Blog do Perrone

Arquivo : rebaixamento

Cinco casos em que o São Paulo repete grandes rebaixados
Comentários Comente

Perrone

1 – Ídolo no comando

Em julho de 2016, o Internacional apostou em Falcão, um dos maiores ídolos de sua história, como treinador. Menos de um mês depois, ele foi demitido por causa dos maus resultados. No fim do ano, os gaúchos foram rebaixados para a Série B. Em 2017, o São Paulo montou seu planejamento com Rogério Ceni estreando na função de técnico. No início de julho, ele foi despedido por conta do risco de rebaixamento. Porém, com Dorival Júnior, a equipe segue ameaçada e ocupa a penúltima posição do Brasileiro.

2 – Crise política e caso policial

A queda do Corinthians para a Série B em 2007 foi precedida por um dos períodos mais turbulentos nos bastidores do clube. Acuado por denúncias, como a acusação de uso de notas fiscais frias em sua gestão, Alberto Dualib renunciou ao cargo em setembro. O rebaixamento aconteceria em dezembro. O São Paulo enfrentou a renuncia de um presidente (Carlos Miguel Aidar) em 2015, após denúncias de irregularidades. A saída do dirigente não significou calmaria. No mês passado, por exemplo, a pedido da diretoria, o DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) abriu inquérito para apurar a suposta comercialização irregular de ingressos e camarotes para shows do U2 e de Bruno Mars no Morumbi. As suspeitas culminaram com a demissão por justa causa do gerente de marketing Alan Cimerman, que nega as acusações.

3 – Estrangeiros na berlinda

Esperança da torcida do Palmeiras, Valdivia foi um dos jogadores mais cornetados na campanha do rebaixamento para a Série B em 2012. Lesões, seu comportamento fora de campo e a acusação de falta de comprometimento compuseram o cenário que fez o chileno ser detonado nas arquibancadas e por cartolas. Hoje, a crise são-paulina tem o peruano Cueva como um dos personagens. Ele também é acusado por dirigentes e parte dos companheiros de não estar comprometido como deveria com a equipe e tem seu preparo físico questionado.

4 – Desentendimentos entre atletas

Enquanto tentava evitar o rebaixamento em 2012, o palmeiras sofria internamente com o confronto entre Marcos Assunção e Valdivia. Em 2015, durante entrevista ao “Diário de S.Paulo”, assunção disse que chegou a dar um soco no chileno após uma discussão, além de fazer uma série de críticas ao ex-companheiro, rebatendo afirmações dele dadas ao “Estado de S.Paulo”. Nos último dias, o São Paulo viveu turbulência por conta de troca de farpas entre Rodrigo Caio e Cueva, que nesta segunda pediu publicamente desculpas ao zagueiro.

5 – Time grande não cai

“O Inter não vai cair”, disse Fernando Carvalho, então vice de futebol do colorado em setembro de 2016. No final do ano, seu clube caiu para a segunda divisão nacional. “Venho afirmar mais uma vez e garantir: não tem hipótese de rebaixamento do Vasco”, declarou Eurico Miranda em julho de 2015. A temporada terminou com a agremiação presidida por ele de volta à Série B. Na última segunda, foi a vez de Cueva decretar: “o São Paulo é grande, não vai cair.”

 

 


Cinco desafios de Dorival Júnior para evitar a queda do São Paulo
Comentários Comente

Perrone

Dorival Júnior assume hoje o comando do São Paulo com a missão de evitar o rebaixamento do clube, penúltimo colocado no Campeonato Brasileiro. Abaixo, veja os cinco principais desafios do treinador para obter sucesso na missão.

1 – Acabar com falhas infantis na defesa

Desde o início da temporada, Rogério Ceni tentou sem sucesso acabar com bobas falhas individuais no sistema defensivo são-paulino que prejudicaram o time em diversas partidas. Não conseguiu. A bomba agora está no colo de Dorival.

 

2 – Aumentar o poder de fogo do ataque

Em 12 rodadas, o São Paulo marcou 12 gols. Apenas quatro times têm um desempenho ofensivo pior: Atlético-GO (9), Avaí (7),  Coritiba (11), que joga nesta segunda com o Sport, e Vitória (11).

