Blog do Perrone

Arquivo : são paulo

Valor para venda e salário atual de Mariano dificultam ida ao São Paulo
Comentários Comente

Perrone

Imagem: Abdulhamid Hosbas/Anadolu Agency/Getty Images

O pagamento de aproximadamente 5 milhões de euros (cerca de R$ 21,19 milhões) para o Galatasaray, da Turquia, e de salários semelhantes ao que o jogador recebe hoje dificultam a contratação de Mariano pelo São Paulo. Uma consulta ao estafe do lateral-direito foi feita pela direção tricolor para saber os valores que seriam envolvidos numa eventual negociação. A resposta foi de que na melhor das hipóteses os turcos aceitariam receber pouco menos do que os 5 milhões de euros que pagaram para tirar o brasileiro do Sevilla em julho de 2017.

A diretoria são-paulina ouviu também que o jogador não tem interesse em ganhar menos do que recebe atualmente. Em seguida, o São Paulo respondeu que os números são altos e que dificilmente o clube teria condições de fechar negócio, mas que mesmo assim seria feita uma avaliação, ficando aberta a possibilidade de uma contraproposta. Nesse cenário, no entorno do lateral a transferência é considerada muito difícil.

O blog não teve acesso aos valores que Mariano recebe na Turquia, porém, eles estão longe da realidade do futebol brasileiro. Na última temporada, o brasileiro foi eleito melhor lateral-direito do Campeonato Turco. Isso faz com que o Galatasaray não tenha motivos para querer se livrar dele com empréstimo gratuito ou o vendendo por muito menos do que pagou. O ex-jogador do Fluminense está sob contrato até junho de 2020.

Neste momento, a maioria das equipes turcas passa por dificuldades financeiras, mas isso, inicialmente, não ajuda o São Paulo. A sinalização de gente próxima ao lateral é de que ele não considera a situação insuportável a ponto de querer voltar ao Brasil a custo de uma redução drástica em seu salário. O entendimento é de que de que a diretoria do Galatasaray tem administrado a situação cumprindo prazos dados para pagar os vencimentos que atrasam. Além disso, Mariano se considera adaptado ao país e gosta da qualidade de vida que tem em Istambul.

Ao ser consultado pelo São Paulo, o estafe do atleta tinha os números frescos na cabeça porque recentemente o Flamengo fez uma sondagem que não evoluiu.

 


‘Descobridor’ de Jardine pede paciência da torcida e respaldo da diretoria
Comentários Comente

Perrone

Aos 39 anos, efetivado no cargo de técnico do São Paulo, André Jardine tem nesta temporada sua maior chance de fazer a carreira decolar. Como acontece normalmente com treinadores novatos, ele é rodeado por dúvidas a respeito de seu desempenho. São questões como se ele conquistará a confiança dos atletas, controlará um vestiário que foi turbulento em 2018 e conseguirá impor sua filosofia de jogo.

Para Júnior Chávare, ex-coordenador das categorias de base são-paulinas e responsável pelo desembarque de Jardine no Morumbi, em 2015, essas respostas dependem também da diretoria do clube e até da torcida. “Ele é obcecado por trabalho, por qualidade, está preparado para os desafios. Mas quando um treinador chega no profissional, demanda muita confiança e paciência da torcida e da diretoria”, afirmou o ex-dirigente tricolor.

Atualmente diretor da K2 Soccer, parceira do Tubarão-SC, Chávare já havia levado Jardine para o Grêmio, antes da indicação ao São Paulo.  “Ele estuda muito o que fazer, analisa muito o adversário e tem uma bela gestão de grupo”, afirmou o dirigente sobre as características do comandante são-paulino.

Sobre a capacidade de o treinador arrebatar a confiança de seus comandados e manter o vestiário sob controle, ele acredita num estilo franco a ser adotado pelo técnico. “Jardine tem um estilo de olho no olho, de meritocracia, jogador respeita isso. Se o atleta percebe que alguém está agregando algo pra carreira dele, ele aceita. Não tenho um pingo de dúvida de que (o técnico) vai agregar valores para os jogadores. Ele tem capacidade (para conquistar o vestiário). Mas vai precisar de respaldo da diretoria, em algum momento (em algum caso específico), ela vai precisar se posicionar. Com a diretoria dando suporte, pela gestão de pessoas que ele faz, tem toda a condição”, afirmou.

