encalhar na zona de degola. Impossível tirar o cartola dessa, primeiro porque foi ele quem contratou o ex-goleiro. E as seguidas vendas de jogadores autorizadas pelo presidente? Não prejudicaram a equipe? Não podem ter a ver com o desempenho pífio?

A minha leitura é de que Leco não percebeu que falar mal de Ceni depõe contra o próprio dirigente. É um tiro no pé. Além de ser desnecessário aumentar a ira de um ídolo do clube e que certamente não perdeu seus milhões de fãs por causa da experiência amarga.

 


Opinião: São Paulo insiste na arriscada estratégia de agradar à torcida
Comentários Comente

Perrone

A reunião entre torcedores e jogadores do São Paulo na última semana indica que a diretoria tricolor não aprendeu com erros cometidos na tentativa de agradar aos fãs do clube.

Geralmente, atletas não gostam de ter que dar explicações aos torcedores. E costumam se sentir ainda mais incomodados quando são tiradas satisfações dentro do local de trabalho e com anuência da direção.

Além do natural risco de gerar descontentamento, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, deixou membros do Conselho de Administração são-paulino contrariados com o que acreditam ser exposição desnecessária dos jogadores perante a torcida.

O episódio é a repetição da estratégia de tomar medidas simpáticas à torcida adotada outras vezes por Leco sem sucesso.

Foi assim, por exemplo, na decisão de contratar Lugano, claramente sem condições de ser titular, na tentativa de reconquistar o apoio dos torcedores para o time, além da aposta na liderança do zagueiro. Essa era a teoria, mas na prática o São Paulo ficou com um reserva de luxo enquanto não consegue arrumar sua zaga desde o início do ano. E o contrato do uruguaio ainda foi renovado, apesar de ele ser pouco aproveitado.

A contratação de Rogério Ceni, realizada em período de campanha eleitoral (Leco nega cunho político), também foi extremamente popular entre os torcedores. Porém, com a demissão do ex-goleiro em apenas cerca de seis meses, a escolha se revelou uma ação sem sólido planejamento. A impressão que fica, é que na oportunidade a diretoria fechou os olhos para os riscos da decisão de dar sua prancheta para um estreante. Assim como tampou os ouvidos para alertas dos membros do Conselho de Administração sobre a possibilidade de efeitos colaterais provocados pelo encontro entre atletas e torcedores.

Se jogadores podem ter ficado constrangidos com a cobrança feita especialmente por membros de torcidas organizadas, o mesmo pode acontecer com Dorival Júnior se for colocada em prática a ideia de Muricy Ramalho prestar consultoria técnica informal.

O atual treinador diz concordar com a medida, mas não é estranho o fato de a diretoria ter dito que Dorival considerava desnecessária a ajuda externa de um profissional do ramo? Muricy foi convidado mediante forte pressão de torcedores, sócios e conselheiros que entregaram para Leco um abaixo-assinado pedindo a contratação do ex-treinador como coordenador. Mais uma vez fica no ar o cheiro de que a direção continua confiando no populismo como forma de administrar o clube.

Esse estilo pode conduzir Leco a dois tipos de situação. Na primeira, se a equipe se salvar, do rebaixamento, torcedores, sócios e conselheiros irão dizer que a direção só não rebaixou a equipe porque eles interferiram. Até aí, tudo bem, pois não é vergonha contar com ajuda para fazer o melhor pelo clube.

No segundo caminho, o presidente afundaria com a torcida para a Série B. Daí poderá dizer que não errou sozinho e que fez o que os torcedores pediam, o que de nada adiantará.

O problema, na opinião deste blogueiro, é que já há casos concretos em que o a decisão de atender ao anseio popular atropelou o bom senso gerando resultados amargos para o tricolor. Ou seja, a diretoria repte uma estratégia que não tem dado certo. E, no momento em que o novo estatuto prega o profissionalismo, a influência de quem não é pago para tomar decisões, só aumenta.


Para parte da direção do SPFC Dorival é mais hábil com atletas do que Ceni
Comentários Comente

Perrone

Com José Eduardo Martins, do UOL, em São Paulo

Para pelo menos parte da diretoria do São Paulo Dorival Júnior tem mostrado mais habilidade na relação com os jogadores do que Rogério Ceni.