3 –  Acabar com falta de comprometimento

A diretoria tricolor não cita nomes, mas acredita que existem jogadores descompromissados com o clube e que estão prejudicando o time. Os cartolas preferem citar os que são exemplos de comprometimento: Lucas Pratto, Rodrigo Caio e Jucilei.

4 –  Melhorar a preparação física

Também na visão da direção, há jogadores em má forma física. Pelo menos desde maio havia pressão de conselheiros e dirigentes pela demissão do preparador físico José Mário Campeiz, que aconteceu agora. Dorival trouxe seu preparador físico de confiança, Celso Resende.

5 – Acelerar o entrosamento do time reformulado

Na derrota contra o Santos, o São Paulo mostrou sentir a falta de entrosamento entre novos jogadores com o restante da equipe. Acelerar adaptação de Jonatan Gomez, Petros e Arboleda e a formação de um padrão do jogo estão entre as missões mais importantes de Dorival.

 

 


Dupla palmeirense do Vitória pode derrubar ou salvar o Palmeiras
Comentários Comente

Perrone

Numa conversa com o zagueiro Kadu, Ayrton, lateral do Vitória-BA, disse que fará o gol da permanência do clube baiano na Série A do Brasileirão, segundo o site Gazetaesportiva.net. Caso a premonição se concretize, Ayrton poderá assegurar sua presença na Série B do Nacional, apesar de salvar o time baiano. Isso porque ele é jogador do Palmeiras e está emprestado ao clube de Salvador até o fim do ano.

O atacante Vinícius, que deve substituir Dinei, suspenso pelo terceiro amarelo, vive a mesma situação. De seus pés pode sair o gol que salve o Vitória e que derrube o alviverde, clube que também o emprestou até o final da atual temporada. Ao mesmo tempo, um eventual fracasso da dupla pode ajudar o clube que detém seus direitos econômicos a escapar da degola. Já pensou se um deles dá o azar de perder ‘gol feito’ contra o Santos? Eles podem encarar a tristeza de cair para a Série B, mas disputar a Série A pelo Palmeiras, em 2015.

A relação de palmeirenses que podem decidir o futuro dos dois times envolvidos na luta contra o rebaixamento só não é maior porque o zagueiro Luiz Gustavo está contundido. Seu empréstimo também termina no final do ano.

Apesar da situação de conflito, a direção do Vitória não se diz preocupada com o estado emocional de sua dupla palmeirense.

“Não temos nenhuma preocupação porque eles estão identificados como o Vitória. Além disso, é uma situação normal no futebol o jogador ser de um clube e jogar por um concorrente”, disse ao blog Carlos Falcão, presidente do Vitória. De acordo com o cartola, o time baiano paga integralmente os salários da trinca palestrina.

Ele também afirmou que quer manter em sua equipe o trio que veio do alviverde. “Mas na situação em que estamos com o Palmeiras no campeonato não poderíamos conversar com a diretoria deles agora sobre isso. Vamos falar depois do Brasileiro”, declarou o dirigente.

Além de derrotar o Santos em Salvador, a equipe baiana precisa torcer para o Palmeiras não bater o Atlético-PR em São Paulo.


Atlético-PR vai ajudar o Palmeiras? Baianos criticam tabela do Brasileiro
Comentários Comente

Perrone

Você acredita que a direção do Atlético-PR tenha orientado Claudinei Oliveira a escalar reservas contra o Palmeiras para prejudicar o Vitória-BA, clube com o qual tem uma pendência na Justiça? Cartolas baianos têm certeza de que isso vai acontecer, depois de ouvirem o treinador do time curitibano afirmar que pode dar férias a alguns titulares antes do jogo de domingo. Estão indignados por conta disso.

Mesmo assim, preferem esperar o desenrolar da última rodada do Brasileirão para escancarar a revolta. Se tiverem brecha para reclamar do desempenho atleticano, prometem reagir de forma dura. Caso o Palmeiras vença, Bahia e Vitória serão rebaixados, por isso o incômodo com o Atlético-PR, que desistiu de receber ingressos para sua torcida alegando preocupação com a segurança.

“Poupar jogadores é um direito do técnico do Atlético-PR. O correto seria a última rodada ter os clássicos, como acontecia antes. Não seria muito mais saudável se tivéssemos um Bavi, um Atletiba e um Palmeiras x Santos”, disse ao blog Carlos Falcão, presidente do Vitória.