Sobre o estilo de jogo do São Paulo com seu técnico atual, Chávare aposta numa equipe que valoriza a posse de bola, não dá chutões e consegue se proteger com eficiência dos contra-ataques por fazer rápidas transições da defesa para o ataque.

 


Estafe de Ferraz vê ida para SPFC como improvável e se irrita com Peres
Comentários Comente

Perrone

A transferência de Victor Ferraz para o São Paulo passou a ser considerada praticamente inviável pelo estafe do lateral por conta de uma suposta demora do Santos em responder à última oferta feita pelo São Paulo. A interpretação é de que José Carlos Peres não quer a negociação. Mas o presidente santista negou ao blog, por meio de sua assessoria de imprensa, que não tenha respondido ao clube paulistano. Só não revelou qual foi a resposta e ainda disse que a oferta são-paulina não foi enviada de maneira oficial.

De acordo com um dos envolvidos no negócio, a mais recente tentativa tricolor foi de pagar 1 milhão de euros (cerca de R$ 4,2 milhões) pelos 40% dos direitos do atleta pertencentes ao alvinegro. O Coritiba possui outros 40% e o jogador 20%.

Inicialmente, foi avaliada a troca entre Ferraz e o são-paulino Trellez. Segundo Peres, a sugestão foi do São Paulo, já uma pessoa ligada ao lateral diz que o presidente do Santos teve a ideia e depois recuou.

O desenrolar das tratativas deixou o estafe do atleta irritado com o principal cartola santista. Um dos motivos de  insatisfação está relacionado a declarações dadas por Peres sobre o jogador pensar em “seu “futuro financeiro” ao estudar a transferência. A queixa é de que o dirigente estaria jogando Ferraz contra a torcida. E ainda de que esse cenário desvaloriza o lateral-direito, que terminou o ano como capitão santista.

Apesar do imbróglio em que se transformou a possibilidade de ida do atleta ao Morumbi, quem convive com Ferraz afirma que ele está motivado, principalmente por conta do pedido de Jorge Sampaoli para que ele permaneça na Vila Belmiro. O ex-volante Renato, agora dirigente santista, também tem tido papel fundamental conversando constantemente com o atleta.

O blog não conseguiu ouvir representantes do São Paulo sobre o tema nesta quinta (10) pouco antes da estreia do time na Flórida Cup.


Palmeiras e Flamengo no topo. As projeções para 2019
Comentários Comente

Perrone

Palmeiras e Flamengo são disparadamente favoritos para vencer o Brasileirão. Também estão entre os candidatos ao título da Libertadores, mas com menos vantagem sobre outros concorrentes. O formato de mata-mata dá mais chances a times com elencos menos robustos de encarar os melhores.

Ainda bem organizados, Grêmio, Cruzeiro e Internacional serão muito fortes nas Copas. Ou seja, estão na briga pela Libertadores.

Com Hernanes e Pablo o São Paulo ganha força para brigar por todos os títulos que disputar. O problema, na opinião deste blogueiro, é a inexperiência de André Jardine. Controlar o vestiário, tenso em 2018, será uma prova de fogo para o novato

O Corinthians enfrentará mais um ano de reestruturação. Até agora, Ramiro é seu reforço mais interessante. Forte candidato ao título da Copa do Brasil. Se vencer o Brasileirão surpreenderá este blogueiro.

Atlético-MG também é forte candidato ao título da Copa do Brasil. Para brigar por Libertadores e Brasileirão precisa se reforçar.

Sampaoli precisará de tempo e de uma organização fora de campo que o Santos não teve na última temporada. Sem uma boa estrutura e reforços de qualidade será difícil pensar em algo além da Copa do Brasil.

Botafogo, Fluminense e Vasco começam o ano sem mostrar nada que que dê esperança de títulos para suas torcidas.