Quem pensa assim acredita que o atual treinador caminha para conquistar a confiança do elenco de maneira que seu antecessor não conseguiu.

Este blogueiro ouviu de membro da diretoria que Ceni “se derrubou”, principalmente, por falhar no trato com os atletas. Ele não teria conseguido fazer os jogadores acreditarem em seu esquema tático e nem correrem por ele por falta de empatia.

A análise sobre o trabalho do ex-treinador passa pela maneira dura como ele tratava os atletas em algumas ocasiões. Há exemplos como o dia em que Ceni deu bronca nos jogadores e chutou um quadro usado para passar informações no vestiário no intervalo da derrota por 2 a 0 para o Corinthians na seminfinal do Paulista. Parte do objeto caiu em cima de Cícero.

Porém, a diferença entre o técnico anterior e o atual é mais ilustrada por integrante da diretoria com Cueva. O relato é de que internamente Ceni mais cobrava do que apoiava o peruano. O jogador chegou a demonstrar insatisfação ao ser substituído na vitória por 2 a 0 sobre o Avaí no Morumbi.

Já Dorival é descrito como capaz de equilibrar apoio e cobranças ao peruano. Um exemplo citado é de que logo de cara ele afirmou para Cueva que o atleta seria o seu “camisa 10”, o cara, mas que para isso precisaria diminuir seu percentual de gordura.

Outro caso que pontua a diferença na relação dos dois treinadores com os jogadores está relacionada aos parentes dos atletas. Ceni não demonstrava simpatia com a visita de familiares de seus comandados ao centro de treinamento. Cícero, por exemplo, desagradou ao ex-goleiro quando levou seu filho ao local de trabalho. Com Ceni no comando, as visitas de parentes rarearam. Desde a chegada de Dorival, no entanto, elas voltaram a acontecer.

O entendimento de parte da  direção é de que o atual treinador ainda precisa de mais tempo para construir um relacionamento forte com o elenco, mas que já superou o antecessor em termos de cativar os comandados e usar isso para aumentar a entrega deles durante as partidas.

Na última reunião do Conselho Deliberativo tricolor, Vinícius Pinotti, diretor executivo de futebol, afirmou que faltou inteligência emocional para Rogério em sua passagem pelo clube como técnico.


Conselho de Administração do SPFC adota medida por transparência
Comentários Comente

Perrone

Na avaliação de membros do Conselho de Administração (CA) do São Paulo falta ao clube ser transparente em relação às decisões do órgão. Seus membros assinaram termo de confidencialidade se comprometendo a não comentar sobre o que é decidido pelo grupo.

A insatisfação deu origem à reivindicação de que o clube se manifeste oficialmente sobre os principais temas debatidos pelo CA. Assim, ficou decidido no encontro da última quinta-feira que serão publicados no site oficial tricolor resumos sobre cada reunião. O primeiro material pode ser divulgado já nesta segunda.

A medida, no entanto, não revoga a cláusula de confidencialidade. Os conselheiros mantém o compromisso de não revelarem detalhes das sessões.

Além do pedido por mais transparência, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, ouviu na reunião de quinta solicitação de explicação sobre os motivos que o levaram a aceitar o pagamento de multa rescisória de R$ 5 milhões para Rogério Ceni, técnico estreante.

O presidente deu justificativa semelhante à que já tinha dado em entrevista, afirmando que o ex-goleiro tinha medo de o opositor José Eduardo Mesquita Pimenta vencer a eleição e optar por sua demissão. Por isso pediu a previsão de multa como forma de se proteger.


Aliados criticam Leco por multa paga a Ceni e escolha de executivos
Comentários Comente

Perrone

Com José Eduardo Martins, do UOL em São Paulo

A multa de R$ 5 milhões paga para rescindir o contrato do técnico Rogério Ceni e a nomeação de conselheiros e associado para ocupar cargos na diretoria executiva (remunerados) fazem o presidente do São Paulo ser criticado até por importantes aliados. Os descontentes admitem a insatisfação com as medidas, porém negam ter rompido com Carlos Augusto de Barros e Silva.

