PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

'Militarização' do Ministério da Saúde preocupa técnicos da pasta

Perrone

08/06/2020 11h52

ESPECIAL NOVO CORONVÍRUS

A nomeação de militares para postos no Ministério da Saúde causa desconforto e preocupação em pelo menos parte dos técnicos da pasta, conforme apurou o blog.

Segundo reportagem da "Folha de S. Paulo", foram pelo menos 21 cargos entregues a militares na Saúde, comandada interinamente pelo general Eduardo Pazuello.

A principal crítica de integrantes da área técnica é de que muitos dos escolhidos nāo têm experiência ou especialização no setor da saúde.

O retrato pintado pelos críticos é de que agora há muita gente que não entende como funciona o ministério. Isso prejudicaria decisões técnicas podendo afetar a saúde da população.

Um caso emblemático é a polêmica causada na semana passada por nota técnica referente a saúde da mulher. O documento alertava para a necessidade de serviços de planejamento familiar, como entrega de contraceptivos,  e locais para realização de aborto legal funcionarem durante a pandemia.

O presidente Jair Bolsonaro disse ter entendido a nota como incentivo ao aborto. Dois servidores que assinaram o material foram exonerados.

A leitura da ala técnica é de que não houve a interpretação correta da nota, numa demostração de que falta conhecimento em saúde a determinados ocupantes de cargos de comando.

Estudos internacionais que mostram o aumento da  violência contra a mulher durante a pandemia de covid-19 basearam a decisão de técnicos em emitir a nota. Eles viram o risco de aumento de estupros na quarentena e verificaram o fechamento temporário de locais que fazem o aborto legal e também de postos que fornecem contraceptivos.

Outra queixa é que o trâmite de medidas técnicas importantes para a saúde da população estaria mais lento nas mãos dos militares.

Antes mesmo de o ministério mudar a divulgação dos números referentes à pandemia no Brasil, também havia profissionais descontentes com o modo com que a pasta passou a se comunicar na gestão interina de Pazuello.

O discurso  é de que as informações eram mais claras e diretas nos tempos de Luiz Henrique Mandetta no comando da pasta. O ex-ministro é descrito como alguém que aproveitava as entrevistas coletivas para divulgar medidas de prevenção contra o novo coronavírus, o que não estaria mais acontecendo.

Sob a batuta do general, o ministério tem focado sua comunicação nos investimentos feitos pela pasta no combate à pandemia e na quantidade de pacientes recuperados.

Na manhã desta segunda (8), por exemplo, o maior destaque no site do Ministério era para matéria que aponta investimento federal de R$ 1,1 bilhão para custear leitos de UTI para pacientes com covid-19.

O trabalho de Pazuello tem sido bem avaliado por Jair Bolsonaro, que elogia sua habilidade como gestor e chegou a dizer que o Brasil conseguiu realizar  a Olimpíada do Rio graças a ele. O presidente também afirmou em conversa com profissionais de limpeza urbana, em maio,  que o general terá uma boa equipe de médicos para lhe dar suporte.

Sobre o Autor

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

Sobre o Blog

Prioriza a informação que está longe do alcance das câmeras e microfones. Busca antecipar discussões e decisões tomadas por dirigentes, empresários, jogadores e políticos envolvidos com o futebol brasileiro.

Blog do Perrone