Chineses deixam Hernanes em compasso de espera
Comentários Comente

Perrone

Desejado pelo São Paulo, Hernanes está em compasso de espera. Os chineses do Hebei Fortune ainda não responderam se aceitam negociar o meio-campista. Dessa forma, ele segue sem definir seu futuro.

Até a tarde desta quarta-feira (26), a direção do clube chinês não havia dado resposta a Joseph Lee, empresário do brasileiro. Como Hernanes decidiu que não vai peitar os dirigentes de sua atual agremiação, ele segue aguardando um posicionamento.

Faz pelo menos cerca de uma semana que Lee informou ao Hebei sobre os interesses do São Paulo e de mais uma equipe brasileira e outra italiana. Ele mantém os nomes dos outros pretendentes sob sigilo.

Hernanes tem contrato até dezembro de 2019 e colocou como prioridade não azedar a relação com seus atuais patrões.

 


Opinião: Volpi é o reforço mais pressionado entre todos do país
Comentários Comente

Perrone

A contratação de Pablo foi a mais badalada do mercado brasileiro até agora. Porém, o reforço que chega mais pressionado em seu novo clube é Tiago Volpi, que será companheiro do atacante no São Paulo.

Pelos valores envolvidos em sua transferência, Pablo será fortemente cobrado para se transformar em goleador do Morumbi. Mas, na opinião deste blogueiro, a cobrança sobre ele não se compara ao que Volpi enfrentará.

Nenhum dos jogadores que se transferiram até agora no futebol nacional tem uma missão tão complicada quanto a do goleiro que estava no Querétaro, do México.

O novo goleiro são-paulino será recebido por uma torcida órfã de um dos maiores ídolos do clube. Rogério Ceni é a referência para qualquer um que defenda a meta tricolor. Ou seja, quem estiver nessa posição precisa  salvar o time com defesas milagrosas, ser especialista em defender pênaltis, saber jogar minimamente com os pés e ainda se transformar em líder da equipe.

Não alcançar esse conjunto de habilidades deixa o postulante ao posto vulnerável. Denis, Sidão e Jean são provas disso.

O fracasso do clube na missão de preparar um substituto para Ceni, apesar do tempo que houve para isso, deixou a torcida impaciente ao extremo. É praticamente impossível blindar dessa impaciência os postulantes à vaga. Ela tende a se transformar em insegurança e, consequentemente, em falhas.

Esse é o cenário que Volpi vai enfrentar. O fato de estar emprestado por apenas um ano aumenta o grau de dificuldade da tarefa dada a ele. Isso porque o goleiro já sabe que o tempo para conquistar o carente torcedor são-paulino e conseguir um contrato mais longo será escasso.


Na mira do São Paulo e de time italiano, Hernanes descarta peitar chineses
Comentários Comente

Perrone

Interesses de um clube italiano e de outro brasileiro, além do desejo de Hernanes de não brigar com os dirigentes do Hebei Fortune. Esses fatores estão entre as dificuldades do São Paulo para conseguir o retorno do meio-campista.

O estafe do jogador mantém em sigilo o nome dos outros pretendentes que afirma existir. Nos dois casos, como em relação ao clube do Morumbi, as conversas estão apenas no início.

Os chineses já foram avisados sobre as sondagens que Hernanes recebeu. O atleta agora espera a diretoria do clube dizer para seu empresário, Joseph Lee, se aceita negociar.

As tratativas só vão avançar se o Hebei der sinal verde. Hernanes coloca como prioridade não se desentender com a diretoria do time. Por isso, a possibilidade de ele peitar os chineses para retornar ao brasil não é considerada em seu entorno. O contrato do brasileiro termina em dezembro de 2019.

Outra dificuldade é o alto salário que o jogador recebe na China, mas ele está disposto a ouvir propostas inferiores ao que recebe atualmente.

 


Críticas de Raí a Bolsonaro e silêncio do SPFC chateiam parte do conselho
Comentários Comente

Perrone

As críticas disparadas por Raí contra Jair Bolsonaro em recente entrevista ao jornal francês “L’Equipe” e o silêncio do São Paulo em relação a elas incomodaram parte dos conselheiros tricolores.