A situação aumenta a pressão política sobre Leco no momento em que o presidente tem como foco afastar o time da zona de rebaixamento do Brasileiro.

Os descontentes não se manifestaram publicamente e pelo menos parte deles fez suas críticas diretamente para o presidente. O cartola ouviu que ao escolher membros do conselho para a direção executiva o dirigente não seguiu o espírito do novo estatuto que é de nomear profissionais experientes e não vinculados ao ambiente político tricolor. A medida visa aumentar a eficiência administrativa e diminuir a influência política na gestão são-paulina.

Leco escutou ainda que deveria ter contratado uma empresa especializada em buscar executivos no mercado para preencher os cargos. O blog apurou que um dos argumentos usados pelo presidente para rebater os críticos é de que não encontraria no mercado executivos dispostos a aceitar os mesmo salários pagos a conselheiros.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Leco respondeu que todos os diretores executivos foram referendados pelo Conselho de Administração do São Paulo.

Os conselheiros nomeados são Rodrigo Gaspar, diretor executivo administrativo, Elias Barquete Albarello, diretor executivo financeiro, e Eduardo Rebouças, diretor executivo de infraestrutura. Vinícius Pinotti, que comanda o futebol, não é membro do conselho, mas foi um importante colaborador da campanha de Leco enquanto atuava no marketing do clube.

Rogério

A multa paga a Ceni gera descontentamento até entre gente da atual diretoria, que discorda da decisão de Leco e dos antigos responsáveis pelo departamento de futebol.  Cobrado por conselheiros, Pinotti tem explicado que ele não participou da confecção do contrato do treinador, pois ainda não estava no cargo. Participaram da negociação, Marco Aurélio Cunha (sem negociar valores), José Jacobson Neto e José Alexandre Médicis, além de Leco.

A queixa central é de que o São Paulo não tinha o costume de colocar multas rescisórias nos acordos com treinadores e que foi imprudência aceitar uma quantia alta para um técnico iniciante.

O blog apurou que a antiga diretoria chegou a contestar o valor sugerido por Rogério, mas no final aceitou. Considerou o pedido de multa um instrumento normal exigido pelos treinadores diante da instabilidade normal na profissão. Os dirigentes acreditavam que o clube estava protegido com os critérios de desempenho. Porém, a multa só poderia deixar de ser paga por baixo rendimento no final da temporada. Havia na diretoria quem acreditasse que Rogério poderia decolar e atrair o interesse de clubes estrangeiros. O técnico arcaria com a multa se pedisse demissão.

Também por meio da assessoria de imprensa, Leco afirmou que esse assunto será tratado internamente.

Nesta quinta, ele deverá ser indagado por membros do Conselho de Administração sobre a decisão de aceitar a inclusão da multa rescisória no contrato de Ceni. Uma reunião extraordinária do Conselho Deliberativo, pedida principalmente por membros da oposição, também terá pedido de explicações sobre esse tema e a respeito dos critérios usados para a indicação de diretores executivos.


SPFC luta contra queda em meio a fim de plano que reduz força de técnico
Comentários Comente

Perrone

No final de maio do ano passado, com o time nas semifinais da Libertadores, Gustavo Vieira de Oliveira, então diretor executivo do São Paulo, celebrava o início de um projeto a longo prazo para o clube. O plano previa o fortalecimento da comissão técnica fixa tricolor, a efetivação de um modo de jogar que seria aplicado também nas categorias de base e a diminuição do poder do treinador. Entre outros benefícios para a agremiação, ele previa que as trocas de treinadores seriam menos traumáticas. Sairia o comandante, ficaria a maioria da comissão, e o novo trabalho não começaria do zero.

Hoje, pouco mais de um ano depois, vítima da combinação entre política conturbada e maus resultados em campo, o sistema idealizado pelo filho do ex-jogador Sócrates está aniquilado.

Em meio a uma de suas maiores crises técnicas e da luta contra o rebaixamento no Brasileiro, o São Paulo enfrenta praticamente tudo que o plano do ex-dirigente queria evitar: instabilidade técnica e tática, mudanças radicais na comissão técnica e  treinadores com amplos poderes.