“Mas não estou preocupado com a escalação do Atlético-PR. O treinador deles é um homem de mercado, os jogadores também sabem que amanhã podem estar em outro clube. Não acredito que vão manchar suas carreiras facilitando para o Palmeiras. Não vou opinar sobre a diretoria do Alético-PR. Mas, às vezes, o presidente [Mário Celso Petraglia] pode querer prejudicar o Vitória, e seu time surpreender o Brasil ganhando o jogo”, completou o dirigente do clube de Salvador.

No entanto, Falcão afirma que tomará as medidas necessárias, dependendo do que acontecer no jogo.

Ednaldo Rodrigues presidente da Federação Baiana também evita bater de frente com a direção do Atlético-PR, mas não esconde sua preocupação: “Ainda confiamos nas pessoas que administram os clubes porque a partir do momento em que o resultado passar a ser decidido por uma questão pessoal, pela vaidade de um dirigente, o futebol brasileiro vai ficar ainda mais desacreditado”, declarou o cartola.

Rodrigues é um dos defensores da volta dos mata-matas no Brasileirão, não só para evitar riscos de “entregas”, mas também para dar mais chances aos times menores de irem mais longe na competição.


MP não quer jogo com risco de rebaixamento em arena do Palmeiras
Comentários Comente

Perrone

O promotor Paulo Castilho, do Ministério Público de São Paulo, encaminhou na última quinta ofício para a CBF pedindo que a partida entre Palmeiras e Atlético-PR, no próximo dia 7, não seja na nova arena palmeirense por questões de segurança. Isso caso o time alviverde ainda tenha risco de ser rebaixado. Ele teme a revolta dos torcedores locais, se a queda acontecer.

Porém, se vencer o Internacional no sábado, e o Vitória perder para o Flamengo, no mesmo dia, o Palmeiras chegará à última rodada do Brasileirão livre da Série B.

Entre os argumentos de Castilho para pedir a mudança estão os fatos de a arena palmeirense não ter grade ou fosso separando o gramado dos torcedores. No documento, ele afirma que, se o local for mantido, há o risco de “revivermos o trágico episódio do estádio Couto Pereira no dia 6 de dezembro de 2009”. Naquela ocasião, revoltada com a queda do Coritiba, a torcida do Coxa protagonizou atos de vandalismo.

Caso a mudança não seja feita, o promotor pede que seja tomadas providências, como acomodar a torcida organizada do Palmeiras numa área superior do estádio e cercar o gramado com policiais e cães. No entanto, Castilho lembra que tais medidas não tiram a responsabilidade civil, criminal e desportiva dos envolvidos na organização do jogo, caso algo dê errado.

“O dever do Ministério Público é alertar e prevenir. A Polícia Militar já manifestou apoio à ideia, e acredito que a CBF vai fazer a alteração”, declarou Castilho. Segundo ele, a mudança de local, ainda que seja definida só na próxima segunda, não vai ferir o Estatuto do Torcedor. “A única exigência do estatuto é que a venda de ingressos comece até 72 horas antes do jogo”, disse ele.

De acordo com o estatuto, poder público, entidades esportivas, como a CBF, e clubes são responsáveis pela segurança nos estádios.

Além de José Maria Marin, presidente da CBF, Paulo Nobre, do Palmeiras, e Marco Polo Del Nero, da Federação Paulista, também receberam o documento.


Campanha eleitoral deslancha mesmo com Palmeiras parado na zona da degola
Comentários Comente

Perrone

Em clube que está na zona de rebaixamento do Brasileirão, a diretoria se concentra apenas em recuperar a equipe, certo? Mas, e se faltam apenas cerca de dois meses para a eleição? Esse cenário pode atrapalhar o Palmeiras, 17º colocado do Nacional, na missão de se livrar da terceira queda para a Série B.

Mesmo com o time sem conseguir se afastar da ameaça de queda, a diretoria se preocupa com o pleito de novembro. Nesta noite, Paulo Nobre, pré-candidato à reeleição, por exemplo, tem encontro marcado numa pizzaria com um grupo de conselheiros.