Um dos motivos de insatisfação é o fato de o clube ter se manifestado oficialmente depois de Diego Souza comemorar seu gol contra o Flamengo no último domingo (4) homenageando o presidente eleito e ter se calado diante das declarações de Raí.

De acordo com a “Folha de S. Paulo”, o clube afirmou que a posição do jogador não reflete à da agremiação e que não se vê no direito de cercear a opinião alheia. O posicionamento oficial foi dado diretamente aos órgãos de imprensa que o pediram. Não houve comunicado divulgado no site do clube.

De acordo com o departamento de comunicação tricolor, só houve posicionamento sobre a comemoração porque o clube foi indagado a respeito do assunto. E não existiu manifestação sobre a entrevista de Raí porque ninguém fez perguntas relativas à ela.

Entre os insatisfeitos está um eleitor do atual presidente tricolor, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Ele procurou o blog para falar sobre o caso em tom de desabafo. O conselheiro incomodado disse, sob a condição de anonimato, que os insatisfeitos entendem que a atual direção é mais tolerante com as manifestações contrárias ao presidente eleito.

Outros dois membros do conselho são-paulino confirmaram a versão de que há insatisfação com o episódio no qual Raí criticou Bolsonaro.

Também faz parte das queixas o fato de o diretor executivo de futebol do São Paulo estar envolvido com a elaboração do código de conduta e de ética do clube. Como mostrou o blog, o documento deve vetar manifestações políticas de funcionários, incluindo jogadores e dirigentes remunerados.

O argumento é de que Raí teria agido de maneira contraditória em relação ao futuro código ao fazer comentários políticos publicamente. Na entrevista, o ex-jogador chegou a chamar de absurdos e repugnantes os valores defendidos por Bolsonaro e seus eleitores.

O blog procurou a assessoria de imprensa do São Paulo para tentar ouvir Raí sobre o assunto e segue aguardando uma resposta oficial.

Um membro do conselho que confirma haver colegas insatisfeitos com as críticas de Raí é o opositor Newton Luiz Ferreira, o Newton do Chapéu.

Ele disse que acredita ter sido procurado por sócios e torcedores, além de membros do conselho, insatisfeitos com o diretor executivo por ter feito campanha por votos para Bolsonaro.

Mas, ao escrever em rede social sobre essa insatisfação de parte dos são-paulinos, ele defendeu Raí. “Obviamente, tenho uma posição contrária a dele, porém vivemos em um estado democrático, e o depoimento do Raí foi como cidadão brasileiro, não falou representando o São Paulo”, escreveu Newton no dia 1º de novembro. O opositor deixou claro não fazer parte do grupo que está aborrecido com o ex-jogador.

Tréllez

Um dos conselheiros que conversaram com o blog disse estranhar o fato de entre o primeiro e o segundo turnos da eleição presidencial a numeração de Tréllez ter mudado de 17, número de Bolsonaro no pleito, para 7.

Segundo a assessoria de imprensa do São Paulo, a alteração foi feita devido a um pedido incessante de Tréllez desde que Nenê assumiu a camisa 10.

O colombiano não recebeu a camisa 7 antes porque Rojas desejava o mesmo número. Só depois que os dois concordaram foi feita a mudança. Rojas ganhou o número 11.

 


SPFC elabora código de ética. Ato político está entre temas abordados
Comentários Comente

Perrone

O São Paulo prepara um código de conduta e ética para ser seguido por seus funcionários, incluindo jogadores e comissão técnica. A ideia é apresentar a eles o documento em janeiro de 2019.

O objetivo principal é deixar clara para quem trabalha no clube a identidade e os valores da agremiação e como agir de acordo com esses ideais.

Um tema atual que será abordado pelo código é o comportamento em relação a manifestações políticas. Desde a última campanha para a presidência do Brasil, elas têm sido comuns entre jogadores que apoiam o presidente eleito Jair Bolsonaro.