Em setembro do ano passado, golpeado pela eliminação na Libertadores e por uma forte pressão política contra seu mentor, o projeto de Gustavo começou a virar pó com a saída dele. O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que havia abençoado o planejamento do executivo, não resistiu às cobranças de conselheiros e diretores, trocando o ex-dirigente por Marco Aurélio Cunha.

Seguidas mudanças na direção de futebol e no comando técnico também ocorreram. Depois da saída (contra a vontade da diretoria) de Edgardo Bauza, que simbolizava o projeto de diminuição do poder de treinadores no Morumbi, passaram pelo comando técnico Ricardo Gomes e Rogério Ceni antes da chegada do atual treinador, Dorival Júnior, sem contar os interinos.

Foram diversas as transformações de filosofia de jogo enfrentadas pela equipe, ao contrário do que previa o projeto de Gustavo.

Com a chegada de Rogério para a temporada de 2017, foi abandonada a ideia do treinador com poderes limitados. Ele trouxe dois auxiliares estrangeiros e filosofias próprias para implantar no clube.

Ceni não aguentou aos seguidos fracassos do time. Viu um de seus assistentes pedir as contas dias antes dele ser demitido.

Em seguida, veio o golpe fatal no sistema de estabilidade idealizado anteriormente. A comissão técnica fixa, antes vista como fundamental, foi parcialmente destruída. Acabaram demitidos o preparador físico José Mário Campeiz e o treinador de goleiros Haroldo Lamounier, alvos de pressão de conselheiros.

O auxiliar técnico permanente, Pintado, também não resistiu e foi convidado para atuar na integração entre as categorias de base e o time principal. Ele era fundamental no antigo projeto para diminuir o poder dos treinadores. Cabia a ele dialogar com os técnicos e trabalhar pela filosofia do clube.

Dorival chegou com um auxiliar, um analista de desempenho, um preparador físico e ainda indicou um preparador de goleiros. Ou seja, a ideia de as trocas no comando provocarem menos traumas no clube e não representarem o recomeço do zero também foi sepultada.

A atual diretoria, comandada pelo mesmo presidente que avalizou as ideias de Gustavo e com Vinícius Pinotti como executivo, nega interferência política nas trocas realizadas. Internamente, são feitas críticas à decisões do passado, da época em que o filho de Sócrates estava no comando e que estariam sendo corrigidas agora.


Pagamento de multa a Rogério faz Leco ser cobrado internamente
Comentários Comente

Perrone

Com José Eduardo Martins, do UOL, em São Paulo

O fato de o São Paulo ter que pagar multa de R$ 5 milhões a Rogério Ceni por sua demissão gerou descontentamento em pelo menos três áreas no São Paulo. Os insatisfeitos estão na diretoria, no Conselho de Administração e no Conselho Deliberativo. No último caso, especialmente entre os opositores.

Na atual direção, há quem acredite que foi um erro da antiga diretoria de futebol e do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva concordar com o pagamento de multa. Mas, nesse caso, não há barulho.

Já parte dos integrantes do conselho de administração mostra mais incômodo. A ala insatisfeita quer que Leco explique os motivos que levaram o clube a aceitar a inclusão da multa e pretende sugerir ao presidente que ele defina um padrão para os próximos contratos de treinador. Não é usual o clube estipular multas contratuais para seus técnicos. Os antecessores de Ceni demitidos receberam indenizações de um mês de salário. O sucessor dele, Dorival Júnior, tem previsão de multa equivalente a dois meses de pagamentos.

Os pedidos de explicação e a sugestão sobre a definição de um padrão deverão acontecer na próxima reunião do Conselho de Administração.

No órgão, também há quem queira informações sobre o afastamento de Pintado da comissão técnica da equipe principal. Existem membros que consideram que o Conselho de Administração não pode ser surpreendido com decisões importantes. A tese é de que eles só podem colaborar com o presidente se emitirem suas opiniões antes de tais medidas serem adotadas. Porém, os mais próximos a Leco discordam. Afirmam que se atos referentes ao departamento de futebol forem alvos de discussões, haverá lentidão nas ações. O clube poderia ser prejudicado.