A reunião faz parte da estratégia do atual presidente visando à reeleição. O cartola foi aconselhado, inclusive por Mustafá Contursi, a se reunir com membros do Conselho Deliberativo para se defender de críticas e ouvir os anseios dos conselheiros. Procurado para falar sobre a reunião desta segunda, Nobre respondeu, por meio de sua assessoria de imprensa, que “as questões colocadas são internas e não serão discutidas no Blog do Perrone

Além disso, o presidente também já levou membros do Conselho Deliberativo para visitar o CT.

Nobre não é o único no clube que pensa em eleição em plena crise. Dois conselheiros ouvidos pelo blog afirmaram que receberam telefonemas de Mustafá que queria saber em quem eles vão votar. O ex-presidente nega que esteja fazendo pesquisa eleitoral. Mas é sabido que ele está em campanha por Nobre.

Luiz Carlos Granieri, outro pré-candidato, tem disparado telefonemas para membros do Conselho Deliberativo fazendo convites para formar a sua chapa. Por sua vez, Wlademir Pescarmona, também em campanha, divulgou recentemente um manifesto falando em nome da oposição e pregando uma trégua. Pediu para que as críticas fossem deixadas de lado e que houvesse união para manter o time na Série A.

Existe a preocupação de conselheiros de que com a proximidade das eleições os ataques se intensifiquem justamente na reta final do campeonato, possivelmente com o time ainda na briga contra a queda. E que o clima bélico contamine o vestiário por meio de críticas ao departamento de futebol.

Vale lembrar que pela primeira vez os sócios do clube terão direito a voto. Mas para poder concorrer o candidato precisa de apoio de 15% dos conselheiros, que seguem importantes no processo, pois parte deles tem influência junto aos associados.


Palmeiras repete time que caiu em desempenho e discurso
Comentários Comente

Perrone

Com a derrota para o Internacional, neste sábado, o Palmeiras acumulou 11 jogos perdidos no Brasileirão. É o time com maior número de resultados negativos na competição. Mas, diferentemente de outros anos, a torcida apoiou a equipe até o fim, como já havia feito em partidas recentes. Nada de vaias ou tentativas de agressão que fragilizaram o elenco no passado.

Se o comportamento da torcida não lembra as atitudes tomadas por parte dela em 2012, quando o alviverde foi rebaixado pela última vez, o desempenho do time cada vez mais se assemelha com o da equipe rebaixada. A comparação entre as duas performances ajuda a medir o risco da nova queda.

Em 18 jogos, faltando um para o final do primeiro turno, o Palmeiras atual registra a metade das 22 derrotas acumuladas pelo alviverde em 2012. Atualmente venceu cinco jogos. Em 2012 foram nove triunfos no campeonato inteiro.

A média de gols levados nas duas campanhas também é semelhante. Após a derrota para o Inter, o Palmeiras terminou o sábado com a pior defesa do Brasileirão: 24 gols tomados. Média de 1,3 por jogo. Em 2012, foram 54 bolas na rede alviverde em 38 partidas, ou 1,4 por apresentação. No ataque, a média de 2014 é pior do que a de 2012: 0,7 gol marcado por partida contra 1,02.

Não é só o desempenho das duas equipes que se assemelham. As justificativas para os maus resultados também são parecidas.

“Qualidade não, qualidade nós temos. Animicamente, sim. Levamos gols que se pode evitar. Isso mina a confiança, o time sofre. Reconheço o Inter como grande time, mas há gols que são evitáveis”, disse Ricardo Gareca ao comentar a derrota diante do Inter.

Em novembro de 2012, Gilson Kleina explicou assim o empate em 2 a 2 com o Botafogo: “O sentimento é de que se o Palmeiras não estivesse nessa situação golearia o Botafogo, com todo respeito. Não iria acelerar, não iria querer definir a qualquer momento, teria mais tranquilidade na última bola. Essa situação faz a gente perder um pouquinho de calma na hora do arremate”.

Ou seja, tanto na queda consumada como no atual risco de rebaixamento, a fragilidade emocional leva a culpa pelo fraco rendimento.


Mais torcedores perdem na Justiça, que recomenda ação da Lusa
Comentários Comente

Perrone

Duas novas decisões da Justiça publicadas nesta terça no Diário Oficial de São Paulo negam pedidos de torcedores para que seja anulado o rebaixamento da Portuguesa no tapetão. Ambas as sentenças jogam para a Lusa a obrigação de processar a CBF e o STJD, algo constrangedor para os dirigentes.