No último domingo, Diego Souza comemorou seu gol contra o Flamengo homenageando o capitão. Parte da torcida criticou o atleta alegando que com o uniforme do clube ele não poderia se manifestar já que correria o risco de passar uma imagem diferente dos valores defendidos pela instituição.

O texto do novo código ainda não está fechado. Ele não deve se aprofundar em relação ao comportamento político dos funcionários já que não é considerado um tema central por seus idealizadores.

A tendência é de que a questão receba tratamento parecido ao dado no estatuto tricolor. O conjunto de regras do clube diz que é vedado aos associados promover manifestações de caráter político estranho ao São Paulo ou atos discriminatórios nas dependências do clube.

Para ser coerente com o estatuto, o código deve orientar jogadores e demais colaboradores a evitarem atos políticos como o feito por Diego Souza.

Uma comissão que tem a participação de Raí, diretor executivo de futebol, cuida do documento há cerca de três meses. Ou seja, a criação do código não foi motivada pela celebração de Diego Souza.

O documento também não é tratado como uma cartilha de comportamento. Na visão da diretoria se trata de peça fundamental para uma boa gestão e eficiente política administrativa.

Trabalhar a identidade do São Paulo para dentro e fora da instituição mostrando o que norteia suas decisões e o diferencia de outras agremiações é um dos principais conceitos da iniciativa.

O código também abordará governança corporativa, relação de funcionários, como jogadores, com associados, torcedores, fornecedores, imprensa, poder público, entidades esportivas e entre os colaboradores.

Entre outros assuntos, ainda cuidará de conflitos de interesse, assédio moral, violência psicológica, respeito à diversidade e definirá diretrizes sobre como agir em casos de desvio de conduta.


VAR tem simpatia dos primeiros, mas ideia do Inter ainda não decolou
Comentários Comente

Perrone

Pelo menos três dos outros quatro primeiros colocados do Brasileirão são simpáticos à ideia do uso do VAR nas últimas rodadas da competição, como propõe o Internacional. Porém, o projeto do time gaúcho (3º colocado) ainda não decolou.

De seis clubes indagados nesta segunda (29) sobre o tema pelo blog, apenas o Grêmio havia sido procurado pelo presidente do Internacional, Marcelo Medeiros.

O cartola colorado quer entregar um abaixo-assinado para a CBF pedindo o uso do VAR na reta final do Brasileirão.

“Sim (fui procurado pelo Inter). Eles vão fazer um documento. O Grêmio (5º colocado) mantém sua posição inicial de concordância, mas entende que (o assunto) deve passar pelo conselho técnico da CBF”, afirmou o presidente do tricolor gaúcho, Romildo Bolzan.

Ou seja, para a direção do gremista não basta a assinatura, é necessária uma reunião dos clubes da Série A na confederação para aprovar a novidade, o que evitaria eventuais questionamentos futuros.

Líder do campeonato, o Palmeiras também não foi procurado nesta segunda para tratar do tema. Mas, seu presidente, Maurício Galiotte, segue como defensor do uso do VAR o mais rapidamente possível. No entanto, procurada, a assessoria de imprensa do clube disse que a diretoria não comentaria a proposta do Inter.

O Flamengo é outro que não tinha recebido pedido do Internacional para assinar o documento. “Não foi procurado, mas sempre apoiei o VAR”, declarou ao blog Eduardo Bandeira de Mello, presidente do vice-líder do Brasileirão.

Já o São Paulo, quarto colocado, não respondeu sobre o assunto até a publicação deste post.

José Carlos Peres, presidente do Santos, sétimo na classificação do Nacional, também afirmou que não tinha sido procurado pelo Inter. Ele declarou que apoia o uso imediato do VAR “sem dúvida”.

O blog não conseguiu falar com a diretoria do Atlético-MG, que ocupa a sexta posição na tabela.

Fora da briga pelo título e ainda tentando se afastar da zona de rebaixamento, o Corinthians ainda não recebeu pedido para assinar o documento, segundo seu departamento de comunicação. O clube não se posicionou sobre o assunto.