Já no Conselho Deliberativo, o opositor Newton Luiz Ferreira, o Newton do Chapéu, e seus colegas tentam colher 50 assinaturas para que seja marcada uma reunião extraordinária do órgão. Entre outros temas, seriam cobradas explicações sobre os motivos que levaram o clube a concordar a incluir multa rescisória no contrato do ex-goleiro. Também seria pedido um balanço financeiro sobre as recentes vendas e contratações de jogadores. A medida é vista pela situação como meramente política.

O blog telefonou para o presidente são-paulino, mas ele não atendeu à ligação.

 


Cinco desafios de Dorival Júnior para evitar a queda do São Paulo
Comentários Comente

Perrone

Dorival Júnior assume hoje o comando do São Paulo com a missão de evitar o rebaixamento do clube, penúltimo colocado no Campeonato Brasileiro. Abaixo, veja os cinco principais desafios do treinador para obter sucesso na missão.

1 – Acabar com falhas infantis na defesa

Desde o início da temporada, Rogério Ceni tentou sem sucesso acabar com bobas falhas individuais no sistema defensivo são-paulino que prejudicaram o time em diversas partidas. Não conseguiu. A bomba agora está no colo de Dorival.

 

2 – Aumentar o poder de fogo do ataque

Em 12 rodadas, o São Paulo marcou 12 gols. Apenas quatro times têm um desempenho ofensivo pior: Atlético-GO (9), Avaí (7),  Coritiba (11), que joga nesta segunda com o Sport, e Vitória (11).

3 –  Acabar com falta de comprometimento

A diretoria tricolor não cita nomes, mas acredita que existem jogadores descompromissados com o clube e que estão prejudicando o time. Os cartolas preferem citar os que são exemplos de comprometimento: Lucas Pratto, Rodrigo Caio e Jucilei.

4 –  Melhorar a preparação física

Também na visão da direção, há jogadores em má forma física. Pelo menos desde maio havia pressão de conselheiros e dirigentes pela demissão do preparador físico José Mário Campeiz, que aconteceu agora. Dorival trouxe seu preparador físico de confiança, Celso Resende.

5 – Acelerar o entrosamento do time reformulado

Na derrota contra o Santos, o São Paulo mostrou sentir a falta de entrosamento entre novos jogadores com o restante da equipe. Acelerar adaptação de Jonatan Gomez, Petros e Arboleda e a formação de um padrão do jogo estão entre as missões mais importantes de Dorival.

 

 


Dorival combina com SPFC que foge da queda, não com o que briga por títulos
Comentários Comente

Perrone

O currículo de Dorival Júnior tem tudo a ver com o momento vivido pelo São Paulo. O treinador tem se especializado em assumir times que têm como maior ambição no momento se afastar da zona de rebaixamento. E é esse o principal desejo são-paulino atualmente.

Porém, a especialidade do substituto de Rogério Ceni não combina com a maior parte da trajetória tricolor, recheada de títulos importantes ou pelo menos do status de quem sempre quer ser o primeiro. É verdade que não é isso que tem acontecido nos últimos anos. Como é verdade que Dorival foi vice-campeão brasileiro com o Santos em 2016.

Ao escolher Dorival, o São Paulo ataca o presente, sem pensar num futuro condizente com seu passado vitorioso. Decisão compreensível diante do fato de a equipe estar na zona de rebaixamento do Brasileirão.

Mas é difícil imaginar que Dorival tenha vida longa no Morumbi, apesar de seu contrato ir até o final de 2018. Caso cumpra a missão de salvar o time do rebaixamento, não será surpresa se a diretoria chegar à mesma conclusão que o Palmeiras chegou em 2014. No final daquele ano, o alviverde demitiu Dorival logo após o técnico evitar a queda da equipe para a Série B. A decisão deixou claro que ele não era considerado o comandante ideal para projetos mais ambiciosos.

Nesse cenário, o desafio do novo técnico são-paulino não é só manter a agremiação na elite do Brasileiro. Mas convencer seus patrões de que pode levar o clube a grandes conquistas.