Em sua sentença, proferida na última segunda, o juiz Paulo Ricardo Cursino de Moura diz que, embora o torcedor Bartolo Maciel Rocha seja sócio do clube, não há “relação jurídica de direito material que lhe permita discutir em juízo” uma decisão da Justiça Desportiva.

Para o magistrado, “eventual medida judicial deve ser tomada pela associação”, que definirá a melhor diretriz a ser tomada.  O torcedor ainda pode recorrer da decisão tomada pelo juiz da 1ª Vara do Juizado Especial Civil regional de Santana.

Outro torcedor, Leandro Fernandez Sala apresentou uma autorização do clube para entrar com ação semelhante , de acordo com sentença publicada no Diário Oficial. O juiz João Batista de Mello Paula Lima, porém, entendeu que mesmo assim ele não tem legitimidade para representar a Lusa e declarou o processo extinto. Também cabe recurso da decisão.

Declarou o juiz da 1ª Vara Cível de Guarulhos que a Portuguesa deve ser representada por quem seu estatuto designar, não por quem seus diretores indicarem. Por isso afirma ser inócua a autorização apresentada pelo torcedor.

No último dia 7, a Justiça de São Paulo já havia considerado extinto pedido de torcedor da Lusa. Também foi alegada falta de legitimidade para agir pelo clube.

 


Movimento em favor da Lusa espera apoio flamenguista para inchar Nacional
Comentários Comente

Perrone

Líderes do movimento feito por torcedores para salvar a Portuguesa na Justiça comum acreditam que conseguirão obrigar a CBF a inchar o Brasileirão do ano que vem. E para isso contam até com os fãs do Flamengo.

A aposta é de que a entidade não vai resistir ao tsunami de ações na Justiça e aumentará o número de participantes do campeonato para impedir que seu início atrase. Um acordo que mantenha a Lusa na Série A acabaria com os processos na Justiça.

Para líderes do movimento, quando começarem a pipocar as primeiras liminares favoráveis ao time paulista, flamenguistas também vão recorrer à Justiça, preocupados com o risco de seu time ser rebaixado. Isso porque as ações em favor da Lusa pedirão anulação da perda de quatro pontos determinada pelo STJD pela escalação de Heverton, suspenso, contra o Grêmio.

Caso a Portuguesa recupere os pontos, o Flamengo, também castigado pelo STJD, seria rebaixado em seu lugar. A expectativa é de que com os rubro-negros o número de ações passe de centenas para milhares, inviabilizando de vez o Brasileirão por causa de seguidas liminares.

Nesse cenário, a esperança dos que tentam salvar a Lusa é de que a CBF faça um campeonato com 24 times, cancelando o rebaixamento de 2013. O problema é a falta de datas para mais jogos em 2014 por causa da realização da Copa do Mundo.


STJD se defendeu mais do que julgou
Comentários Comente

Perrone

O  julgamento que manteve a perda de quatro pontos e o consequente rebaixamento da Portuguesa, salvando o Fluminense, se transformou num ato em defesa do STJD promovido por seus membros. Os argumentos dos advogados da Lusa ficaram em segundo plano.

Os integrantes do tribunal demonstraram demasiada preocupação em rebater artigos de outros advogados publicados pela imprensa e contrários à sentença proferida em primeira instância. Assim, passaram uma imagem corporativista. Pareciam estar ali apenas para defender com unhas e dentes seus colegas. A escalação de Heverton, suspenso, no jogo contra o Grêmio, perdeu importância, na opinião deste blogueiro.

Tal imagem arrogante foi reforçada com o manifesto divulgado na véspera por nove advogados militantes na Justiça Desportiva em apoio a decisões que confirmem a independência e autonomia do STJD. Foi uma pista de que nesta sexta os auditores se esforçariam para proteger a instituição.

O procurador Paulo Schmmitt, por exemplo, fez uma vigorosa defesa à honra e à autonomia de seus colegas de tribunal. Além de atacar e chamar de curiosos os que defenderam o uso do Estatuto do Torcedor e outras teses.

Preservada a autonomia do STJD, fadado à deterioração está o Brasileirão em ano de Copa do Mundo no país. O Campeonato Nacional está na rota de um tsunami de ações na Justiça comum, algo que poderia ter sido evitado nesta sexta.